REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, ESCOLARIZAÇÃO FABRIL E O PROCESSO HISTÓRICO DE INSERÇÃO DO PEDAGOGO NA FÁBRICA. ESTUDOS DE CASO NA REGIÃO DE CURITIBA.

Neura Maria Weber Maron

Texto completo:

PDF

Resumo

O texto analisa o processo histórico de inserção do pedagogo na empresa no bojo da reestruturação produtiva. Baseia-se em quatro estudos de caso desenvolvidos em empresas industriais da região de Curitiba, nas quais o processo de reestruturação produtiva demandou uma força de trabalho mais escolarizada e com uma qualificação mais ampla. Nesse contexto, numa primeira fase, a atuação do pedagogo na fábrica foi implantar programas supletivos de Ensino Fundamental. Numa segunda fase, criam-se escolas na fábrica, incluindo o Ensino Médio, nas quais o pedagogo atua como articulador do processo pedagógico. A escolarização fabril, no entanto, se revela em nosso estudo como um processo contraditório, confluindo avanços e limites. Finalmente, na terceira fase, o pedagogo consolida-se como profissional da área de RH, direcionado ao trabalho pedagógico do treinamento permanente da empresa, mas novas atividades agregam-se a sua função, que se transforma e amplia a outros campos.

 

Palavras-chave: Pedagogo na empresa, Escolarização fabril, Reestruturação Produtiva.