FATORES DE PRESSÃO NO TRABALHO E COMPROMETIMENTO COM A CARREIRA: UM ESTUDO COM PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Zélia Miranda Kilimnik, Sheila Mara Oliveira Dias, George Leal Jamil

Resumo


Este estudo buscou analisar os fatores de pressão que mais afetam o profissional de Tecnologia de Informação (TI) e sua influência no comprometimento com a carreira, assim como a predisposição ao seu abandono. Foram utilizadas as seguintes escalas: de fatores de pressão no trabalho, adaptada do Occupational Stress Indicator (OSI), de Cooper, Sloan, Williams (1988), de comprometimento com a carreira, proposta por Blau (1985) e de propensão ao abandono da carreira, em uma amostra de 413 profissionais. Os resultados indicam que 73% dos profissionais pesquisados percebem elevada pressão no seu cotidiano, com destaque para os indicadores que medem a relação entre a vida profissional e pessoal, a carga de trabalho e a perspectiva de crescimento na carreira. Foi encontrada correlação negativa entre a pressão percebida e o comprometimento com a carreira, embora não muito elevada, explicando o fato de 48% dos entrevistados terem se mostrado altamente comprometidos com a carreira apesar da elevada carga de pressão no trabalho. O profissional de TI, embora chegue a pensar em abandonar a carreira, em decorrência da elevada pressão, acaba optando por apenas mudar de setor ou de empresa, em função do seu comprometimento com a carreira e das condições favoráveis, em termos de mercado de trabalho. Também foi identificado que os profissionais dessa área tendem a usar o planejamento das suas atividades como uma estratégia de combate à pressão no trabalho.


Palavras-chave


fatores de pressão no trabalho; comprometimento com a carreira; profissionais de TI

Referências


ALBRECHT, K. O gerente e o estresse: faça o estresse trabalhar para você. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

BALASSIANO, M.; COSTA, I. S. A. Gestão de Carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

BASTOS, A. V. B. A escolha e o comprometimento com a carreira: um estudo entre profissionais e estudantes de Administração. Revista da Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 28-39, jul./set. 1997.

BASTOS, A. V. B. O conceito de comprometimento - sua natureza e papel nas explicações do comportamento humano no trabalho. Organização e Sociedade, v. 1, n. 2, p. 77-106, 1994b.

BLAU, G. Further exploring the meaning and measurement of career commitment. Journal of Vocational Behavior, v. 32, p. 284-297, 1988.

BLAU, G. J. The measurement and prediction of career commitment. Journal of Occupational Psychology, n. 58, p. 277-288, 1985.

BLAU, G. Testing for a four-dimensional structure of occupational commitment. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 76, p. 469-488, 2003.

BLAU, G. Testing the generalizability of a career commitment measure and its impact on employee turnover. Journal of Vocational Behavior, v. 35, p. 88-103, 1989.

BRAGA, C. D.; PEREIRA, L. Z. Estresse ocupacional e as principais fontes de tensão no trabalho: impactos na produtividade de gestores do setor de energia elétrica brasileiro. In: ENANPAD, 34., Rio de Janeiro. Anais..., Anpad, 2010.

CALDAS, M. P.; TONELLI, M. J. O homem camaleão e os modismos gerenciais: uma discussão sócio-psicanalítica do comportamento modal nas organizações. In: MOTTA, Fernando C. P.; FREITAS, Maria E. Vida psíquica e organização. Rio de Janeiro: FGV, 2000. p. 130-147.

CHAMOM, M. A.; CHAMON, E. D. Q. O.; JUNIOR, J. A. P. L. Análise comparativa entre quatro pesquisas sobre estresse e estratégias de enfrentamento e comparação com a média da população brasileira. In: ENANPAD, 34., Rio de Janeiro. Anais..., Anpad, 2010.

CHANLAT, J. F. Quais carreiras e para qual sociedade? Revista da Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 6, p. 67-75, nov./dez. 1995.

COOPER, C. L. & MARSHALL, J. Sources of managerial and white-collar stress. In: COOPER, C. L.; PAYNE, R. (Eds.), Stress at Work (pp. 81-106). Chichester, UK: Wiley, 1978.

COOPER, C. L.; SLOAN, S. J.; WILLIAMS, J. Occupational stress indicator management guide. Windsor: NFER-Nelson, 1988. p. 1-39.

COUTO, H. A.; NICOLETTI, S. J.; LECH, O. Conter o impacto dos problemas ligados à gestão inadequada. In: Gerenciando a LER e os DORT nos tempos atuais. Belo Horizonte: Ed. Ergo, 2007.

COUTO, H.A. Como um problema ergonômico pode ser agravado por fatores psicossociais e formas de prevenção. In: Ergonomia aplicada ao trabalho. Belo Horizonte: Ed. Ergo, 2002.

EVANS, P. Carreira, sucesso e qualidade de vida. Revista da Administração de Empresas, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 14-22, jul./ago./set. 1996.

FERREIRA, M. C. A ergonomia da atividade se interessa pela qualidade de vida no trabalho? Reflexões empíricas e teóricas. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, n. 11, p. 83–99, 2008.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública, Campinas, v. 16, n. 1, p. 160-185, Junho, 2010.

GOULET L. R.; SINGH, P. Career commitment: a reexamination and an extension. Journal of Vocational Behavior, n. 61, p. 73-91, 2002.

HAIR, Joseph F.; TATHAM, Ronald L.; ROLPH, E. Multivariate data analysis. 5. ed. Upper Saddle River (NJ): Prentice Hall, 1998.

HALL, D. T. The career is dead, long live the career: a relational approach to careers. San Francisco: Jossey-Bass, 1996.

INFO. Profissional de TI é o mais estressado. Infoonline. Maio de 2006. Disponível em http://info.abril.com.br/aberto/infonews/052006/29052006-4.shl. Acesso em: 05 dez 2012.

IT WEB. 75% dos profissionais de TI estão estressados. IT WEB. Março de 2007. Disponível em: http://itweb.com.br/28230/75-dos-profissionais-de-ti-estao-estressados/. Acesso em: 05 dez 2012.

KILIMNIK, Z. M.; MORAES, L. F. R. O conteúdo significativo do trabalho como fator de qualidade de vida organizacional. Revista da ANGRAD, v. 1, 2000.

KLINE, R. B. Principles and practice of structural equation modeling. New York: The Guilford Press, 1998.

LADEIRA, M. B. A dinâmica do stress no trabalho: um estudo de caso com profissionais de enfermagem. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

LANDAU, J.; HAMMMER, T. H. Clerical employee’s perceptions of intraorganizational career opportunities. Academy of Management Journal, v. 29, p. 385-404, 1986.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MARTINS, Hélio Tadeu. Gestão de carreiras na era do conhecimento: abordagem conceitual & resultados de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas, 1996.

McGINNIS, S.; MORROW, P. Job attitudes among full- and part-time employees. Journal of Vocational Behavior, n. 36, p. 82-96, 1990.

MORAES, L. F. R.; SWAN, J. A.; COOPER, C. L. A study of occupational stress among government collar workers in Brazil using the occupational stress indicator. Stress Medicine, v. 9, p. 91-104, 1993.

MORAES, L. F. R.; MARQUES, A. L.; KILIMNIK, Z. M; LADEIRA, M. B. O trabalho e a saúde humana: uma reflexão sobre as abordagens do stress ocupacional e da psicopatologia do trabalho. Cadernos de Psicologia - PUC/MG, v. 3, n. 4, p. 8-11, dez. 1996.

NETEMEYER, R. G.; BEARDEN, W. O.; SHARMA, S. Scaling procedures: issues and applications. S. l.: Sage, 2003.

NORUSIS, M. J. SPSS 9.0 guide to data analysis. Upper Saddle River, N.J.: Prentice Hall, 1999.

OLIVEIRA, F. D. A carreira profissional em transformação: variáveis que interferem nas estratégias de carreira dos funcionários do Banco do Brasil. Dissertação, Mestrado em Administração. Salvador: UFBA, 1998.

PINHEIRO, F. A.; TRÓCCOLI, B. T.; GRAÇAS, M. T. Aspectos psicossociais dos distúrbios osteomusculares (DORT/LER) relacionados ao trabalho. In: MENDES, A. M.; BORGES, L. O.; FERREIRA, M. S. (org.) Trabalho em transição, saúde em risco. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2002.

SANT’ANNA, A. S.; KILIMNIK, Z. M. Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2011.

SELYE, H. Geschichte und Grundzüge des Stresskonzepts. In: NITSCH, J. R. Stress: theorien, untersuchungen und massnahmen. Bern: Verlag Hans Huber, 1981.

STACCIARINI, J. M. R.; TRÓCOLI, B. T. Estresse ocupacional. In: MENDES, A. M.; BORGES, L. O.; FERREIRA, M. S. (org.). Trabalho em transição, saúde em risco. Ed. Universidade de Brasília, 2002.

TABACHINIK, B. G.; FIDELL, L. S. Using multivariate statistics. 3. ed. New York: Harper Collins, 2001.

TURBAN, E.; McLEAN, E.; WETHERBEE, J. Tecnologia da informação para a gestão: transformando negócios na economia digital. 3. edição. Porto Alegre: Bookman, 2002.


Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .