Influência da estrutura de capital nos investimentos em inovação das indústrias listadas na BM&FBOVESPA [doi: 10.21529/RECADM.2017002]

Rafael Sales Almendra, Alessandra Carvalho de Vasconcelos, Rayane Nogueira Aragão, Ione Azevedo Cysne

Resumo


Analisou-se a influência da estrutura de capital nos investimentos em inovação de 120 indústrias listadas na BM&FBovespa no período de 2013 a 2015. Como proxies para estrutura de capital, consideraram-se os endividamentos de curto prazo, de longo prazo e total. Para representar os investimentos em inovação, utilizou-se o número de patentes registradas e o percentual dos gastos com P&D em relação às vendas. Através do Teste LSD de Fischer, foi possível constatar que as empresas que não investem em inovação possuem endividamento superior. Por meio da regressão linear com dados em painel, verificou-se que somente os endividamentos de longo prazo e total influenciam positivamente os investimentos em inovação via patentes. Assim, os resultados sugerem que os recursos próprios podem ser insuficientes para investimentos em inovação, levando os recursos de terceiros a contribuir para o aumento dos investimentos em inovação via registro de patentes, conforme preconiza a Teoria Pecking Order, bem como colaborar para a redução dos custos de agência, limitando a atuação dos gestores, como proposto pela Teoria da Agência.

Palavras-chave

Estrutura de capital; Investimentos em inovação; Teoria Pecking Order; Teoria da Agência.


Referências


Abreu, E. S., Bruni, A. L., Gomes, S. M. S., & Paixão, R. B. (2015). Relações entre inovação tecnológica e estrutura de capital: um estudo de empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Administração e Inovação, 12(2), 326-350.

Acs, Z. J., & Isberg, S. C. (1991). Innovation, firm size and corporate finance: an initial inquiry. Economics Letters, 35(3), 323-326.

Assaf Neto, A. (2014). Finanças corporativas e valor. (7a ed). São Paulo: Atlas.

Bartoloni, E. (2013). Capital structure and innovation: causality and determinants. Empirica, 40(1), 111-151.

Baumann, J., & Kritikos, A. S. (2016). The link between R&D, innovation and productivity: are micro firms different?. Research Policy, 45(6), 1263-1274.

Blass, A. A., & Yosha, O. (2003). Financing R&D in mature companies: an empirical analysis. Economics of Innovation and New Technology, 12(5), 425-447.

Boehe, D. M., Larentis, F., Toni, D. De, & Mattia, A. Á. (2011). Papel das relações interorganizacionais e da capacidade de inovação na propensão para exportar. Revista Eletrônica de Administração, 17(1), 87-117.

Brito, E. P. Z., Brito, L. A. L., & Morganti, F. (2009). Inovação e desempenho empresarial: lucro ou crescimento?. RAE-Eletrônica, 8(1).

Brito, G. A. S., Corrar, L. J., & Batistella, F. D. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 18(43), 9-19.

Burlamaqui, L., & Proença, A. (2003). Inovação, recursos e comprometimento: em direção a uma teoria estratégica da firma. Revista Brasileira de Inovação, 2(1), 79-110.

Camilo, S. P., Xavier, W. G., Bandeira-de-Mello, R., & Marcon, R. (2010). A estrutura de capital como recurso e o efeito no desempenho das firmas. Revista Ibero Americana de Estratégia, 9(1), 102-126.

Campos, A. L. S., & Nakamura, W. T. (2013). Folga financeira avaliada como endividamento relativo e estrutura de capital. Revista de Finanças Aplicadas, 1, 1-19.

Canto, J. G. Del, & Gonzalez, I. S. (1999). A resource-based analysis of the factors determining a firm's R&D activities. Research Policy, 28(8), 891-905.

Chen, H., Hsu, W., & Huang, Y. (2010). Top management team characteristics, R&D investment and capital structure in the IT industry. Small Business Economics, 35(3), 319-333.

Correa, C. A., Basso, L. F. C., & Nakamura, W. T. (2013). A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e trade-off, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 106-133.

Crisóstomo, V. L. (2009). Ativos intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Contabilidade, Gestão e Governança, 1(1), 50-68.

Crisóstomo, V. L., López-Iturriaga, F. J., & Vallelado, E. (2011). Financial constraints for innovation in Brazil. Latin American Business Review, 12(3), 165-185.

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A multi‐dimensional framework of organizational innovation: a systematic review of the literature. Journal of Management Studies, 47(6), 1154-1191.

Dai, L.; Maksimov, V., Gilbert, B. A., & Fernhaber, S. A. (2014). Entrepreneurial orientation and international scope: the differential roles of innovativeness, proactiveness, and risk-taking. Journal of Business Venturing, 29(4), 511-524.

Dalziel, T., Gentry, R. J., & Bowerman, M. (2011). An integrated agency-resource dependence view of the influence of directors' human and relational capital on firms' R&D spending. Journal of Management Studies, 48(6), 1217-1242.

Fonseca, C. V. C., Silveira, R. L. F. da, & Hiratuka, C. (2016). A relação entre a governança corporativa e a estrutura de capital das empresas brasileiras no período 2000-2013. Enfoque, 35(2), 35-52.

Geiger, S., & Makri, M. (2006). Exploration and exploitation innovation processes: the role of organizational slack in R&D intensive firms. The Journal of High Technology Management Research, 17(1), 97-108.

Gibson, D. V., & Naquin, H. (2011). Investing in innovation to enable global competitiveness: the case of Portugal. Technological Forecasting and Social Change, 78(8), 1299-1309.

Gifford, S. (1992). Innovation, firm size and growth in a centralized organization. The Rand Journal of Economics, 23(2), 284-298.

Gonçalves, C., Filho, Veit, M., & Monteiro, P. (2013). Inovação, estratégia, orientação para o mercado e empreendedorismo: identificação de clusters de empresas e teste de modelo de predição do desempenho nos negócios. Revista de

Administração e Inovação, 10(2), 81-101.

Griliches, Z. (1990). Patent statistics as economic indicators: a survey. Journal of Economic Literature, 28(4), 1661-1707.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica. (5a ed.). Porto Alegre: McGraw-Hill.

Harris, M., & Raviv, A. (1991). The theory of capital structure. The Journal of Finance, 46(1), 297-355.

Himmelberg, C., Hubbard, R., & Palia, D. (1999). Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of Financial Economics, 53(1), 353-384.

Jensen, M., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Kayo, E. K., & Famá, R. (2004). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(2), 164-176.

Kayo, E. K., Teh, C. C., & Basso, L. F. C. (2006). Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 41(2), 158-168.

Kim, Y. (2015). Environmental, sustainable behaviors and innovation of firms during the financial crisis. Business Strategy and the Environment, 24(1), 58-72.

Knight, G. A., & Liesch, P. W. (2016). Internationalization: from incremental to born global. Journal of World Business, 51(1), 93-102.

Lai, Y., Lin, F., & Lin, Y. (2015). Factors affecting firm's R&D investment decisions. Journal of Business Research, 68(4), 840-844.

Li, M., & Simerly, R. L. (2002). Environmental dynamism, capital structure and innovation: an empirical test. The International Journal of Organizational Analysis, 10(2), 156-171.

Magri, S. (2009). The financing of small innovative firms: the Italian case. Economics of Innovation and New Technology, 18(2), 181-206.

March, J. G. (1991). Exploration and exploitation in organizational learning. Organization Science, 2(1), 71-87.

Maroco, J. (2007). Análise estatística – com utilização do SPSS. (3a ed.). Lisboa: Edições Silabo Lda.

McDougall, P. P., & Oviatt, B. M. (2000) International entrepreneurship: the intersection of two research paths. Academy of management Journal, 43(5), 902-906.

Miranda, K. F., Vasconcelos, A. C., Luca, M. M. M. De, & Cabral, J. E. O. (2015). A capacidade inovativa e o desempenho econômico-financeiro de empresas inovadoras brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 81(2), 269-299.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment. American Economic Review, 48(3), 261-297.

Moura, P. G., & Galina, S. V. (2009). Empresas internacionalizadas de origem brasileira e a publicação internacional de patentes. Revista de Administração e Inovação, 6(3), 26-45.

Myers, S. C. (1977). Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 5(1), 147-175.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. The Journal of Finance, 39(3), 574-592.

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(1), 187-222.

O’brien, J. P. (2003). The capital structure implications of pursuing strategy of innovation. Strategic Management Journal, 24(5), 415-431.

Organisation for Economic Cooperation and Development. (2005). Oslo manual: proposed guidelines for collecting and interpreting technological innovation data. Paris: OCDE.

Póvoa, L. M. C., & Nakamura, W. T. (2015). Relevância da estrutura de dívida para os determinantes da estrutura de capital: um estudo com dados em painel. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 3-26.

Ramos, A., & Zilber, S. N. (2015). O impacto do investimento na capacidade inovadora da empresa. Revista de Administração e Inovação, 12(1), 303-325.

Santos, J. G. C., Vasconcelos, A. C., & Luca, M. M. M. De. (2013). Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação, 10(1), 198-211.

Santos, J., Calíope, T., & Silva FIlho, J. (2016). Analisando as diferenças entre investimentos em atividades de inovação conforme variáveis estratégicas contingenciais em empresas de capital aberto no Brasil. Revista Gestão & Tecnologia, 16(3), 31-57.

Santos, J. G. C., Vasconcelos, A. C., & Luca, M. M. M. De. (2015). Internacionalização e governança corporativa: uma análise das maiores companhias abertas do Brasil pela ótica da economia dos custos de transação. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(3), 300-319.

Segura, L. C., & Formigoni, H. (2014). Influência do controle e da gestão familiar no endividamento das empresas abertas brasileiras: um estudo quantitativo. Brazilian Business Review, 11(6), 51-76.

Shearmur, R., Doloreux, D., & Laperrière, A. (2015). Is the degree of internationalization associated with the use of knowledge intensive services or with innovation?. International Business Review, 24(3), 457-465.

Silveira, A. D. M. D., & Barros, L. A. B. D. C. (2008). Determinantes da qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 14(3), 1-29.

Singh, D. A., & Gaur, A. S. (2013). Governance structure, innovation and internationalization: evidence from India. Journal of International Management, 19(3), 300-309.

Soares, R. O., & Kloeckner, G. O. Endividamento em firmas com alta propensão à expropriação: o caso de firmas com um controlador. Revista de Administração de Empresas, 48(4), 73-96.

Teh, C. C., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, 9(1), 86-106.

Teixeira, E. A., Nossa, V., & Funchal, B. (2011). O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista Contabilidade & Finanças, 22(55), 29-44.

Vargas, M. I. R. (2015). Determinant factors for small business to achieve innovation, high performance and competitiveness: organizational learning and leadership style. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 169(1), 43-52.

Williamson, O. E. (1988). Corporate finance and corporate governance. The Journal of Finance, 43(3), 567-591.

Yuke, C. H. A. I., & Xiaomin, G. U. (2015). Study on the relationship between R&D expenditures, capital structure and enterprise innovation performance. Canadian Social Science, 11(4), 60-67.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM