Gestão da inovação em serviços e relacionamento estratégico no transporte público

Jaciane Cristina Costa, Rafael Lubeck, Wagner Junior Ladeira
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070601001

Texto completo:

Artigo

Resumo

O interesse pelo setor de serviços tem crescido e assumido um papel importante nas economias emergentes. O presente artigo apresenta um estudo de múltiplos casos que buscou analisar a gestão da inovação em serviços, sobre a ótica da implantação da bilhetagem eletrônica entre as empresas associadas de transportes públicos. Observou-se que a tecnologia utilizada no sistema de bilhetagem eletrônica é considerada a maior inovação tecnológica para as firmas associadas nos últimos anos e que abre possibilidades de revolucionar os sistemas de controle e gestão do transporte coletivo. Por fim, no que se refere à inovação em serviços, cabe salientar que as melhorias relacionadas às empresas e aos seus métodos na integração das atividades parece ser uma forma promissora de satisfazer as exigências de um mercado consumidor cada vez mais exigente e seletivo; bem como de se obter ganhos relevantes em um setor em pleno decréscimo.

Palavras-chave

Gestão da inovação; relacionamento estratégico e serviços


Referências


BERGMAN, Jukka; JANTUNEN, Ari e SAKSA, Juha-Matti. Knowledge creation and sharing – Scenarios and Dynamic Capabilities in inter-industrial knowledge network. Journal of Knowledge Management.Vol. 8, n. 6, p. 63-77, 2004.

BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales. Apresentação. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (Orgs). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. XVIII – XXVIII, 2007.

BETTIS, Richard A. & HITT, Michael A. The new competitive landscape. Strategic Management Journal, vol. 16, 7-19, 1995.

CIBORRA, C. The platform organization: recombing strategies, structures and surprises. Organization Science, Vol. 7, p. 103-118, 1996.

COUTINHO, Luciano e FERRAZ, João Carlos (Coor). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas, Papirus. 1994.

EISENHARDT, Kantleen M. e MARTIN Jeffrey A. Dynamic Capabilities, what are they? Strategic Management Journal, Vol. 21, p. 1105-1121, 2000.

EISENHARDT, Kathleen M. Building theories from case study research. In: The Academy of Management Review, v.14, n.4, 1989. p.532-550.

GALLOUJ, Faïz. Economia da Inovação: um balanço dos debates recentes. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (Orgs). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 03 – 24, 2007.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa – tipos fundamentais. Revistas de Administração de Empresas, São Paulo, vol. 35, n. 3, jul/set., p. 10-25, 1995.

KUBOTA, Luis Claúdio. A contribuição dos SICs para a inovação tecnológica das firmas de serviços. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (Orgs). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 211 – 230, 2007.

NETO, João Amato. Redes virtuais de pesquisa e inovação em serviços. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (Orgs). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 303 – 321, 2007.

PRETORIUS; M. MILLARD, S. M.; KRUGER, M. E. The relationship between implementation, creativity and innovation in small business ventures. Management Dynamics, V. 15, N. 1, p. 2-14, 2006.

RICHARDSON, Roberto J. (Cood.). Pesquisa social: métodos e técnicas. 4ª.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RIONDOVA, Violina P. e KOTHA, Suresh. Continuous “morphing”: competing through dynamic capabilities, form and function. Academy of Management Journal, Vol. 44, n. 6, p. 1263-1281, 2001.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.