ELABORAÇÃO DE JOGOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO DE CÉLULA EUCARIONTE: RELATO DE UMA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Caroline Carlos Melo Carneiro, Bárbara Mendes Cortês, Paulo Victor Borges, Vânia de Avelar Lucas, Maria Rita de Cássia Campos

Texto completo:

PDF

Resumo

O processo de aprendizagem relacionado à temática celular exige o uso de uma linguagem apropriada com analogias que permitam ao aluno construir um significado efetivo. O presente trabalho teve por finalidade desenvolver uma atividade relacionada ao ensino de célula eucarionte e que fosse reproduzível por outros professores. A metodologia incluiu pesquisas teóricas e de outros jogos e subseqüente montagem de jogos relacionados à célula eucarionte por discentes do primeiro período de ciências biológicas. Inicialmente, os alunos desacreditaram da atividade como instrumento de aprendizagem, depois se sentiram estimulados no aprendizado sobre célula eucarionte animal. Ainda, os jogos didáticos favorecem a aquisição e retenção de conhecimentos de uma maneira simples e divertida. A maioria dos alunos considerou que esta é uma estratégia didática que deve ser utilizada em sala de aula como ferramenta complementar à aula expositiva. Com este estudo é possível destacar que os jogos criados podem trazer benefícios em termos de desenvolvimento de conteúdos em biologia celular como também são promotores de uma aprendizagem ativa e do desenvolvimento de habilidades como cooperação e criatividade. Os futuros professores são participantes ativos ao invés de observadores passivos, tomando decisões, resolvendo problemas e reagindo aos resultados das suas próprias decisões.


Referências


ALBERTS, B.; BRAY, D.; JOHNSON, A.; LEWIS, J.; RAFF, M.; ROBERTS, K.; WALTER, P. Fundamentos de Biologia Celular. 3ª Edição brasileira. Artmed, Porto Alegre, 2011.

ANTUNES, C. Inteligências múltiplas e seus jogos: Inteligência cinestésico-corporal (v. 2). Petrópolis/RJ: Vozes, 2009.

CAMARGO, M. E. S. d. A. Jogos de papéis (RPG) em diálogo com a Educação Ambiental: aprendendo a participar da gestão dos recursos hídricos na região metropolitana de São Paulo. 2006, 160f. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

CAMPOS, L. M. L., BORTOLOTTO, T. M. FELICIO, A. K. C. A Produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. São Paulo: UNESP, 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

CARDONA, T. S.; SPIEGEL, C. N.; ALVES, G. G.; DUCOMMUN, J.; HENRIQUES-PONS, A.; ARAUJO-JORGE, T. C. Introducing DNA concepts to Swiss high school students based on a Brazilian educational game. Biochemistry and molecular biology education v. 35, p. 416-421, 2007.

CEZAR, P. H. N., GUIMARÃES, F. T., GOMES, A. P., RÔÇAS, G., SIQUEIRA-BATISTA, R. Transição paradigmática na educação médica: um olhar construtivista dirigido à aprendizagem baseada em problemas. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, n. 2, p. 298-303, 2010.

COELHO, F. S., ZANELLA, P. G., FERREIRA, F. C., BARROS, M. D. M., FERES, T. S. Jogos e modelos didáticos como instrumentos facilitadores para o ensino de biologia. In: V Seminário de extensão da PUC Minas, 2010, Belo Horizonte. Resumos...Belo Horizonte: PUC Minas, 2010.

CUNHA, M. I. d. Aprendizagens significativas na formação inicial de professores: um estudo no espaço dos Cursos de Licenciatura. Interface, v. 5, n. 9, p. 103-116, 2001.

DUARTE, V. S.; SANDOS, M. L.; SOUZA, E. J. C.; BORGES, G. F. Brincando com a fisiologia humana: Relato de uma extensão universitária. Rev. Ciênc. Ext. v. 8, n. 1, p. 105, 2012.

FITTIPALDI, C. B. Jogar para ensinar - jogar para aprender: o jogo como recurso pedagógico na construção de conceitos escolares e desenvolvimento de habilidades cognitivas no Ensino Fundamental I. 2007, 235f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

HUDSON, M. Acting out muscle contraction. The American Biology Teacher, v. 65, n. 2, p. 128-132, 2003.

JANN, P. N., LEITE, M. F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Ciências & Cognição, v. 15, n. 1, p. 282-293, 2010.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.

KWON, S. Y. e CIFUENTES, L. The comparative effect of individually-constructed vs. collaboratively-constructed computer-based concept maps. Computers & Education, v. 52, n. 2, p. 365-375, 2009.

LEWONTIN, R. Biologia como ideologia: a doutrina do DNA. Ribeirão Preto: FUNPEC-RP, 2000.

MARIOTTI, H. As paixões do ego: complexidade, política e solidariedade. São Paulo, Palas Athena, 2000.

MAUDSLEY, G. & STRIVENS, J. Promoting professional knowledge, experiential learning & critical thinking for medical students. Medical Education, v. 34, p. 535–544, 2004.

MAZZAROTTO, J. Jogos Cooperativos Para o Auxílio do Aprendizado de Biologia: Análise da aplicação de jogos cooperativos como instrumento facilitador do aprendizado de Biologia. 2006, 59f. Monografia de conclusão de curso de graduação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

MIRANDA, S. Educação: atividades lúdicas em sala de aula tornam o ensino mais fácil e atraente. Ciência Hoje, v. 28, n. 168. p. 64-66, 2001a.

MIRANDA, S. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, v. 28, p. 64-66. 2001b.

MORATORI, P. B. Por que utilizar Jogos Educativos no processo de Ensino Aprendizagem? Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Matemática Núcleo de Computação Eletrônica Informática na Educação. Rio de Janeiro, 2003.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 11ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MOYLES, J. R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil.Tradução: Maria Adriana Veronese. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NASCIMENTO-JÚNIOR, F. d. A. RPG e física: alguma relação? Disponível em: http://www.rederpg.com.br/wp/2005/08/rpg-fisica-alguma-relacao-i/. Acesso em: 20 fev. 2014.

OLIVEIRA, S. S. de. Concepções alternativas e ensino de biologia: como utilizar estratégias diferenciadas na formação inicial de licenciados. Educar, v. 26, p. 233-250, 2005.

PONTES, A. L., REGO, S. e JUNIOR, A. G. d. S. Saber e prática docente na transformação do ensino médico. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 30, n. 2, p. 66-75, 2006.

RANDI, M. A. F. Criação, aplicação e avaliação de aulas com jogos cooperativos do tipo RPG para o ensino de biologia celular. 2011, 147f. Tese (Doutorado) - Campinas, SP, 2011.

ROCHA, J. B. T., SOARES; F. A. O ensino de ciências para além do muro do construtivismo. Ciência e Cultura, v. 57, n. 4, p. 26 - 28, 2005.

ROSSETO, E. S. Jogo das organelas: o lúdico na biologia para o ensino médio e superior. Revista Iluminart do IFSP, v.1, n. 4, 2010.

SENA, S. O jogo como precursor de valores no contexto escolar. 2007, 242f. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente. 242 pp. 2007.

SMITH, M. K., WOOD, W. B., ADAMS, W. K., WIEMAN, C., KNIGHT, J. K., GUILD, N., SU, T. T. Why peer discussion improves student performance on in-class concept questions. Science, v. 323. n. 5910, p. 122-124, 2009.

SONGER, C., MINTZES, J. Understanding cellular respiration: An analysis of conceptual change in college biology. Journal of Research in Science Teaching, v. 31, p. 621-637, 1994.

SPIEGEL, C. N., ALVES, G. G., CARDONA, T. D. S., MELIM, L. M. C., LUZ, M. R. M. P., ARAÚJO-JORGE, T. C. E HENRIQUES-PONS, A. Discovering the cell: an educational game about cell and molecular biology. Journal of Biological Education, p. 43, v. 1, p. 27-35, 2008.

STEFANI, A.; NEVES. M. G. Lúdico em Ciências: jogos educativos podem transformar o trabalho didático em diversão. Revista do Professor, v. 20, n. 79, p. 21-27, 2004.

VICENTE, P. (Org.). Jogos de Empresas. São Paulo: Makron Books, 2001.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem.São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WYN, M. A., STEGINK, S. J. Role-playing with mitosis. Am.Biol. Teach., v. 62, p. 378–381, 2000.