ANÁLISE QUANTITATIVA DA FORMAÇÃO DO ESTOQUE DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA DE PROFISSIONAIS NA ÁREA DE TI

Maurilio Alves Martins da Costa, Henrique Cordeiro Martins

Resumo


A área de tecnologia da informação (TI) apresenta uma grande demanda por profissionais qualificados devido às inovações e mudanças tecnológicas a que está submetida. Porém, um posto de trabalho para essa área não deixa de ser preenchido somente pela falta de um candidato a ocupá-la, mas, também, pelo fato do trabalhador não conseguir atender aos requisitos necessários para o exercício do cargo desejado. Este artigo analisa o fluxo de entrada de profissionais qualificados no mercado de TI com base no número de egressos em cursos superiores da área fornecidos pelo Censo da Educação Superior (CES) e divulgado pelo INEP/MEC, relacionando-o com o resultado da aplicação do critério de qualidade de formação acadêmica, denominado Conceito Preliminar de Cursos (CPC), promovido e divulgado também pelo INEP/MEC. O resultado dessa análise indica que o número de profissionais formados pelas instituições de ensino superior cujos cursos estão de acordo com as diretrizes do MEC para cursos superiores da área de Informática estão aquém das projeções de necessidades de mão de obra qualificada divulgadas no mercado. Esse quantitativo agrava-se ainda mais quando se analisa o número de ingressantes no mercado de trabalho que atendem ao um critério de qualidade medido pelo CPC.


Palavras-chave


Estoque de mão de obra. Mão de obra qualificada. Qualidade da formação acadêmica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21529/RESI.2016.1501004