Ações empreendedoras na gestão pública: análise do Programa Crédito Solidário (PCS) em um município do sul de Minas Gerais

Camila Assis Silva, Josiel Lopes Valadares, Daniela Meirelles Andrade
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2016005

Texto completo:

Artigo

Resumo

Uma das atuais tendências no Campo de Públicas é a inclusão do tema empreendedorismo no debate sobre o processo de formulação e implementação de políticas públicas. Esse tipo de pensamento partiu do entendimento de que com o processo de globalização foi necessário que o setor público se adaptasse às transformações através de uma administração mais flexível para conseguir responder às demandas da sociedade. Esta pesquisa qualitativa tem por objetivo analisar, sob o ponto de vista dos beneficiários do Programa Crédito Solidário (PCS) em um município do sul de Minas Gerais, os níveis de emancipação econômica, social e política dos beneficiários dessa política pública. Evidenciou-se que este tipo de ação representa um processo de implementação e formulação de projetos públicos sob uma condição paradoxal, pois, ao mesmo tempo que promove novas alternativas de desenvolvimento de pequenos negócios da Economia Solidária, torna-se frágil no contexto da emancipação econômica, social e política dos beneficiários.

 


Palavras-chave

Empreendedorismo público; Economia solidária; Emancipação


Referências


Alcântara, F. H. C. (2005). Economia solidária: o dilema da institucionalização. São Paulo: Arte & Ciência.

Andion, C. (2012). Por uma Nova Interpretação das Mudanças de Paradigma na Administração Pública. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 1-19.

Andrews, C. W. (2000). Revisiting Guerreiro Ramos’s new science of organization through Habermasian lenses: a critical tribute. Administrative Theory & Praxis, 22(2), 246-272.

Arruda, M., Boff, L (2000). Globalização: Desafios socieconômicos: éticos e educativos, Rio de Janeiro, Vozes.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barrozo, P.D. (2004). A ideia de igualdade e as ações afirmativas. Lua Nova, (63), 103-141.

Berlim, C. G., Portella, F. O., Franceschini, I. S., Carvalho, M. T (2006). Princípios e práticas do empreendedorismo: um novo paradigma em educação e em psicopedagogia. Revista de Psicopedagogia, 23(70), 62-7.

Bernardi, M. M. E., Guimarães, T. B (2008, novembro). Empreendedores públicos: uma experiência de gestão estratégica de pessoas na administração pública do governo do estado de Minas Gerais. Anais do XIII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Buenos Aires, Argentina, 8.

Boava, D. L. T (2006). Estudo sobre a dimensão ontológica do empreendedorismo. Dissertação, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil.

Bresser-Pereira, L. C (2000). A reforma gerencial do Estado de 1995. Revista de Administração Pública, 34(4), 7-26.

Chaves, D. F, Pinto, I. J (2007). Economia solidária como alternativa de desenvolvimento regional. T&C Amazônia, 5(10), 60-67

Costa, A. M. da, Barros, D. F., Carvalho, J. L. F (2011). A dimensão histórica dos discursos acerca do empreendedor e do empreendedorismo. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 179-197.

Cunha, S. K., Bulgacov, Y. L., Meza, M. L. F., Balbinot, Z (2009). O sistema nacional de inovação e a ação empreendedora no Brasil. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 6(2), 120-137.

Diefenbach, T. (2009). New Public Management in Public Sector Organizations: The Dark Sides of Managerialistic Enlightenment. Public Administration, 87(4), 892-909.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios (3 ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Eid, F. (2007). Descentralização do estado, economia solidária e políticas públicas: construção da cidadania ou reprodução histórica do assistencialismo. ORG & DEMO, 8(1/2), 47-66.

Farazmand, A. (2012). The Future of Public Administration: Challenges and Opportunities - A Critical Perspective. Administration & Society, 44(4), 487 –517.

Ferrarini, A. V. (2008). Pobreza: a possibilidade de construção de políticas emancipatórias. São Leopoldo: Oikos.

Gaiger, L. I. (2008). A dimensão empreendedora da economia solidária: Notas para um debate necessário. Outra Economia, 2(3), 1851-4715.

Gaiger, L. I. (2013). A economia solidária e a revitalização do paradigma cooperativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(82), 211-228.

Gimenez, F. A. P., Ferreira, J. M., Ramos, S. C. (2008). Configuração empreendedora ou configurações empreendedoras? Indo um pouco além de Mintzberg. Encontro Nacional da ANPAD, Rio de Janeiro, 32.

Gomes, A. F., Lima, J. B., Cappelle, M. C. A. (2013). Do empreendedorismo à noção de ações empreendedoras: reflexões teóricas. Revista Alcance, 20(2), 203-220.

Hood, C. (1991). A Public Management for all Seasons? Public Administration, 69(1), 3–19.

Kettl, D. F. (2006). A Revolução Global: Reforma da Administração do Setor Público. In L. C. Bresser-Pereira, & P. Spink (Org.). Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial (pp. 75-122). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Lavras (2010). Decreto N. 8601 de 31 de Agosto de 2010. Aprova e Homologa o Regimento Interno do Fundo Municipal de Trabalho e Renda Solidária.

Lavras (2009). Lei da Economia Solidária nº 3.479, de 08 de Junho de 2009. Dispõe sobre a criação de diretrizes e estabelece princípios fundamentais e objetivos da política municipal de fomento à economia solidária do município de Lavras e de outras providências.

Leite, L. Q. (2014). Entrevista: Reflexões de um reformador contemporâneo do Estado brasileiro: entrevista com Luiz Carlos Bresser Pereira, por Leonardo Queiroz Leite. Revista de Administração Pública, 48(4), 1051-1070.

Lenzi, F. C., Kiesel, M. D., Zucco, F. D (2010). Ação empreendedora: como desenvolver e administrar o seu negócio com excelência. São Paulo: Gente.

Moehlecke, S. (2002). Ação afirmativa: histórias e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, (117), 197-217.

Moraes, R (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22 (37), 7-32.

Osborne, D., & Gaebler, T (1994). Reinventando o Governo. Como o Espírito Empreendedor Está Transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação.

Pereira, A. B., Rodrigues, E., Guilherme, R. C (2010). Ações afirmativas: política de cotas raciais para o ingresso nas universidades públicas. Textos & Contextos, 9(2), 244-250.

Pollitt, C. (2000). Is the Emperor in His Underwear? An Analysis of the Impacts of Public Management Reform. Public Management, 2(2), 181-199.

Praxedes, S. F. (2009). Políticas públicas de economia solidária: novas práticas, novas metodologias. Mercado de Trabalho, (39), 57-62.

Silva, V. A. C. (2010). Políticas compensatórias. InD. A. Oliveira, A. M. C. Duarte, & L. M. F. Vieira. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação.

Silveira, A. C. da, Boneli, J. J., Castro, N. E., & Barbosa, P. A. (2007). Empreendedorismo: a necessidade de se aprender a empreender. Foco, Capa, 2(1).

Singer, P. (2008). Economia Solidária. Estudos Avançados, 22(62), 289-314.

Sousa, J. L., Junior, F. G. P., Lira, Z. B. (2010). A abordagem multidimensional do empreendedorismo no setor público: o caso da ação empreendedora da fundação Joaquim Nabuco. Revista Gestão e Planejamento, 11(22), 337-354.

Teixeira, E. C. (2002). C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. AATR-BA, 1-11. Recuperado de http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf em 20 julho 2015.

Valadares, J. L., & Emmendoerfer, M. L. (2015). A Incorporação do Empreendedorismo no Setor Público: reflexões baseadas no contexto brasileiro. Revista de Ciências da Administração, 17(41), 82-98.

Yin, R. K (2001). Estudo de caso: Planejamento e métodos (2 ed.). Porto Alegre: Bookman.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.