Análise sobre a interação da triple helix em um programa público federal: um estudo dos núcleos de apoio à gestão da inovação (NAGIS) [doi: 10.21529/RECADM.2016015]

Aurora Carneiro Zen, Ana Isabel Jaramillo Lopez, Ângela Maria Ferrari Dambros, Daniela Callegaro de Menezes, Bernardo Dias Machado

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar as interações entre governo, universidade e indústria, hélices que compõem o modelo Triple Helix, a partir do processo de implantação de um programa governamental de apoio à inovação no Brasil. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa exploratória junto a cinco Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação (Nagis), que são projetos financiados através de apoio do governo federal, com intuito de incentivar a inovação nas empresas do país. Os dados foram coletados por meio de documentos e entrevistas com os gestores dos núcleos, com o uso de um roteiro semi-estruturado quanto à sua operacionalização (estrutura de funcionamento, metodologia desenvolvida e experiência de aplicação dessa metodologia). Com base nos resultados obtidos foi possível identificar a trajetória dos Nagis, suas metodologias e as dificuldades encontradas no processo de implantação. A partir daí foi realizada uma análise a respeito do papel do relacionamento das hélices que compõem o modelo Triple Helix e que fundamentaram o projeto de criação dos Nagis. Como principal conclusão, identificou-se que a sinergia entre  governo, universidade e indústria é limitada, o que não permite avanços mais relevantes no programa. As evidências apontam para uma necessidade de reestruturação do papel de cada “hélice” objetivando mudanças nas relações bilaterais. As empresas precisam ser sensibilizadas de forma mais enfática sobre a importância da inovação, e adotarem postura mais proativa frente a isso. Recomenda-se à academia a adoção de uma postura mais empreendedora e ao governo, por sua vez, a assunção de uma postura não só de financiador, mas também de orientador e facilitador das atividades de inovação.

Palavras-chave

Nagi; gestão da inovação; Triple Helix.

 


Referências


Albuquerque, E. (1999). Infraestrutura de Informações e sistema nacional de inovação: Notas sobre a emergência de uma economia baseada no conhecimento e suas implicações para o Brasil. Análise Econômica, 17(32), 50-69.

Auxiliar, M. J. P. R. M. (2010) O modelo Triple Helix: as relações entre a Universidade de Coimbra e a Indústria (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Coimbra.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Cassiolato, J., & Lastres, H. (2000). Sistemas de Inovação: Políticas e Perspectivas. Parcerias Estratégicas, 5(8), 237-255.

Cassiolato, J. E., & Lastres, H. M. M. (2007). Inovação e sistemas de inovação: relevância para a área de saúde. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 1(1), 153-162.

CNI. Mobilização Empresarial pela Inovação – MEI. Disponível em: . Acesso em 29 de Maio de 2014.

D’Avila, J. C.; Bilessimo, S. M. S.; Esteves, P. C. L.; & Vargas, C. M. (2015). A Triple Helix como fator de desenvolvimento regional: um estudo de caso no Brasil. Espacios, 52(11), 17.

De Negri, F., & Cavalcante, L. R. (2013). Sistemas de inovação e infraestrutura de pesquisa: considerações sobre o caso brasileiro. In: IPEA. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior. 24ed.

Edquist, C. (2005). Systems of Innovation: perspectives and challenges. In: Fagerberg, J., Mowery, D., & Nelson, R. (org.). The Oxford Handbook of innovation. Oxford: Oxford University Press.

Etzkowitz, H. (2002). The Triple Helix of University - Industry - Government Implications for Policy and Evaluation. Science Policy Institute, Working Paper 11.

Etzkowitz, H. (2003). Innovation in Innovation: The Triple Helix of University-Industry-Government Relations. Social Science Information, 42, 293-337.

Etzkowitz, H.; MELO, J.M.C. de; ALMEIDA, M. (2005) Towards “meta-innovation” in Brazil: The evolution of the incubator and the emergence of a triple helix. Research Policy, 34,4, 411–424.

Etzkowitz, H. (2009). Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em ação. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Etzkowitz, H. (2013). Anatomy of the entrepreneurial university. Social Science Information, 52(3), 486-511.

Etzkowitz H; Leydesdorff L. (1995). The Triple Helix-University-Industry-Government relations: a laboratory for knowledge-based economic development. EASST Review, 14(1), 14-19.

Etzkowitz H; Leydesdorff L. (2000). The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, 29(2), 109-123.

FINEP. Chamada pública MCT/FINEP/Pró-Inova 11/2010: Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação. Disponível em: . Acesso em: 29 de Maio de 2014.

Freeman, C., & Soete, L. A economia da inovação industrial. (2008). Campinas: Editora da Unicamp.

Informação Verbal, coordenador do Nagi-PR. O Papel do Governo no Apoio à Gestão de Inovação das Empresas: um estudo exploratório do Programa de Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação. Entrevistador: Ana López e Bernardo Dias Machado, 10 fev. 2014.

Informação Verbal, Dois integrantes do JOIN. O Papel do Governo no Apoio à Gestão de Inovação das Empresas: um estudo exploratório do Programa de Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação. Entrevistador: Aurora Zen, Ana López e Martiele Borges, 06 fev. 2014.

Informação Verbal, Integrante do Nagi-PG. O Papel do Governo no Apoio à Gestão de Inovação das Empresas: um estudo exploratório do Programa de Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação. Entrevistador: Ângela Dambros, Aurora Zen e Daniela Callegaro, 27 jan. 2014.

Informação Verbal, Integrante do Nagi Poli-USP. O Papel do Governo no Apoio à Gestão de Inovação das Empresas: um estudo exploratório do Programa de Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação. Entrevistador: Ângela Dambros, Aurora Zen e Daniela Callegaro, 27 jan. 2014.

Informação Verbal, Integrante do Nagi PUC-Rio. O Papel do Governo no Apoio à Gestão de Inovação das Empresas: um estudo exploratório do Programa de Núcleos de Apoio à Gestão de Inovação. Entrevistador: Ângela Dambros, Aurora Zen e Daniela Callegaro, 29 jan. 2014.

Ivanova, I. A. & Leydesdorff, L. (2014). A simulation model of the triple helix of university–industry–government relations and the decomposition of the redundancy. Scientometrics, 99, 927-948.

JOIN. Disponível em: < www.jogodainovacao.com.br >. Acesso em: 20 de Novembro de 2013.

Leydesdorff L.; Etzkowitz H (1996) Emergence of a Triple Helix of University-Industry-Government Relations. Science and Public Policy, 23, 279-86

Leydesdorff, L. (2010). The Knowledge-Based Economy and the Triple Helix Model. Annual Review of Information Science and Technology, 44, 367-417.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.

Lundvall, B., Johnson, B., Andersen, E. S., & Dalum, B. (2002). National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, 31(2), 213-231.

MCTI. Plano de Ação 2007-2010: prioridade estratégica II. Disponível em: . Acesso em: 08 de Junho de 2014.

MEI. Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos. Disponível em: . Acesso em: 01 de Junho de 2014.

Minayo, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

NAGI PG. Disponível em: . Acesso em: 22 de Novembro de 2013.

NAGI Poli-USP. Disponível em: . Acesso em: 22 de Novembro de 2013.

NAGI PUC-Rio. Disponível em: . Acesso em: 20 de Novembro de 2013.

NAGI-PR. Disponível em: < http://nagipr.org.br/>. Acesso em: 20 de Novembro de 2013.

OECD. Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3 ed. Paris: OECD, 2005. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2013

Schumpeter, J. A. (1939). Business Cycles: a theoretical, historical and statistical analysis of the capitalist process. London: McGraw-Hill Book Company. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2013

Schumpeter, J. A. (1985). A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Strachman, E., & de Deus, A. S. (2005). Instituições, inovações e sistemas de inovação: interações e precisão de conceitos. Ensaios FEE, 26(1), 575-604.

Vieira, A. C. P. V., Santos, G. S., Pieri, R., & Madeira, V. (2015). O modelo Triple Helix: perspectiva para as empresas de base tecnológica incubadas no parque científico e tecnológico – IPARQUE da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. In Anais do XVI Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão da Tecnologia, Porto Alegre: UFRGS.

Zawislak, P. A., Alves, A. C., Tello-Gamarra, J., Barbieu, D., & Reichert, F. M. (2012). Innovation Capability: from technology development to transaction capability. Journal of Technology Management & Innovation, 7(2), 14-27.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM