Motivadores da Internacionalização de Pequenas Empresas de Software: um estudo multi casos nos contextos brasileiro e espanhol

Alessandra Herranz, Hilka Pelizza Vier Machado
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2019011

Texto completo:

PDF

Resumo

A indústria de software se caracteriza como uma indústria de intenso crescimento global, no qual as empresas têm se internacionalizado. Embora o setor seja dominado por pequenas empresas, a inserção internacional dessas empresas ainda é reduzida. O objetivo desta pesquisa foi conhecer os motivadores da internacionalização de pequenas empresas do setor de software. O método da pesquisa foi o estudo múltiplo de casos, realizado junto a cinco pequenas empresas de software em dois contextos, no Estado do Paraná, sul do Brasil e em Valencia, Espanha. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas do tipo abertas. A codificação foi realizada com o software NVivo, versão 11. Os dados foram categorizados e interpretados. As categorias resultaram nos motivadores de internacionalização: a) a competição; b) busca por novos mercados; c) colocação de produto inovador: d) oportunidade casual; e) crescimento; f) acesso a mercados internacionais para buscar recursos humanos. A contribuição teórica foi a de analisar a internacionalização de pequenas empresas em dois contextos, propiciando maior abrangência nas conclusões sobre motivadores de internacionalização. Como contribuição prática, os resultados da pesquisa podem ser úteis às empresas de software que desejam se internacionalizar, de modo a se espelharem nos motivadores mencionados pelas empresas nesta pesquisa.


Palavras-chave

internacionalização; empresas de software; pequenas empresas


Referências


ABES – (2018). Associação Brasileira das Empresas de Software. Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências. Recuperado em 18 agosto, 2018 de http://central.abessoftware.com.br/Content/UploadedFiles/Arquivos/Dados%202011/af_abes_publicacao-mercado_2018_small.pdf

Barbosa, S. L.; Rezende, S. F. L., & Versiani, A. F. (2014). Relationships and Knowledge in the firm internationalization process. Revista de Administração, São Paulo, 49(1), 129-140.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa. Edições 70.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som. (2ed.). Petrópolis: Vozes.

BRASIL. (2016). Diário Oficial da Nação. Seção 1. No. 239, quinta-feira, 14 de dezembro de 2006. Recuperado em 10 agosto, 2016, de http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/servlet/INPDFViewew?jornal=1&pagina=35&data=12/12/2006&caprchafield=firistAccess

Câmara, M. R. G., Campos, M. F. S. S., & Sereia, V. J. (2013). Características e potencialidades das aglomerações de software no Paraná. Londrina: EDUEL.

AINTEC. (2016). Agência Inovação da UEL. APL de TI de Londrina e Região, 2016. Recuperado em 08 julho, 2016, de http://www.aintec.com.br/intuel/apl-de-ti-de-londrina-e-regiao

Cortezia, S. L. D., & Souza, Y. S. (2007, set). Aprendizagem na Internacionalização de Micro e Pequenas Empresas da Indústria de Software. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil 31.

Cortezia, S. L. D., Souza, Y., S., & Vieira, L. M. (2007, maio). Internacionalização de Pequenas Empresas: um Estudo na Indústria de Software do Estado do Rio Grande do Sul (Brasil). Anais do Encontro de Estudos em Estratégias, São Paulo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3 .

Cortezia, S. L. D., & Souza, Y. S. (2011). Uma análise sobre a internacionalização de pequenas empresas brasileiras da indústria de software. BBR – Brazilian Business Review, 8(4), 24-45.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Cunha, S. K. (2010). Processo de internacionalização de uma empresa multinacional brasileira de base tecnológica. Revista de Administração: FACES Journal, 9(4), 67-84.

Deligianni, I., Voudouris, I., & Lioukas, S. (2015). Growth paths of small technology firms: The effects of different knowledge types over time. Journal of World Business, 50(3), 491–504.

Dib, L. A., Rocha, A., & Silva, J. F. (2010). The internationalization process of Brazilian software firms and the born global phenomenon: Examining firm, network, and entrepreneur variables. Journal of International Entrepreneurship, 8(3), 233-253.

Ecured. (2017). Textos sobre o Parque Tecnológico de Valencia. Recuperado em 30 janeiro, 2017, de https://www.ecured.cu/Parque_Tecnol%C3%B3gico_de_Valencia

Etemad, H. (2004). Internationalization of small and medium-sized enterprises: a grounded theoretical framework and an overview. Canadian Journal of Administrative Sciences, 21(1), 1-21.

Farias, J. S., & Santos, D. A. (2006). O processo de internacionalização das empresas brasileiras: o caso de Sergipe. Economia & Gestão, 6(13), 58-80.

Francioni, B., Vissak T., & Musso, F. (2017). Small Italian producer´s internationalization: The role of network relationships in the emergence of late starters. International Business Review, 26(1), 12-22.

Gibbs, G. (2009). Análise de Dados Qualitativos. Porto Alegre: ArtMed.

Hagsten, E., & Kotnik, P. (2017). ICT as facilitator of internationalization in small and medium-sized firms. Small Business Economics, 48(2), 431-446.

Harmeling. S. (2011). Contingency as an entrepreneurial resource: How private obsession fulfills. Journal of Business Venturing, 26(3), 293–305.

Javernick-Will, A. N. (2009). Organizational learning during internationalization: acquiring local institutional knowledge. Construction Management and Economics, 27(8)783-797.

Johanson, J., & Vahlne, J-E. (1977). The Internationalization Process of the Firm - A model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

Johanson, J., & Vahlne, J. (2009). The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, 40(9), 1411-1431.

Klotze, M. C., & Thomé, C. C. (2006). Fatores associados ao desempenho exportador de micros, pequenas e médias empresas brasileiras. Revista de Administração - RAUSP, São Paulo, 41(3)339-346.

Leite, Y. V. P., & Moraes, W. F. A. M. (2015). The ability to innovate in international entrepreneurship. Revista de Administração de São Paulo, 50(4) 447-459.

Lemes, I., & Prates, R. C. (2014). A Trajetória de Internacionalização e seu Reflexo na Aprendizagem Organizacional: um estudo de caso em uma indústria do segmento médio-odontológico. Desenvolvimento em Questão, 12(25), 153-188.

Mejri, K., & Umemoto, K. (2010). Small and medium-sized enterprise internationalization: Towards the knowledge-based model. Journal of International Entrepreneurship, 8(2), 156-167.

ONTSI (2016). Observatório Nacional de las Telecomunicaciones y de la SI. Informe Anual del sector TIC y de los contenidos en España, 2016. Recuperado em 21 dezembro, 2016, de https://www.esmartcity.es/biblioteca/informe-anual-sector-tic-y-contenidos-espana-2016

Pascoal, J. R. S., & Costa, P. R. C. (2017). Internacionalização da inovação: um estudo com empresas de base tecnológica. Revista Gestão & Tecnologia, 17(2), 93-110.

Prater E., & Ghosh S. (2005). Current Operational Practices of U.S, Small and Medium Sized Enterprises in Europe. Journal of Small Business Management, 43(2), 155-169.

Ramos, W., & Alperstedt, G. D. (2010). O processo de internacionalização de uma empresa de software para moda: da incubadora ao investimento direto no exterior. Internext: Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 5(2), 66-90.

Rezende, O. & Campos, L. A. G. (2010). Internacionalização de empresas e o modelo dinâmico de aprendizagem: estudo de caso de uma empresa do setor de pedras ornamentais. Pretexto, 11 (.2), 58-79.

Ribeiro, F. F., Oliveira, J., M. M., & Borini, F. M. (2012). Internacionalização acelerada de empresas de base tecnológica: o caso das Born Globals brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 16(6), 866-888.

Rivero, J. A. G. (2010) Administración del conocimiento y modelos de calidad como estrategias competitivas en las pequeñas y las medianas empresas de software. Tese de doutorado, Curso de Ciencias Con Especialidad En Administración, Instituto Politécnico Nacional, Ciudad de México, México.

Sarasvathy, S. D. (2008). Effectuation Elements of Entrepreneurial Expertise. Great Britain: Edward Elgar Publishing.

Schweizer, R., Johanson, J., & Vahlne, J. (2010). Internationalization as an Entrepreneurship Process. Journal of International Entrepreneurship, 8(4), 343-370.

Sen, A., & Haq K. (2010). Internationalization of SMEs: Opportunities and Limitations in the Age of Globalization. International Business & Economics Research Journal (IBER), 9 (5), 135-142.

Silva R. C. M., Chauvel, M. A., & Bertrand, H. (2010). Internacionalização de Pequenas Empresas: Um Estudo de Caso com uma Empresa Brasileira de Tecnologia. Gestão & Regionalidade, 26(76), 43-62.

Soares, E., & Ladeira, R. (2015). Pequenas e médias empresas brasileiras: proposição de um modelo comportamental evolutivo para a internacionalização de firmas de Hppc. Gestão & Regionalidade, 31(91), 152-169.

Souza, A. E., Vasconcellos, E. P. G., & Corrêa, H. L. (2012). O processo de internacionalização de empresas de software: o caso Audaces. Internext: Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 7(2),1-25.

Sullivan, D. M., & Marvel, M. R., (2011). Knowledge Acquisition Network reliance, and early-stage technology venture outcomes. Journal of Management Studies, 48, 1169-1193.

Thai, M. T. T., & Chong, L. C. (2013). Dynamic experimental internationalization: Strategy of SMEs from a transition economy. Journal of International Entrepreneurship, 11 (4), 370-399.

UNCTAD. (2012). Según la UNCTAD se abren nuevas posibilidades para la industria local del software en los países en desarrollo. Recuperado em 06 julho, 2016, de http://unctad.org/es/Paginas/PressRelease.aspx?OriginalVersionID=109

Vargas, R. A. (2016). Gestión del Conocimiento en los Procesos de Internacionalización de Empresas Latinoamericanas de Base Tecnológica. Universitas: Gestão e TI, 6(1), 77-86.

Verdú, C. P., & Pérez, M. A. M. (2006). Tècniques Qualitatives D’Investigació. Universidad d’Alacant. https://rua.ua.es/dspace/bitstream/10045/2466/1/Num77_Tecniques_qualitatives.pdf

Xie, Y. H., & Suh, T. (2014). Perceived resource deficiency and internationalization of small- and medium-sized firms. Journal of International Entrepreneurship, 12(3), 207-229.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e Métodos. (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zárate, L. (2013). Las Redes y Proceso de Internacionalización de Pequeñas y Medianas Empresas: El Caso de la Industria del Software de Costa Rica. Revista Global de Negocios, 1 (2), 43-59.

Zarei, B., Nasseri, H., & Tajeddin, M. (2011). Best practice network business model for internationalization of small and medium enterprises. Journal of International Entrepreneurship, 9(4) 299-315.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.