O efeito da informação de sustentabilidade corporativa nos retornos das ações: análise de empresas incluídas no ranking Global 100 [doi: 10.21529/RECADM.2017010]

Nathállya Etyenne Figueira Silva, Aldo Leonardo Cunha Callado

Resumo


Esta pesquisa buscou analisar o efeito causado nos retornos das ações das empresas após a divulgação de inclusão no ranking Global 100. Para tanto, utilizou-se a metodologia de Estudo de Eventos, na qual se baseia na hipótese de mercado eficiente semiforte. Foram considerados os rankings Global 100 divulgados ao longo de 12 anos, de 2005 até 2016. A amostra da pesquisa foi constituída por ações das empresas que dispunham de dados na data de sua respectiva inclusão, sendo assim composta por 266 ações. A variável utilizada foram as cotações diárias das ações das empresas durante o período de estimação (160 dias) e janela de evento (21 dias) e dos índices de mercado dos países em que a ação foi cotada, coletadas no Banco de Dados da Thomson Reuters®. Os resultados obtidos apresentaram que a divulgação do ranking Global 100 não causou efeito positivo ou negativo significante nos retornos anormais acumulados (CARs) das ações das empresas incluídas.

 

Palavras-Chave

Global 100; Responsabilidade social corporativa; Sustentabilidade; Desempenho financeiro.


Referências


Alshammari, M. (2015). Corporate Social Responsibility and Firm Performance: The Moderating Role of Reputation and Institutional Investors. International Journal of Business and Management, 10(6), 15-28.

Anderson-Weir, C. H. (2010). How does the stock market react to corporate environmental news?. Undergraduate Economic Review, 6(1), 1-31.

Arantes, E. (2006). Investimento em responsabilidade social e sua relação com o desempenho econômico das empresas. Conhecimento Interativo, 2(1), p. 03-09.

Belo, N. M., & Brasil, H. G. (2006). Assimetria informacional e eficiência semiforte do mercado. Revista de Administração de Empresas, 46(Spe), 48-57.

Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros. Índice de Sustentabilidade Empresarial. Recuperado em 17 maio, 2016 de

Brooks, C. (2008). Introductory econometrics for finance. Cambridge: Cambridge university press.

Brown, S. J., & Warner, J. B. (1985). Using daily stock returns: The case of event studies. Journal of financial economics, 14(1), 3-31.

Camargos, M. A., & Barbosa, F. V. (2003a). Estudos de evento: teoria e operacionalização. Caderno de Pesquisa em Administração, 10(3), 1-20.

Camargos, M. A., & Barbosa, F. V. (2003b). Teoria e evidência da eficiência informacional do mercado de capitais brasileiro. Caderno de pesquisas em administração, 10(1), 41-55.

Campbell, J. Y., MacKinlay, A. C., & Lo, A. W. C. (1997). The econometrics of financial markets. Princeton University press.

Campbell, J. L. (2007). Why would corporations behave in socially responsible ways? An institutional theory of corporate social responsibility. Academy of management Review, 32(3), p. 946-967.

Cheung, A. W. K. (2011). Do stock investors value corporate sustainability? Evidence from an event study. Journal of Business Ethics, 99(2), 145-165.

Claro, P. B. O., & Claro, D. P. (2014). Sustentabilidade estratégica: existe retorno no longo prazo? Revista de Administração, 49(2), p. 429-440.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Corporate Knights. The 2015 Global 100: Overview of Methodology. Recuperado em 05 março, 2016 de

Curran, M. M., & Moran, D. (2007). Impact of the FTSE4Good Index on firm price: An event study. Journal of environmental management, 82(4), 529-537.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (2005). A Gaiola de Ferro Revisitada: Isomorfismo Institucional e Racionalidade Coletiva nos Campos Organizacionais. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89.Donaldson, T., & Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the Corporation: concepts, evidence, and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91.

Dourado, G. A., & Tabak, B. M. (2014). Teste da Hipótese de Mercados Adaptativos para o Brasil. Revista Brasileira de Finanças, 12(4), 517-553.

Fama, E. F. (1970). Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. The journal of Finance, 25(2), 383-417.

Fama, E. F. (1991). Efficient capital markets: II. The journal of finance, 46(5), 1575-1617.

Forti, C. A. B., Peixoto, F. M., & Santiago, W. P. (2009). Hipótese da eficiência de mercado: um estudo exploratório no mercado de capitais brasileiro. Gestão & Regionalidade (Online), 25(75), 45-56.

French, K. R. (1980). Stock returns and the weekend effect. Journal of Financial Economics, 8(1), 55-69.Friedman, M. (1970). The social responsibility of business is to increase its profits. New York, p. 122-124.

Galdão, A., & Famá, R. (1998). Avaliação da eficiência na precificação de ações negociadas no Brasil, por teste de volatilidade. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 33(2), 60-68.

Geske, R., & Roll, R. (1983) The fiscal and monetary linkage between stocks returns and inflation. The Journal of Finance, 38(1), 1-33. Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Global Sustainable Investiment Alliance – GSIA. Global sustainable investment review. 2014. Recuperado em 19 outubro, 2016 de http:// www.gsi-alliance.org

Hansen, B. E. (2016). Econometrics. Wisconsin: University of Wiscosin.Jonsson, R.; Radeschnig, J. (2014). From Market Efficiency to Event Study Methodology: an Event Study of Earnings Surprises on Nasdaq OMX Stockholm. Bachelor Thesis in Economics, Mälardalen University, Västerås, Sweden.

Kauark, F. S.; Manhães, F. C.; Medeiros, C. H. (2010). Metodologia da pesquisa: um guia prático. Bahia: Via Litterarum.

Lyon, T. P., & Shimshack, J. P. (2015). Environmental disclosure: Evidence from Newsweek’s green companies rankings. Business & Society, 54(5), 632-675.

MacKinlay, A. C. (1997). Event studies in economics and finance. Journal of economic literature, 35(1), 13-39.

Madorran, C., & Garcia, T. (2016). Corporate social responsibility and financial performance: the Spanish case. Revista de Administração de Empresas, 56(1), 20-28.

Marques, S., Ahlfeldt, R., Cruz, J. A. W., & Silva, W. V. (2015). Análise de anomalia da hipótese dos mercados eficientes à luz das finanças comportamentais. Revista da Faculdade de Administração e Economia, 6(2), 33-50.

Martins Júnior , J. (2011). Como escrever trabalhos de conclusão de curso. Petrópolis: Vozes.

Mitcham, C. (1995). The concept of sustainable development: its origins and ambivalence. Technology in society, 17(3), 311-326.

Murguia, J. M., & Lence, S. H. (2015). Investors’ Reaction to Environmental Performance: A Global Perspective of the Newsweek’s “Green Rankings”. Environmental and Resource Economics, 60(4), 583-605.

Mussa, A., Yang E., Trovão, R., & Famá, R. (2008). Hipótese de mercados eficientes e finanças comportamentais: as discussões persistem. FACEF Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 11(1), 5-17.

Mutezo, A. (2014). Socially responsible investment and financial performance: evidence from the Johannesburg securities exchange. Banks and Bank Systems, 9(3), 120-128.

Oberndorfer, U., Schmidt, P., Wagner, M., & Ziegler, A. (2013). Does the stock market value the inclusion in a sustainability stock index? An event study analysis for German firms. Journal of Environmental Economics and Management, 66(3), 497-509.

Oliveira, D. M., Almeida, C. A. S., Rocha, L. A., Tortato U., & Silva, W. V. (2015). Relação entre responsabilidade social corporativa e desempenho financeiro das empresas brasileiras do setor energético. Revista Uniabeu, 8(18), 17-32.

Revelli, C., & Viviani, J. L. (2015). Financial performance of socially responsible investing (SRI): what have we learned? A meta‐analysis. Business Ethics: A European Review, 24(2), 158-185.

Rocha, H. M., & Delamaro, M. C. (2011). Abordagem metodológica na análise de dados de estudos não-paramétricos, com base em respostas em escalas ordinais. GEPROS: Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 6(3), 77-92.Schaeffer, R., Borba, B. S., Rathmann, R., Szklo, A., & Branco, D. A. C. (2012). Dow Jones sustainability index transmission to oil stock market returns: a Garch approach. Energy, 45(1), 933-943.

Serpa, D. A. F., & Fourneau, L. F. (2007). Responsabilidade social corporativa: uma investigação sobre a percepção do consumidor. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 83-103.

Silva, N. E. F., Coelho, P. F. C., & Cavalcante, C. E. (2016). Isomorfismo e sustentabilidade: análise nas empresas do setor elétrico brasileiro. Exacta, 14(2), 251-268.

Soares, R. O., Rostagno, L. M., & Soares, K. T. C. (2002). Estudo de evento: o método e as formas de cálculo do retorno anormal. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração. Salvador, BA, Brasil, 22.

Soppe, A. (2009). Sustainable finance as a connection between corporate social responsibility and social responsible investing. Indian School of Business WP Indian Management Research Journal, 1(3), 13-23.

United States Social Investment Forum – USSIF. SRI Basics. Recuperado em 30 maio, 2016 de

Wang, Y. S., & Chen, Y. J. (2015). Corporate social responsibility and financial performance: Event study cases. Journal of Economic Interaction and Coordination, 10(1), 1-27.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM