O pesquisador como um “marinheiro de primeira viagem”: relatos de uma pesquisa de inspiração antropológica na administração [doi: 10.21529/RECADM.2016013]

Deborah Kelly Nascimento Pessoa, Érika Mayumi Kato Cruz, Bruna Miyuki Kasuya de Oliveira

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar a primeira experiência com pesquisa de inspiração antropológica de estudantes de doutorado em administração, investigando o cotidiano de salões de beleza na cidade de São Paulo. Foram realizadas 120 horas de observação durante três meses. Os dados resultaram das notas de campo e a análise dos dados foi conduzida pela grounded theory. Essa vivência inaugural das doutorandas contribui com o debate sobre a pesquisa etnográfica no campo da administração e sobre a experiência de pesquisa no processo de formação do pesquisador.

Palavras-chave

Etnografia; Pesquisa em administração; Formação do pesquisador.


Referências


Bresler, R. (1997). A roupa surrada e o pai: etnografia de uma marcenaria. In F. P. Motta & M. Caldas (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira (pp. 111-126). São Paulo: Atlas.

Cavedon, N. R., Castilhos, R. B., Biasotto, L., Cacallero, I. N., & Stefanowski, F. (2007). Consumo, colecionismo e identidade dos bibliófilos: uma etnografia em dois sebos de Porto Alegre. Horizontes Antropológicos, 13(28), 345-371.

Charmaz, K., & Mitchell, R. G. (2001). Grounded Theory in Ethnography. In: Atkinson, P., Coffey, A., Delamont, S., Lofland J., & Lofland, L. (Eds.) Handbook of Ethnography. London : SAGE Publications.

Craide, A., Cavedon, N. R., & Eccel, C. S. (2006, junho). Culturas organizacionais em uma empresa familiar do ramo leiteiro. Anais do Encontro Nacional de Estudos Organizacionais, Porto Alegre, RS, Brasil, 4.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cunliffe, A. L. (2011) Crafting qualitative research: Morgan and Smircich 30 years on. Organizational Research Methods, 14(4), 647-673.

Davel, E., & Santos, L. A. D. (2015). Improvisação como competência cultural: uma autoetnografia da atividade gerencial no setor público. Gestão & Conexões, 4(1), 91-115.

Eriksen, T. H., & Nielsen, F. S. (2012). História da Antropologia. Petrópolis: Vozes.

Ferraz, D. L. S. (2006). O olhar da mulher sobre a exclusão e a inclusão social: depoimentos das praticantes da economia popular solidária. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Fine, G. A. (1993). Ten Lies of ethnography. Journal of Contemporary Ethnography, 22(3), 267-294.

Flick, U. (2009). Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Flores-Pereira, M. T., & Cavedon, N. R. (2009). Os bastidores de um estudo etnográfico: trilhando os caminhos teórico-empíricos para desvendar as culturas organizacionais de uma livraria de shopping center. Cadernos EBAPE.BR, 7(1), 144-160.

Gioia, D. A., Corley, K. G., & Hamilton, A. L. (2012) Seeking qualitative rigor in inductive research: notes on Gioia methodology. Organizational Research Methods, 16(1), 15-31.

Gobo, G., & Marciniak, L. (2016) What is ethnography. In Silverman, D. (Ed.). Qualitative Research. London: Sage.

Jaime Júnior, P. (1996). Etnografia, antropologia e o universo organizacional. Revista de Administração Pública, 30(6), 105-121.

Langley, A. (1999). Strategies for theorizing from process data. Academy of Management Review, 24(4), 691-710.

Maanen, J. V. (1979). The fact and fiction in organizational ethnography. Administrative Science Quarterly, 24(4), 539-550.

Maanen, J. V. (2015). The present of things past: ethnography and career studies. Human Relations, 68(1), 35-53.

Magnani, J. G. C. (2012). Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana. São Paulo: Terceiro Nome.

Mills, J., Bonner, A., & Francis, K. (2006). The development of constructivist grounded theory. International Journal of Qualitative Methods, 5(1), 1-10.

Oliveira, J. S., & Cavedon, N. R. (2013). Micropolíticas das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 156-168.

Pinto, M. R., & Santos, L. L. S. (2012). A Grounded Theory como Abordagem Metodológica: relatos de uma experiência de campo. Organizações & Sociedade, 19(62), 417-436.

Severino, A. J. (2009). Pós-graduação e pesquisa: o processo de produção e de sistematização do conhecimento. Diálogo Educacional, 9(26), 13-27.

Smith, V. (2001). Ethnographies of work and the work of ethnographers. In Atkinson, P., Coffey, A., Delamont, S., Lofland, J., & Lofland, L. (Eds.). Handbook of Ethnography (pp. 220-234). London: Sage Publications.

Spradley, J. P. (1979). The ethnographic Interview. New York: Holt, Rinehart & Winston.

Strauss, A. L. (1987) Qualitative analysis for social scientists. Cambridge: Cambridge University Press.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Bookman.

Tureta, C. (2011). Práticas organizativas em escolas de samba: o setor de harmonia na produção do desfile do Vai-Vai. Dissertação de mestrado, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Velho, G. (2013). Um antropólogo na cidade: ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro: Zahar.

Ybema, S., & Kamsteeg, F. (2009) Making the familiar strange: A case for disengaged organizational ethnography.In Ybema, S., Yanow, D., Wels, H., & Kamsteeg, F. (Eds.). Organizational Ethnography: Studing the Complexity of Everyday Life (pp. 1-20). London: Sage.

Ybema, S., Yanow, D., Wels, H., & Kamsteeg, F. (2009). Studying everyday organizational life. In Ybema, S., Yanow, D., Wels, H., & Kamsteeg, F. (Eds.). Organizational Ethnography: Studying the Complexity of Everyday Life (pp. 101-119). London: Sage.

Yen-tsang, C., Dultra-de-lima, R. G., & Pretto, K. (2013). Análise qualitativa das publicações nacionais e internacionais em etnografias em administração e estudos organizacionais. Administração: Ensino e Pesquisa, 14(2), 211-247.

Zimmer, M. V. (2009). O panóptico está superado? Estudo etnográfico sobre a vigilância eletrônica. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.


Texto completo: Article

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM