A influência Familiar no desenvolvimento das pessoas com deficiência

Filipe Sales

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar a influência familiar no desenvolvimento das pessoas com deficiência. A pesquisa foi de caráter bibliográfico e se debruçou na investigação do tema, através de artigos do Portal de Periódicos Scielo que abordaram sobre o tema nos últimos 13 anos. Constatou-se- que a influência familiar no desenvolvimento dos das pessoas com deficiência altera a dinâmica familiar, consecutivamente, refletindo no desenvolvimento das pessoas com deficiência, como também, ocasionando em uma reestruturação nas vidas de todos os integrantes desta. Ressalta-se a importância do apoio familar no desenvolvimento biopsicossocial das pessoas com deficiência, desde a notícia do diagnóstico até a reorganização da dinâmica da familia. Essas adversidades podem parecer  insuperáveis,no entanto, grande parte das famílias aprenderam a conviver e se adaptar a esta nova realidade. Devido a escassos estudos sobre a temática, é possível inferir, que são necessários mais estudos sobre o tema.


Referências


ANACHE, A., A.; MITJÁNS, A., M. Deficiência mental e produção científica na base de dados da CAPES: o lugar da aprendizagem. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), Campinas,SP, v.11, n.2, p. 253-274, jul/dez. 2007.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARBOSA, M. A M.; CHAUD, M. N.; GOMES, M. M. Vivências de mães com um filho deficiente: um estudo Fenomenológico. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, SP, v.21, n.1, p.46-52, Jan/Fev. 2008.

BASTOS, O.M.; DESLANDES, S., F. A experiência de ter um filho com deficiência mental: narrativas de mães. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ, v.24, n.9, p.2141-2150, set.2008.

BRUNHARA, F. C. R. & PETEAN, E. B. L. Expectativas dos Pais Quanto ao Desenvolvimento de seus Filhos Portadores de Deficiência. Anais do II Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento. Gramado, R.S, 1998.

CANHOL, P., G., M.; NEMELL, C., M., B.; YAMADA, M., O.A. Vivência do pai no processo de reabilitação da criança com deficiência auditiva. Estudos de Psicologia, Campinas, SP, v.23, n.3, p. 261-269, Jul/Set. 2006.

CHACON, M.C.M. Aspectos relacionais, familiares e sociais da relação pai-filho com deficiência física. Revista Brasileira de educação especial. Marília, SP,v.17, n.3 Marília Sept./Dec. 2011.

______. DEFENDI, E.L.; FELIPPE, M.C.G.C. A família como parceira no processo de desenvolvimento do deficiente visual. In: MASINI, E.F.S. (Org.). A pessoa com deficiência visual: um livro para educadores. São Paulo: Vetor, 2007, p. 131174.

______. A deficiência mental e auditiva no olhar dos irmãos não deficientes. In: FUJISAWA, D.S. et al. (Org.).Família e Educação Especial. Londrina: ABPEE, 2009a, p. 7384.

______. Família e escola: uma parceria possível em prol da inclusão. In: AMIRALIAN, L.T.M. (Org.). Deficiência Visual: perspectives na contemporaneidade. São Paulo: Vetor, 2009b. p. 5770.

COLE, M.; COLE, S. O desenvolvimento da criança e do adolescente. Porto Alegre: Editora Art Med, 2003.

JR., F, G, A.; MESSA, A, A. Pais, filhos e deficiência: estudos sobre as relações familiares. Psicologia Ciência e Profissão, BRASÍLIA, DF, v.27, n.2, p.236-245, jun. 2007.

FORTE, S., H., Ar., C. Manual de elaboração de tese, dissertação e monografia. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, 2006.

FRANCO, Vitor. Tornar-se pai/mãe de uma criança com transtornos graves do desenvolvimento. Educar em Revista, Curitiba, PR, v. 1, n. 59, p. 35-48, jan./mar. 2016.

GOMES, A., P. Escola: um trampolim para a resiliência onde a adversidade é a deficiência. Saber (e) Educar, Portugal, n. 13, p. 287-297, anual. 2008.

GLAT, R.; DUQUE, M. A. T. Convivendo com filhos especiais: o olhar paterno. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003.

GURALNICK, M.J. Effectiveness of early intervention for vulnerable children: A developmental perspective. American Journal on Mental Retardation, v. 102, Washington,U.S.A,p. 319-345,1998.

JR, G. A. F; MESSA, A. A. Pais, Filhos e Deficiência: estudos sobre as relações familiares. Psicologia Ciência e Profissão. V.27. n.2. Bras. Jun. 2007.

JULIATTO, C., I.; BORTOLOZZI, F. Um jeito próprio de investigar: a produção do conhecimento pela pesquisa. Coleção Institucional 4, PUCPR, Editora Universitária Champagnat, Curitiba, PR, 2005.

LAPLANCHE, J; PONTALIS, J. B. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MACEDO, P. C. M. Deficiência Física Congênita e Saúde Mental. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, RJ, v.11, n.2, p.127-138, dez. 2008.

OMOTE, S. A Deficiência e a Família. In: MARQUEZINE, M. C., et. al. (Org.). O papel da família junto ao portador de necessidades especiais. Londrina, PR: Eduel, 2003. p.1518.

PALAMIN, M. et al. A Ansiedade Materna Durante o Diagnóstico da Deficiência Auditiva: Contribuição da Intervenção Psicológica. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, SP, v. 20, n. 4, p. 569-580, out/dez. 2014.

L.,M.,M.,POSTALLI; R.,F.,MUNUERA; A.L.,R.,AIELLO.Caracterização de família de mãe com deficiência intelectual e os efeitos no desenvolvimento dos filhos. Revista Brasileira de educação especial. Marília, SP,v.17, no.1, Marília, SP, Jan/Apr. 2011

SILVA, S. B.O. Autismo e as transformações na família. Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Psicologia da Universidade do Vale do Itajaí, Santa Catarina, 2009.

SILVA, N.L.P.; DESSEN, M.A. Deficiência Mental e Família: Implicações para o Desenvolvimento da Criança. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 17, n. 2, pp. 133-141, 2001.


Texto completo: PDF () PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários