PONTOS E CONTRA PONTOS NA ATUAÇÃO DE PROFESSORES LEIGOS EM CIÊNCIAS DA NATUREZA EM URUTAI-GO

Wender Faleiro, Márcia Rodriny Pimenta

Texto completo:

PDF

Resumo

Este estudo analisa os desafios de professores leigos em Ciências Naturais que atuam  rede pública estadual de um pequeno município do sudeste goiano/GO. Trata-se de uma pesquisa qualitativa. Tem-se ao final deste estudo que a realidade em que professores licenciados atuam fora da área de formação na escola analisada, mostra que este é um procedimento que não tem predisposição de ser erradicado, considerando-se a falta de professores licenciados em algumas áreas de conhecimento. Desse modo, enquanto não se tem uma solução para o descompasso entre formação/atuação, busca-se o cuidado na elaboração das atividades de classe, para que as mesmas se constituam realmente em experiências de aprendizagem. E, no caso dos professores atuantes e não licenciados em Ciências Naturais essa exigência é ainda maior, pois o professor desta disciplina deve assegurar a capacidade de questionar os processos naturais e científicos, identificando, apresentando, interpretando e prevendo a evolução até as mudanças. 



Referências


AMARAL, Maria de Lourdes Pereira do Amaral Lima. Saberes docentes mobilizados no ensino de EJA e suas relevâncias. (dissertação). Lisboa. 2012.

BATISTA, Verginia. Representações em relação à formação e atuação docente: algumas reflexões dos alunos do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina. In: IX ANDEP. Sul. 2012.

BIZZO, Nelio. Ciências: fácil ou difícil. São Paulo/SP: Ática, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB/1996.

_______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação. Brasília/DF. 1998.

_______. Lei nº 10.172, 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação, com duração de dez anos. Brasília: Câmara dos Deputados, 2001.

CARNOY, Martin. Educação, Economia e Estado. Bases e superestrutura relação e mediações. (2ª ed.). São Paulo: Cortez Editora, 1986.

DUBAR, Claude. A crise das identidades. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

FOUCAULT, Michel. A origem do discurso. Aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (20 ed.). São Paulo: Edições Loyola. 2010.

GIL-PÉREZ, Daniel; CARVALHO, Ana Maria Pessoa. Formação de professores de Ciências. São Paulo/SP: Cortez Editora. 2011.

KRASILCHIK, Myriam. Formação de professores de Ciências. Editora da Universidade de São Paulo/SP. 1987.

KOVALICZN, Rosilda Aparecida. O professor de Ciências e de Biologia frente às parasitoses comuns em escolares. Mestrado em Educação. UEPG, 1999. (Dissertação).

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Editora Alternativa, 2001.

MAGALHÃES JUNIOR, Carlos Alberto de Oliveira; OLIVEIRA, M. P. P. A formação dos professores de ciências para o ensino fundamental. Disponível em: . Disponível em . Acesso em 05/07/2016.

OLIVEIRA, Rafael Vasconcelos. A relação formação/atuação e construção da identidade profissional docente para o ensino da matemática. Dissertação apresentada ao Instituto Federal Goiano – Campus Urutaí. Urutaí/GO, 2013.

PAIS, Luis Carlos. Didática da Matemática: uma análise da influencia francesa. – 2. Ed. 2. reimpr. Belo Horizonte: Autentica, 2008.

PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicos e atividade docente (3ª Ed.). São Paulo/SP: Cortez Editora, 2002.

RUIVO, Maria Conceição. A ciência tal qual se faz ou tal qual se diz? Organização prudente para uma vida decente. Org. Santos, B. S. São Paulo/SP: Cortez Editora, 2004.

SANTIAGO, Eliete. Perfil do Educador / Educadora para a atualidade. Fundação Joaquim Nabuco. Recife/PE. Ed. Massangana, 2006.

SANTOS, Maria Aparecida Alves. Professores não habilitados para o ensino das ciências naturais e suas consequências: teorias e práticas. Trabalho apresentado à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias / Faculdade de Ciências Sociais, Educação e Administração / Instituto de Educação. Lisboa/Portugal. 2014.

SEE - SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Quadro de Pessoal – Modulação e Freqüência. Governo de Goiás: Goiânia/GO. 2012.

SOUZA, R. F. de & BRUNO, P. R. M. A formação de professores na LDB nº 9. 394/96. In: Fundação Universidade do Tocantins (UNITINS). Normal Superior: Complementação de Estudos./Fundação Universidade do Tocantins: EADCON. Palmas: Editora Educon, 2007.

SUHR, Inge Renate Frose. Formação continuada para a docência no Ensino Superior: concepções norteadoras e encaminhamento metodológico. Dissertação apresentada à Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba/PR. 2008.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. – 9 ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.