Práticas de trabalho da cultura popular no agreste de Pernambuco: entre o moderno e o tradicional [doi: 10.21529/RECADM.2017009]

Elisabeth Santos, Diogo Henrique Helal

Resumo


Este artigo tem como pergunta de pesquisa “como os hibridismos entre ethos tradicionais e modernos estão presentes nas práticas de trabalho da cultura popular no Agreste pernambucano?” Neste sentido, lançamos como objetivo compreender o hibridismo tradicional-moderno nas práticas de trabalho da cultura popular no Agreste pernambucano e as respostas dadas a estes hibridismos, a partir do estudo de duas organizações culturais: uma banda de pífano e o grupo bumba-meu-boi. Para isso, foi proposta uma matriz de compreensão teórica que agrega a noção de prática dos Estudos Baseados em Prática e, mais especificamente, da etnometodologia, as noções weberianas de ethos e ação social, para a compreensão do que são práticas híbridas. Por meio da própria epistemologia dos Estudos Baseados em Práticas, do método etnometodológico e de abordagem qualitativa, realizamos e registramos entrevistas semiestruturadas, conversas informais e observações participantes. Através de análise de orientação etnometodológica, considerando como categorias analíticas a noção de prática, membro, linguagem e significados, identificamos sete práticas existentes no contexto de trabalho das organizações de cultura popular. Utilizando a matriz de interpretação proposta, que tem como categorias analíticas as noções de ethos e ação social, vários hibridismos foram identificados em cada prática. Observou-se que isso acontece principalmente em função de algumas práticas possuírem ethos cuja orientação é essencialmente tradicional, mas recursos financeiros se fazem necessários para a manutenção dessas práticas, resultando na necessidade de elaboração de projetos culturais, ofícios, leis etc., visando fins específicos. Respostas aos hibridismos foram observadas, dentre elas, a ação dos líderes de grupos de cultura popular, que caminham entre o ethos tradicional e o moderno, utilizando meios modernos para manutenção do tradicional, evidenciando a existência de uma interdependência entre estes elementos. Como principal contribuição da presente pesquisa, evidenciamos a abordagem multi e interdisciplinar proposta, a fim de compreender fenômenos complexos como o trabalho com cultura popular.

Palavras-chave

Práticas; Hibridismos; Moderno; Tradicional; Cultura popular; Agreste de Pernambuco.

 


Referências


Adamoglu de Oliveira, S., & Montenegro, L. M. (2012). Etnometodologia: desvelando a alquimia da vivência cotidiana. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 129-145.

Albuquerque, D. M., Jr. (2011). A Invenção do Nordeste e Outras Artes (5a ed.) São Paulo: Cortez.

Alcadipani, R., Khan, F. R., Gantman, E. & Nkomo, S. (2012). Southern voices in management and organization knowledge.Organization, 19(2), 131-143.

Almeida, M. I. M., & Pais, J. M. (2012). Criatividade, Juventude e novos horizontes profissionais. Rio de Janeiro: Zahar.

Andrade, M. M. (2009). Introdução à Metodologia do Trabalho Científico (9a ed.). São Paulo: Atlas.

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed.

Araújo, T. B. (2004). Northeast, Northeasts: what northeast? Latin American Perspectives, 31(2), 16-41.

Bispo, M. (2013). Estudos Baseados em Prática: Conceitos, História e Perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2(1), p. 13-33.

Bispo, M. (2015). Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. Brazilian Administration Review, 12(3), 309-323.

Bispo, M. S., & Godoy, A. S. (2014). Etnometodologia: uma proposta para pesquisa em estudos organizacionais. Revista de Administração da Unimep, 12(2), 108-135.

Blass, L. M. S. (2007). Desfile na avenida, trabalho na escola de samba: a dupla face do Carnaval. São Paulo: Annablume.

Bourdieu, P., Chamboredon, J., & Passeron, J. (2007). Ofícios do sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes.

Canclini, N. G. (1995). As Culturas Populares no Capitalismo. São Paulo: Brasiliense.

Canclini, N. G. (2013). Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (4a ed.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Chaui, M. (1989). Conformismo e resistência: Aspectos da cultura popular no Brasil (4a ed.). São Paulo: Brasiliense.

Dalmoro, M.; Nique, W. M. (2017). Tradição mercantilizada: Construção de mercados baseados na tradição. Revista de Administração Contemporânea, 21(3), 327-346.

Dourado, D. C. P., Holanda, L. A., Silva, M. M. M., & Bispo, D. A. (2009). Sobre o sentido do trabalho fora do enclave de mercado. Cadernos EBAPE.BR, 7(2), 350-367.

Farias, E. S. (2001). Festas populares e entretenimento-turismo no Brasil (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Farias, E. S. (2005). Economia e cultura no circuito das festas populares brasileiras. Sociedade e Estado, 20(3), 647-688.

Figueiredo, M. D. (2016). Uma Agenda de Pesquisa para o Estudo das Práticas Culturais Tradicionais nos Estudos Organizacionais. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 5 (2), 33-49.

Fischer, E. (1987). A necessidade da arte. (9a ed.). São Paulo: Editora Guanabara.

Gameiro, R., Menezes, M. F., & Carvalho, C. A. (2003). Maracatu Pernambucano: Resistência e Adaptação na Era da Cultura Mundializada. In Carvalho, C. A. & Vieira, M. M. F. Organizações, cultura e desenvolvimento local: A agenda de pesquisa do Observatório da Realidade Organizacional. Recife, EDUFEPE.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Greenwood, R., Raynard, M., Kodeih, F., Micelotta, E. R., & Lounsbury, M. (2011). Institucional Complexity and Organizational Responses. The Academy of Management Annals, 5(1), 317-371.

Gubert, A., & Kroeff, L. R. (2001). Versões sobre o trabalho na rua: significações na relação do retratista com a sua arte. Psicologia: ciência e profissão. 21(1), 84-93.

Helal, D. H. (2015). Mérito, Reprodução Social e Estratificação Social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 22(73), 251-267.

Holanda, L. A. (2011). Resistência e apropriação de práticas do management no organizar de coletivos da cultura popular (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Imas, J. M., & Weston, A. (2012). From Harare to Rio de Janeiro: Kukiya-Favela organization of the excluded. Organization, 19(2), 205-227.

Laraia, R. B. (1986). Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Madeiro, G., & Carvalho, C. (2003). Da origem pagã às micaretas. In Carvalho, C. & Vieira, M. Organizações, Cultura e Desenvolvimento Local. Recife: EDUFEPE.

Maynard, D., & Clayman, S. E. (1991). The diversity of ethnomethodology. Annual Review of Sociology, 17, 385-418.

Menger, P. M. (2005). Retrato do artista enquanto trabalhador: Metamorfoses do capitalismo. Lisboa: Roma Editora.

Merriam, S. B. (2009). Qualitative Research: a guide to design and interpretation. San Francisco: Jossey-Bass.

Mira, M. C. (2014). Metrópole, tradição e mediação cultural: reflexões a partir da experiência dos grupos recriadores de maracatu na cidade de São Paulo. Revista Mediações, 19(2), 185-204.

Nicolini, D. (2009). Zooming In and Out: Practices by Switching Theoretical Lenses and Trailing Connections. Organizations Studies, 12(30), 1391-1418.

Nicolini, D. (2013). Practice Theory, Work, & Organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press.

Nicolini, D., & Monteiro, P. (2016). The Practice Approach: For a Praxeology of Organisational and Management Studies. In Tsoukas, H. & Langley, A. (eds). The SAGE Handbook of Process Organization Studies.London: SAGE. Retrieved from http://www.researchgate.net/publication/282334669_The_Practice_Approach_For_a_Praxeology_of_Organisational_and_Management_Studies_%282016%29.

Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, 5(2), 243-263.

Romero, J. J. C. (1991). Etnometodologia: una explicación de la construcción social de la realidad. Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 56, 83-114.

Rosa, A. R., & Alcadipani, R. (2013). A terceira margem do rio dos estudos críticos sobre administração e organizações no Brasil: (Re)Pensando a crítica a partir do pós-colonialismo. Revista de Administração Mackenzie,14(6), Edição Especial, 185-215.

Sá, M. G. (2013). Feirantes: Possíveis Contribuições. In Sá, M. G., Helal, D. H., Ferraz, A., & Silva, J. P. Trabalho: Questões no Brasil e no Agreste Pernambucano.Recife: Ed. Universitária da UFPE.

Sá, M. G. (2015). Os filhos das feiras e o campo de negócios do Agreste. (Tese de Doutorado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Santos, E. C. (2013). O produtor da cultura popular de Pernambuco frente às transformações das políticas culturais em 2003: uma abordagem relacional e disposicional. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

Santos, E. C., Costa, M. (2015). Reflexões Teóricas sobre o Regime de Acumulação Flexível e a Mercantilização da Cultura. In Anais do Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador, BA, Brasil, 11.

Schatzki, T. R. (2001). Introduction: practice theory. In Schatzki, T. R., Knorr Cetina, K., & SAVIGNY, E. von (eds.). The Practice Turn in Contemporary Theory. New York: Routledge.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2012). Estudo Econômico do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano, 2012. Relatório Final. Recife, Brasil.

Silva, A. S. (2015). A Liderança como Relação Social: Uma Proposta de Abordagem Interpretativa a Partir da Teoria da Ação Social e das Estruturas Típicas de Dominação Weberianas. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Silva, L. H., Jr., Sobral, E. F. M., & Santana, O. M. S. (2012). Notas sobre a infraestrutura social e econômica do Agreste pernambucano. Economia e Desenvolvimento, 11(1), 108-136.

Souza, J. (2000).A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Souza, C. L. C. (2011). Panis et ars: artistas e gestores nas indústrias criativas. (Tese de Doutorado). Pontíficia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Véras de Oliveira, R. (2013). O Pólo de Confecções do Agreste de Pernambuco: elementos para uma visão panorâmica. In Véras de Oliveira, R. & Santana, M. A. Trabalho em territórios produtivos reconfigurados no Brasil. João Pessoa: Editora da UFPB.

Weber, M. (2005). A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Martin Claret.

Weber, M. (2014). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. (4a. ed.). Brasília: Editora Universidade de Brasília.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM