A (in)eficácia dos selos verdes sobre o comportamento dos consumidores: um estudo experimental [doi: 10.21529/RECADM.2017003]

Taís Pasquotto Andreoli, Váldeson Amaro Lima, Leandro Campi Prearo

Resumo


O trabalho teve como objetivo analisar a percepção dos consumidores acerca dos selos verdes, de acordo com quão conhecidos esses selos são e segundo seu próprio perfil de consumo verde. Sendo assim, elaborou-se um referencial teórico acerca do consumo sustentável, assim como sobre a aplicação dos selos verdes na perspectiva do marketing verde. O método adotado foi uma abordagem hipotético-dedutiva, realizada por meio de dois experimentos (um online e o outro presencial), ambos com desenho fatorial 2 (selo verde verdadeiro e bastante conhecido versus selo falso e nada conhecido) x 2 (consumidor com perfil muito sustentável versus pouco sustentável). Diante dos resultados obtidos, quatro principais discussões puderam ser levantadas, como a possibilidade de greenwashing decorrente da clara menção aos aspectos ambientais, seja em relação ao selo em si ou aos dizeres subjacentes a ele, a ineficácia da prática de adoção de selos verdes e a influência dessa ineficácia nos consumidores, inclusive naqueles que relataram possuir um perfil de consumo mais verde.

Palavras-chave

Consumo sustentável; Marketing verde; Selos verdes; Pesquisa experimental; Greenwashing.

 


Referências


Afonso, A. C. (2010). O consumidor verde: perfil e comportamento de compra. Tese de Doutorado, Instituto Superior de Economia e Gestão.

Afonso, M. H., Bornia, A. C., Echegaray, F., & Andrade, D. F. (2016). Comportamento de Consumo Sustentável: mensuração com o uso da Teoria da Resposta ao Item. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 14(Edição Especial), pp. 16-29.

Alderson, W. (1957). Marketing Behavior and Executive Action. Homewood: Richard D. Irwin.

Andreoli, T. P., Crespo, A., & Minciotti, S. A. (2016). Por que não estamos falando do greenwashing? Uma pesquisa bibliométrica acerca do tema. XIX SEMEAD - Seminários em Administração (p. sp). São Paulo/SP: FEA/USP.

Antunes, D., Santos, A. J., & Hurtado, A. L. (2015). A comunicação da ACV: a necessidade de diretrizes para evitar o Greenwashing. Espacios, 36(5), p. sp.

Assadourian, E. (2010). Ascensão e Queda das Culturas de Consumo. Em W. INSTITUTE, Estado do Mundo 2010: estado do consumo e o consumo sustentável. Salvador: Uma Ed.

Bedante, G. N. (2004). A Influência da Consciência Ambiental e das Atitudes em Relação ao Consumo Sustentável na Intenção de Compra de Produtos Ecologicamente Embalados. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre.

Braga Junior, S. S., Merlo, E. M., & Silva, D. (2016). "Não acredito em consumo verde". O reflexo do ceticismo no comportamento de compra do consumidor. Revista de Gestão Social e Ambiental, 10(3), pp. 02-15.

Braga Junior, S. S., Silva, D., & Moretti, S. L. (2011). Fatores de influência no consumo "verde": um estudo sobre o comportamento de compra no setor supermercadista. REMark: Revista Brasileira de Marketing, 10(1), pp. 151-176.

Budinsky, J., & Bryant, S. (2013). It’s not easy being green: the grenwashing of environmental discourses in advertising. Canadian Journal of Communication, 38(2), pp. 207-226.

Cabestré, S. A., Graziadei, T. M., & Polesel Filho, P. (2008). Comunicção Estratégica, Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental: um estudo destacando os aspectos teóricos conceituais e práticos. Conexão - Comunicação e Cultura, 7(13), pp. 39-58.

Campanhol, E. M., Andrade, P., & Alves, M. C. (2003). Rotulagem Ambiental: barreira ou oportunidade estratégica. REA - Revista Eletrônica de Administração, 2(2), p. sp.

Campos, S. A., Palma, L. S., Neutzling, D. M., Zucato, L. C., & Slongo, L. A. (2013). A comunicação verde fala por si: efeitos na identidade corporativa e propensão de compra. RECADM - Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(2), pp. 191-204.

Carson, R. (1962). Silent Spring. Boston: Houghton Mifflin.

Consumo Sustentável. (2005). Manual de Educação. Brasília: Consumers International/MMA/MEC/IDEC.

Corrêa, L. B. (1998). Comércio e Meio Ambiente: atuação diplomática brasileira em relação ao selo verde. Instituto Rio Branco, Centro de Estudos Estratégicos. Brasília: Coleção Curso de Altos Estudos do Instituto Rio Branco.

Côrtes, P. L., & Moretti, S. L. (2013). Consumo Verde: um estudo transcultural sobre crenças, preocupações e atitudes ambientais. REMark - Revista Brasileira de Marketing, 12(3), pp. 45-76.

Deus, N. S., Felizola, M. P., & Silva, C. E. (2010). O Consumidor Socioambiental e seu Comportamento frente aos Selos de Produtos Responsáveis. RBDAM - Revista Brasileira de Administração Científica, 1(1), pp. 32-54.

Guimarães, C., Viana, L. S., & Costa, P. H. (2015). Os Desafios da Consciência Ambiental: o marketing verde em questão. C@LEA - Cadernos de Aulas do LEA, spe(4), pp. 94-104.

Hair Jr, J. F. (2009). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Henion, K. E., & Kinnear, T. C. (1976). Ecological Marketing. Columbus: American Marketing Association.

Hur, W.-M., Kim, Y., & Park, K. (2013). Assessing the Effects of Perceived Value and Satisfaction on Customer Loyalty: a 'green' perspective. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 20(3), pp. 146-156.

Joshi, Y., & Rahman, Z. (2015). Factors Affecting Green Purchase Behaviour and Future Research Directions. International Strategic Management Review, 3(1-2), pp. 128-143.

Katrandjiev, H. (2016). Ecological Marketing, Green Marketing, Sustainable Marketing: Synonyms оr аn Evolution оf Ideas? Economic Alternatives, spe(1), pp. 71-82.

Lopes, V. N., & Pacagnan, M. N. (2014). Marketing Verde e Práticas Socioambientais nas Indústrias do Paraná. Revista de Administração, 49(1), pp. 116-128.

Paavola, J. (2001). Towards Sustainabble Consumption: economics and ethical concerns for the environmental in consumer choices. Review of Social Economics, 59(2), pp. 227-248.

Paço, A. M., Raposo, M. L., & Leal Filho, W. (2009). Identifying the Green Consumer: a segmentation study. Journal of Targeting, Measurement and Analysis for Marketing, 17(1), pp. 17-25.

Paço, A., Alves, H., Shiel, C., & Leal Filho, W. (2013). Development of a green consumer behaviour model. International Journal of Consumer Studies, 37(4), pp. 414-421.

Peattie, K. (2001). Towards Sustainability: the third age of green marketing. The Marketing Review, 2(2), pp. 129-146.

Pereira, S. J., & Ayrosa, E. A. (2004). Atitudes Relativas a Marcas e Argumentos Ecológicos: um estudo experimental. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 2(2), pp. 134-145.

Polonsky, M. J. (1994). An Introduction to Green Marketing. Electronic Green Journal, 1(2), p. Article 3.

Roberts, A. J. (1996). Green Consumer in the 1990s: profile and implications for advertising. Journal of Business Research, 36(3), pp. 217-231.

Silva, A. M., & Lopes, W. G. (2014). Virtudes e Falácias do Marketing Verde e Consumo Sustentável: a percepção de servidores públicos de instituições de ensino em Teresina, Piauí. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, 8(2), pp. 77-91.

Silva, M. E. (2012). Consumo Sustentável: a articulação de um constructo sob a perspectiva do desenvolvimento sustentável. RECADM - Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 11(2), pp. 217-232.

Silva, M. E., & Gómez, C. R. (2010). Consumo Consciente: o papel contributivo da educação. REUNA, 15(3), pp. 43-54.

Silva, M. E., & Nascimento, L. F. (2015). Atuação Responsável ou Jogo de Mercado? Entendendo a relação empresa-mídia para a efetivação do consumo sustentável. Rev. Adm. UFSM, 8(1), pp. 73-88.

Silva, M. E., Oliveira, A. P., & Gómez, C. R. (2013). Indicadores de Consumo Consciente: uma avaliação do Recifense sob a ótica do consumo sustentável. RECADM - Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(2), pp. 173-190.

Slater, D. (2002). Cultura do Consumo e Modernidade. São Paulo: Nobel.

Suki, N. M. (2013). Green Awareness Effects on Consumers' Purchasing Decision: some insights from Malaysia. Ijaps, 9(2), pp. 49-63.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM