A AVALIAÇÃO TRATADA DO PONTO DE VISTA ÉTICO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Marizete Santana Santos

Resumo


RESUMO

O artigo tem como tema a ética e as relações de poder estabelecidas no espaço escolar a partir de mecanismos de avaliação. A avaliação pode ser considerada como um dos obstáculos impostos aos alunos das classes desfavorecidas, pois conforme a concepção que lhe é estabelecida e o uso que dela se faz, processos de exclusão podem ser instalados neste espaço intensificando a seletividade social e evidenciando as relações de poder estabelecidas no interior da escola, relações estas que buscam o controle dos sujeitos e das práticas pedagógicas.  O estudo se justifica por sua atualidade e pela centralidade que a avaliação tem adquirido junto à sociedade, também pela necessidade de superação dos processos de naturalização da exclusão e do fracasso escolar. As reflexões sobre ética na avaliação e as relações de poder que permeiam as práticas de avaliação são estabelecidas a partir do pensamento de Aristóteles, Foucault, de Deleuze ao tratar do processo de subjetivação e a partir da ética do discurso de Habermas. Para fundamentar as concepções sobre educação e avaliação são utilizadas as ideias de: Afonso (2000), Deleuze (1996, 2005), Dias Sobrinho (2004), Dubet (2004), Esteban, (2008) Fernandes e Freitas (2008) Habermas (1989), Mainardes e Marcondes (2009), Saul (1995), Viesenteiner, (2010).

 

Palavras-chave: Ética, Avaliação, Exclusão.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AFONSO, Almerindo Janela. Escola pública, comunidade e avaliação – resgatando a avaliação formativa como instrumento de emancipação. In: ESTEBAN, Maria T. (org). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 2ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. P. 83-99.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles. (c/ F. GUATTARI). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 3. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996. Apud VIESENTEINER, Jorge Luiz. Resistência e reinvenção: o estatuto da ética em Deleuze. Disponível em: Acesso em: 07/05/2011.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação ética e política em função da educação como direito público ou como mercadoria? Campinas: Educação & Sociedade, v..25 n. 88, oct. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n88/a04v2588.pdf. Acesso em out/2011.

DUBET, François. O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n.123, p.539-555, set./dez., 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v34n123/a02v34123.pdf. Acesso em set/2009.

ESTEBAN, Maria T. (org). Escola, currículo e avaliação. São Paulo: Cortez, 2008. – 3. Ed. (Série cultura, memória e currículo; v. 5).

FERNANDES Claudia de Oliveira; FREITAS, Luiz Carlos de. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008. 44 p.

HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

MAINARDES, Jefferson; MARCONDES, Maria Inês. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a15.pdf. Acesso em set/2010.

SAUL, A. M. Avaliação Emancipatória: desafios à teoria e prática de avaliação e reformulação política. 3.ed. Campinas - SP. Cortez. 1995.

VIESENTEINER, Jorge Luiz. Resistência e reinvenção: o estatuto da ética em Deleuze. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/58176100/16661632-O-estatuto-da-etica-em-Deleuze. Acesso em: 07/05/2011.