O Corpo de Conhecimentos da Profissão do Administrador no Brasil: Contribuições do Sistema CFA/CRAs para sua Legitimação

Edna Regina Cicmanec, Eloy Eros da Silva Nogueira
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2018001

Texto completo:

PDF

Resumo

O objetivo deste estudo consistiu em avaliar, a partir da abordagem sociológica das profissões e estudos do campo da Administração, como as ações desenvolvidas pelo Sistema CFA/CRAs contribuíram para a legitimação do corpo de conhecimentos da profissão do Administrador no Brasil. Para Abbott (1988), profissões correspondem a grupos profissionais exclusivos que aplicam o seu conhecimento abstrato a casos particulares. Morris (2002) e Morris, Crawford, Hodgson, Shepherd e Thomas (2006) afirmam que é justamente o reconhecimento do desenvolvimento de um corpo de conhecimentos cientificamente estabelecido um dos ativos mais importantes no reconhecimento da profissionalização de uma atividade. O estudo de natureza qualitativa contempla uma abordagem exploratória descritiva de corte longitudinal. A base de dados empíricos (primários e secundários) foi originada a partir do emprego das técnicas de análise documentos, entrevistas pessoais, questionários e depoimentos on-line. A análise dos dados transcorreu orientada pela categoria analítica Legitimação de Conhecimentos, apoiada respectivamente pelo emprego das técnicas de Análise Documental e de Conteúdo. Como principais resultados concluiu-se que o conjunto de ações desenvolvidas pelo Sistema CFA/CRAs contribuiu positivamente para a profissão do Administrador. Entretanto, estas ações mostram-se ainda inadequadas à atribuição de uma maior legitimidade ao corpo de conhecimentos da profissão no país.



Referências


Abbott, A. (1988). The System of Professions: An essay on the division expert labor. London: The University Chicago Press.

Alcadipani, R., & Rosa, A. R. (2011). From Grobal Management to Glocal Management: Latin American perspectives as a counter-dominant management epistemology. Canadian Journal of the Administrative Sciences, 28(4), 453-466.

Alcadipani, R., & Bertero, C. O. (2012). Guerra Fria e Ensino do Management no Brasil: O caso da FGV-EAESP. Revista de Administração de Empresas – RAE, 52(3), 284-299.

Andrade, R. O. B., & Amboni, N. (2004). Gestão de Cursos de Administração: metodologias e diretrizes curriculares. São Paulo: Prentice Hall.

Andrade, R. O. B, Scaico, O., Ferraz, S. F., Salem, I. M. de M., Mello, S. L., Casate, M. L., Galindo, A. G. P., Abreu, J. R. L., Albuquerque, E. S., Costa, G.V., Gonçalves, A.D., Moura, R.N., Kreuz, M., Freitas, A. A., Jr., Fortuna, A. A. M., Tachizawa, T., Berndt, A. Lima, M. C., Fortuna, R., Amboni, N., & Tordino, C. A. (2004). Pesquisa Nacional sobre o Perfil, Formação, Atuação e Oportunidades de Trabalho do Administrador. Brasília: Conselho Federal de Administração - CFA.

Fischer, T. M. D. (1984). Administração Pública como Área de Conhecimento e Ensino; a trajetória brasileira. Revista Administração de Empresas – RAE, 24(4), 278-288.

Barbosa, M. L. O. (2003). As Profissões no Brasil e sua Sociologia. Revista de Ciências Sociais, 46(3), 593-607.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Portugal: Edições 70.

Batista, Eraldo L., & Lima, M. R. (2016). Notas Sobre a Educação Profissional no Brasil: 1930 a 1940. Revista Educere Et Educare, 11, 01-09.

Bertero, C. O. (2006). Ensino e Pesquisa em Administração. São Paulo: Thomson Learning.

Bonelli, M. G. (1999). Estudos sobre as Profissões no Brasil, In: MICELI Sérgio. (Org.). O que ler na Ciência Social Brasileira. 1o. ed. São Paulo: ANPOCS.

Bonelli, M. G., & Donatoni, S. (1996). Os Estudos sobre Profissões nas Ciências Sociais Brasileiras. Revista Brasileira de Informações Bibliográficas em Ciências Sociais - BIB, 1(41), 109-142.

Carrieri, A. de P., Perdigão, D. A, & Aguiar, A. R. C. (2014). A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, 49(4), 698-713.

Chandler, A. D. (1977). The Visible Hand: The managerial revolution in American Business. Cambridge: Harvard University Press.

Chiraldelli, P., Jr. (2006). História da Educação Brasileira. São Paulo: Editora Cortez.

Codato, A. (2011). A Sociologia Política Brasileira em Análise: quatro visões sobre o funcionamento administrativo do estado novo. Revista Sociologia Política, 19(40), 273-288.

Coelho, E. C. (1999). As Profissões Imperiais: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro 1822 – 1930. Rio de Janeiro: Editora Record.

Conselho Federal de Administração – CFA (2006). Manual do Administrador: guia de orientação profissional. Brasília.

Conselho Federal de Administração – CFA (2010). O Sistema CFA/CRAs no Contexto da Administração no Brasil. Brasília.

Conselho Federal de Administração – CFA (2013). Recuperado em 10 novembro, 2013, de http://www.cfa.org.br/

Conselho Federal de Administração – CFA (2016). Recuperado em 05 março, 2016, de http://www.cfa.org.br/

Conselho Federal de Administração – CFA (2017). Recuperado em 18 novembro, 2017, de http://www.cfa.org.br/

Costa, J. R. (1987). Profissões Liberais – autonomia: uma análise da profissão e do Conselho dos Administradores. Rio de Janeiro: Ed. Forense.

Costa, J. R. (Ed.) (1984). Administrando. 5 (16), 19. Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Covre, M. L. M. (1991). A Formação e a Ideologia do Administrador de empresa. 3o. ed. São Paulo: Cortez.

Diniz, M. (2001). Os Donos do Saber: profissões e monopólios profissionais. Rio de Janeiro: Editora Revan.

Farah, M. F. S. (2011). Administração Pública e Políticas Públicas. Revista de Administração Pública – RAP, 45(3), 813-36.

Fernandes, F. (1979). Mudanças Sociais no Brasil: aspectos do desenvolvimento da sociedade brasileira. São Paulo: Difusão Europeia do Livro – DIFEL.

Gonçalves, C. M. S. (1998). Emergência e Consolidação dos Economistas em Portugal. Tese de Doutorado, Programa de Doutorado em Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, FLUP, Porto, Portugal.

Hiraro, C., Ferrari, M. (1985). Administrando. 6(19), 31. Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Hobsbawn, E. J. (2000). Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo. 5o. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

Keinert, T. M. M. (1994). Os Paradigmas Da Administração Pública no Brasil (1900 – 92). Revista de Administração de Empresas – RAE, 34(3), 41-48.

Khurana, R., Nohria, N., & Penrice, D. (2005). Management As A Profession, in: Lorsch, J. W., Zelleke A., & Berlowitz, L. Restoring Trust in American Business. Cambridge: American Academy of Arts and Sciences.

Lopes, W. (1985). Administrando. 6(18), 23. Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Martins, C. B. (1989). Surgimento e Expansão dos Cursos de Administração no Brasil. Revista Ciência e Cultura, 4(7), 663 -676.

Ministério da Educação – MEC, Secretaria do Ensino Superior -SESu (2004). Relatório do Grupo de Trabalho MEC/SESu - instituído pela da Portaria Ministerial nº. 4.034, de 8 de dezembro de 2004. Recuperado em 10 de agosto de 2013, http://www.upe.br/download/cpa/legislacao/relatorio_4034.pdf.

Morris, P. W. G. (2002). Science, Objective Knowledge, and the Theory of Project Management. Proceedings of the Institute of Civil Engineering, 150(2), 82-90.

Morris, P. W. G., Crawford, L., Hodgson, D., Shepherd, M. M., & Thomas;,J. (2006). Exploring the Role of Formal Bodies of Knowledge in: Defining a Profession – The case of Project Management. International Journal of Project Management, 24(8), 710-721.

Mundim, M. J. C. (Ed.) (1980). Administrando. 1 (1), 19. Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Mundim, M. J. C. (Ed.) (1980). Administrando. 1 (2), 20. Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Mundim, M. J. C. (Ed.) (1981). Administrando. 2 (4). Brasília – DF: Conselho Federal de Técnicos de Administração.

Nicolini, A. (2002). O Futuro Administrador Pela Lente das Novas Diretrizes Curriculares: cabeças “bem feitas” ou “bem cheias”? In: Encontro Nacional da ANPAD - EnANPAD, XXVI, Salvador, Bahia, Brasil.

Pizzinatto, N. K. (2000). Ensino de Administração e o Perfil do Administrador: Contexto nacional e o curso de administração da UNIMEP. Impulso - Revista de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Metodista de Piracicaba, 11(26), 173-189.

Prestes Motta, F. C. (1983). A Questão da Formação do Administrador. Revista Administração de Empresas – RAE, 23(4), 53-55.

Rodrigues, M. L. (2002). Sociologia das Profissões. Portugal: Celta Editora.

Silva, B. (1968). O DASP Como Propulsor do Managerialismo no Brasil. Revista de Administração Pública – RAP, 2(4), 223-234.

Souza, S. P., Waiandt, C., & Junquilho, G. S. (2015). Administração: embates da profissão e a produção de um campo de trabalho. Revista Administração em Diálogo – RAD, 17(3), 129-148.

Takahashi, A. R. W. (2010). Cursos superiores de tecnologia em gestão: reflexões e implicações da expansão de uma (nova) modalidade de ensino superior em administração no Brasil – Revista de Administração Pública – RAP, 44(2), 385-414.

Villarreal, M. A. R. (2002). Sociología de la Professión de Graduado Social. Tese de Doutorado, Departamento de Sociología I y la educación da Universidad de Alicante, Alicante, Espanha.

Vizeu, F. (2008). Management no Brasil em Perspectiva Histórica: o projeto do IDORT nas décadas de 1930 e 1940. 2008. Tese de Doutorado, Fundação Getúlio Vargas (EAESP/FGV), São Paulo, SP, Brasil.

Vizeu, F. (2010a). Potencialidades da Análise Histórica nos Estudos Organizacionais Brasileiros. Revista de Administração de Empresas - RAE, 50(1), 37-47.

Vizeu, F. (2010b). (Re)contando a Velha História: reflexões sobre a gênese do Management. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 14(5), 780-797.