PAPEL ESTRATÉGICO E IMPACTO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO MERCADO DE AÇÕES: UM ESTUDO ENVOLVENDO BRASIL E ESTADOS UNIDOS

Renata Cristina Barros Madeo, Fernando H. I. B. Ferreira, Neilson C. L. Ramalho, Marcelo Fantinato

Resumo


Este artigo apresenta uma visão geral sobre o papel estratégico dos sistemas de informação nos mercados de ações do Brasil e dos Estados Unidos sob uma perspectiva histórica, visando discutir seus impactos éticos, sociais e políticos na sociedade. É possível classificar os sistemas de acordo com seus objetivos estratégicos: existem sistemas visando a garantir a sobrevivência da organização ou visando a obter alguma vantagem competitiva. A partir dessa classificação os objetivos estratégicos, os impactos éticos, sociais e políticos de cada tipo de sistema são analisados. Conclui-se que, no caso do mercado de ações, sistemas visando à sobrevivência da organização trouxeram grandes benefícios à sociedade, apesar de provocarem impactos negativos no nível ético, visto que resultaram na demissão de um enorme contingente de funcionários, o que ficou mais evidente no caso brasileiro. Já sistemas visando à obtenção de vantagem competitiva trouxeram alguns benefícios relacionados ao aumento de liquidez no mercado, porém levantam diversos dilemas éticos, sociais e políticos, que ainda precisam ser mais bem explorados pelas organizações que atuam no mercado de ações.


Palavras-chave


negociação em alta frequência; mercado de ações; impactos éticos; impactos sociais; impactos políticos

Texto completo:

PDF

Referências


ALDRIDGE, I. High-frequency trading: a practical guide to algorithmic strategies and trading systems. New Jersey: John Wiley and Sons, 2009.

ANGEL, J. J.; MCCABE, D. M. Fairness in financial markets: the case of high frequency trading. 2010. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1737887. Acesso em: 05 dez 2012.

BM&FBOVESPA. De ações, fundos de índice (ETFs) e recibos de ações (BDRs). 2011. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/servicos/solucoes-para-negociacao/plataformas-de-negociacao/de-acoes-fundos-de-indice-ETFs-e- recibos-de-acoes-BDRs.aspx. Acesso em: 05 dez 2012.

BM&FBOVESPA. BM&FBOVESPA e FLEXTRADE firmam parceria para roteamento de ordens. 2011. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/noticias/2011/BMFBOVESPA-e-FLEXTRADE-firmam-parceria-para-roteamento-de-ordens-2011-01-10.aspx. Acesso em: 05 dez 2012.

BM&FBOVESPA. História. 2011. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/a-bmfbovespa/sobre-a-bolsa/historia/historia.aspx?Idioma=pt-br. Acesso em: 07 dez 2012.

BM&FBOVESPA. Relatório Anual 2011. 2012.

BOWLEY, G. Lone 4.1 billion sale led to 'flash crash' in May. The New York Times. 2010. Disponível em: http://www.nytimes.com/2010/10/02/business/02flash.html. Acesso em: 05 dez 2012.

BOWLEY, G. Fast traders, in spotlight, battle rules. The New York Times. 2011. Disponível em: http://www.nytimes.com/2011/07/18/business/fast-traders-under-attack-defend-work.htm. Acesso em: 05 dez 2012.

BROGAARD, J. A. High frequency trading and its impact on market quality. 2010. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1641387. Acesso em: 05 dez 2012.

BROGAARD, J. A.; HENDERSHOTT, T.; RIORDAN, R. High frequency trading and price discovery. 2012. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1928510. Acesso em: 05 dez 2012.

BUSINESSWEEK. SEC may restrict high-frequency trading strategies. 2010. Disponível em: http://www.businessweek.com/news/2010-09-22/sec-may-restrict-high-frequency-trading-strategies.html. Acesso em: 05 dez 2012.

CHLISTALLA, M. High-frequency trading: better than its reputation? Deutsche Bank Research, n. 1, p. 1-7, 2011.

CLARK, J. Wall Street super-computers are stealing your money the growth stock wire. 2011. Disponível em: http://www.growthstockwire.com/1692/Wall-Street-Super-Computers-Are-Stealing-Your-Money. Acesso em: 05 dez 2012.

CRESPO, S. G. Bovespa incentiva operação de alta frequência; nos EUA, sistema gerou pânico. 2010. Disponível em: http://blogs.estadao.com.br/radar-economico/2010/06/25/bovespa-incentiva-sistema-que-gerou-panico-nos-eua/. Acesso em: 05 dez 2012.

CVM. Caderno CVM - Negociações online. 2011. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/port/protinv/caderno5.asp. Acesso em: 05 dez 2012.

DURBIN, M. All about high-frequency trading. New York: The McGraw-Hill Companies, 2010.

EASLEY, D.; de PRADO, M.; O'HARA, M. Flow toxicity and volatility in a high frequency world. Johnson School Research Paper Series, n. 9, p. 1-35, 2011.

EDDY, M.; KANTER, J. Germany acts to increase limits on high-speed trades. New York Times. 2012. Disponível em: http://www.nytimes.com/2012/09/ 26/business/global/germany-wants-rules-on-superfast-stock-trading.html. Acesso em: 05 dez 2012.

FURBUSH, D. Program Trading – The concise encyclopedia of economics. 2011. Disponível em: http://www.econlib.org/library/Enc1/Program Trading.html. Acesso em: 05 dez 2012.

GOLDFARB, Z. Report examines May's "flash crash", expresses concern over high-speed trading. 2010. Disponível em: http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2010/10/01/AR2010100103969.html. Acesso em: 05 dez 2012.

GSELL, M. Assessing the impact of algorithmic trading on markets: a simulation approach. CFS, EFL and DBAG Research Conference “The Industrial Organization of Securities Markets: Competition, Liquidity and Networks Externalities” (CFS Working Paper Series 2008/49). 2008.

HANSON, T. The effects of high frequency traders in a simulated market. Midwest Finance Association 2012 Annual Meetings. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1918570. 2012. Acesso em: 05 dez 2012.

HENDERSHOTT, T.; RIORDAN, R. Algorithmic trading and information. Manuscript, University of California, Berkeley. 2011.

HENDERSHOTT, T; JONES, C. M.; MENKVELD, A. J. Does algorithmic trading improve liquidity? The Journal of Finance, v. 66, n. 1, p. 1-33. 2011.

INFOMONEY. Pregões incríveis: a história da Black Monday, o maior tombo da história das bolsas. 2009. Disponível em: http://www.infomoney.com.br/mercados/ noticia/1577155. Acesso em: 05 dez 2012.

INFOMONEY. Custos para o high frequency trading ainda são proibitivos, afirmam especialistas. 2012. Disponível em: http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/2380285. Acesso em: 05 dez 2012.

INFOMONEY. No momento, clima para high frequency trading no Brasil é melhor do que Europa e EUA. 2012. Disponível em: http://www.infomoney.com.br/mercados/ noticia/2381998. Acesso em: 05 dez 2012.

KIRILENKO, A.; KYLE, A. S.; SAMADI, M.; TUZUN, T. The flash crash: the impact of high frequency trading on an electronic market. Artigo em elaboração. 2011.

LAUDON, K.; LAUDON, J. Sistemas de informação gerenciais. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

LAURICELLA, T.; SCANNELL, K.; STRASBURG, J. How a trading algorithm went awry. The Wall Street Journal. 2010. Disponível em: http://online.wsj.com/article/ SB10001424052748704029304575526390131916792.html. Acesso em: 05 dez 2012.

McGOWAN, M. The rise of computerized high frequency trading: use and controversy. Duke and Law Technology Review, v. 16, 2010.

MELLO, A. Trabalho e produção de subjetividade no mercado de capitais: o operador de bolsa em análise. 2008. Dissertação – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

MIRANDA, A. A herança da BM&F. Caderno Advogados. 2008. Disponível em: http://cadernoadvogados.com.br/?p=193. Acesso em: 05 dez 2012.

NANEX. Analysis of the “flash crash”. 2010. Disponível em: http://www.nanex.net/20100506/FlashCrashAnalysis_Intro.html. Acesso em: 05 dez 2012.

NAPOLITANO, G. Medo na bolsa. EXAME.com. 2011. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1003/noticias/medo-na-bolsa. Acesso em: 05 dez 2012.

NEW YORK TIMES. High-frequency trading. 2011. Disponível em: http://topics.nytimes.com/topics/reference/timestopics/subjects/h/high_frequency_ algorithmic_trading/index.html. Acesso em: 05 dez 2012.

NODA, M. Acesso eletrônico e tendências para a intermediação no mercado de valores mobiliários. 2010. Dissertação – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

NYSE. Volume de transações entre os anos de 1960 e 1969. 2011. Disponível em: http://www.nyse.com/marketinfo/stats/vol60-69.dat. Acesso em: 07 dez 2012.

NYSE. Daily NYSE group volume in NYSE listed. 2009. Disponível em: http://www.nyxdata.com/nysedata/asp/factbook/viewer_edition.asp?mode=table&key= 3000&category=3. Acesso em: 07 dez 2012.

PASKELIAN, O. G. The impact of algorithmic trading models on the stock market. In: Gregoriou, G. N. (Org.). The handbook of trading: strategies for navigating and profiting from currency, bond, and stock markets. New York: The McGraw-Hill Companies, Inc., 2010.

POIRIER, I. High-frequency trading and the flash crash: structural weaknesses in the securities markets and proposed regulatory responses. Hastings Business Law Journal, p. 445-471, 2012.

POPPER, N. $4.1-billion trade set off Wall Street "flash crash", report finds. Los Angeles Times. 2010. Disponível em: http://articles.latimes.com/2010/oct/02/business/la-fi-flash-crash-20101002. Acesso em: 05 dez 2012.

PORTUGAL, M. Investidor de alta frequência ganha seu espaço dentro da Bovespa. EXAME.com. 2010. Disponível em: http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/ investidor-alta-frequencia-ganha-seu-espaco-dentro-bovespa-585958. Acesso em: 07 dez 2012.

SANATI, C. Sorry, SEC. Fast trading on Wall Street is here to stay. CNN Money. 2012. Disponível em: http://finance.fortune.cnn.com/2012/02/28/high-frequency-trading-sec/. Acesso em: 05 dez 2012.

SMITH, R. Is high-frequency trading inducing changes in market microstructure and dynamics? 2010. Disponível em: http://arxiv.org/pdf/1006.5490v3.pdf. Acesso em: 07 dez 2012.




DOI: https://doi.org/10.5329/1264