Representatividade das Mulheres na Hierarquia de Empresas: Estudo de caso com base no Women's Empowerment Principles

Vera Regina Meinhard, José Henrique de Faria
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2020002

Texto completo:

PDF

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar como as práticas preconizadas pelos Women's Empowerment Principles (WEPs), inseridas no discurso do desenvolvimento sustentável, promovem a representatividade das mulheres no mundo corporativo. Uma vez que os WEPs utilizam como atratividade o slogan “Igualdade significa, de fato, negócios”, analisa-se como uma empresa do setor metalúrgico com mais de 5.000 trabalhadores faz conviver as práticas capitalistas que contribuíram para aprofundar a divisão sexual do trabalho com o objetivo de igualdade de gênero promovido pela agenda da ONU em prol do desenvolvimento sustentável. A realização de um estudo de caso a partir da análise de conteúdo de entrevistas e documentos visa produzir um conhecimento da realidade por meio das relações e das práticas enunciadas para construir uma compreensão sobre a situação da política de empoderamento das mulheres adotada pela empresa pesquisada. Este estudo permite colocar em evidência que, quando o foco é o eixo econômico do tripé do desenvolvimento sustentável, a consequência pode ser a perpetuação da desigualdade nas relações de gênero.


Palavras-chave

relações de gênero hierarquizadas; mulheres; liderança; women’s Empowerment principles (WEPs); divisão sexual do trabalho


Referências


Assessoria de Comunicação Social – Itaipu Binacional. (2016). Unilever, Renault e Home Care Cene Hospitallar são ouro no Prêmio WEPs Brasil. Prêmio WEPs Brasil. Prêmio WEPs Brasil. Recuperado em 29 julho, 2016, de http://premiowepsbrasil.org/unilever-renault-e-home-care-cene-hospitallar-sao-ouro-do-premio-weps-brasil/.

Bourdieu, P. (1988). La Domination Masculine. (11a ed.) Paris: Éditions du Seuil.

Bruschini, M. C. A. (2007). Trabalho e Gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 537-572.

Brym, R., Remo, H. C. M., Soares, E., & Maior, H. (2006). Sociologia: sua bússola para um novo mundo. São Paulo: Thompson.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614.

Carvalho Neto, A. M., Tanure, B., & Andrade. J. (2010). Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE eletrônica, 9(1).

Carvalho, M. P. (2012). O Conceito de Gênero no dia a dia da sala de aula. Revista de Educação Pública, 21(46), 401-412. Recuperado em 04 março, 2017, de http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/416.

Catalyst (2004). Companies With More Women Board Directors Experience Higher Financial Performance, According to Latest Catalyst Bottom Line Report. Catalyst. Recuperado em 03 janeiro, 2017, de http://www.catalyst.org/media/companies-more-women-board-directors-experience-higher-financial-performance-according-latest.

Conceição, A. C. L. (2009). Teorias feministas: da “questão da mulher” ao enfoque de gênero. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 8(24), 738–757.

Eagly, A. H. & Carli, L. L. (2007). Women and the Labyrinth of Leadership. Harvard Business Review, Boston, 85(9), 62–71.

Empowerwomen. WEPs, Companies. Recuperado em 01 de setembro, 2016, de http://weprinciples.org/Site/Companies/#search e atualizado em 15 outubro, 2019 https://www.empowerwomen.org/en/weps/companies.

Faria, J. H. & Ramos, C. L. (2014, julho/agosto). Tempo dedicado ao trabalho e tempo livre: os processos sócio-históricos de construção do tempo de trabalho. Rev. Adm. Mackenzie, 15(4), 47-74.

Faria, J. H. (2014). Por uma Teoria Crítica da Sustentabilidade. Organizações e Sustentabilidade, 2(1), 2-25.

Franco, M. L. P. B. (2007). Análise do conteúdo. (2a ed.). Brasília: Liber Livros.

Fraser, N. (2012). Le féminisme en mouvements - Des années 1960 à l’ère néolibérale. Paris: Editions La Découverte.

Freitas, M. E. (2013). Mulheres no Lar: Machismo ou poder ? GVExecutivo, 12(1), 54-57.

Gemael, D. T. S. Lista 48 empresas finalistas - Prêmio WEPs Brasil – Ciclo 2016. [mensagem de trabalho].

Giddens, A. (2005). Sociologia. 4. ed. Porto Alegre: Artmed.

Godoi, C. K., Bandeira-De-Melo, R., & Silva, A. B. (Orgs.). (2010). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. (2a ed.) São Paulo: Saraiva.

Grant Thornton International (GTI). (2014). Business Report 2014: Women in business: from classroom to boardroom. Recuperado em 11 setembro, 2016, de https://www.grantthornton.global/en/insights/articles/Women-in-business-classroom-to-boardroom/.

Grant Thornton International (GTI). (2016). Business Report 2016: Women in business Turning promise into practice. Recuperado em 11 de julho, 2016, de http://www.grantthornton.global/globalassets/wib_turning_promise_into_practice.pdf.

Hirata, H. (2001). Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, 17(18), 139-156.

Hobsbawm, E. (2015). Mundos do Trabalho: novos estudos sobre a história operária. (6a ed.) São Paulo: Paz e Terra.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística (IBGE). (2014). Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, uma análise das condições de vida da população brasileira 2014. Rio de Janeiro. Recuperado em 10 maio, 2016, de http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf.

Instituto De Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). (2014). Objetivos de Desenvolvimento do MILÊNIO - Relatório nacional de acompanhamento. Brasília: Secretaria de Planejamento e Investimento Estratégico. Recuperado em 10 maio, 2016, de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=22538. Link atualizado em 15 outubro, 2019.

ITAIPU Binacional. (2013). Equidade de Gênero – Como implementar na gestão das empresas? Catálogo. Curitiba. Recuperado em 15 outubro, 2019, de http://imam.ag/clientes/itaipu/weps/2016/wp-content/uploads/2014/11/Cartilha_equidade_de_genero_2013_LAB_AF.pdf

ITAIPU Binacional. (2014). Prêmio WEPs Brasil – Ciclo 2014. Anuário. Curitiba. Recuperado em 15 outubro, 2019, de http://premiowepsbrasil.com.br/wp-content/uploads/2019/04/Anuario_WEPs_PORTUGUES-2014-3.pdf

Mckinsey & Company. (2007). Women Matter: Gender diversity, a corporate performance driver. McKinsey & Company, Inc. Recuperado em 03 janeiro, 2017, de

https://www.mckinsey.com/~/media/McKinsey/Business%20Functions/Organization/Our%20Insights/Gender%20diversity%20a%20corporate%20performance%20driver/Gender%20diversity%20a%20corporate%20performance%20driver.ashx

Miles K. & Niethammer, C. (2009). Gri Gender: Incluindo a Questão de Gênero nos Relatórios de Sustentabilidade. Um Guia para Profissionais. GRI – IFC. Recuperado em 29 julho, 2016, de https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/Portuguese-Embedding-Gender-In-Sustainability-Reporting.pdf.

Neto, A., Cid, M., Pomar, C., Peças, A., Chaleta, E., Folque, A., Martins, A., & Machado, C. G. (1999). Estereótipos de Género. Cadernos Coeducação, Lisboa: CIDM.

Portal Brasil. (2015, março) Mulheres são maioria da população e ocupam mais espaço no mercado de trabalho. Recuperado em 16 fevereiro, 2017, de http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2015/03/mulheres-sao-maioria-da-populacao-e-ocupam-mais-espaco-no-mercado-de-trabalho.

Pozzebon, M. & Petrini, M. C. (2013). Critérios para Condução e Avaliação de Pesquisas Qualitativas de Natureza Crítico-Interpretativa. In A. R. W. Takahashi (Org.). Pesquisa Qualitativa em Administração: fundamentos, métodos e usos no Brasil. (pp. 51-72). São Paulo: Editora Atlas.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNDU). (2015). Relatório do Desenvolvimento Humano 2015: O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano. New York. Recuperado em 10 maio, 2016, de http://www.pnud.org.br/hdr/arquivos/RDHglobais/hdr2015_ptBR.pdf.

Rosenfield, C. L., De Mello, L. G., & Correa, A. S. (2015). Reconstrução normativa em Axel Honneth e os múltiplos justos do mercado de trabalho. Civitas, Porto Alegre, 15(4), 664-685.

Sachs, I. (2008). Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond.

Sachs, I. (2009). Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Santos, J. C. S. & Antunes, E. D. D. (2013). Relações de gêneros e liderança nas organizações: rumo a um estilo andrógino de gestão. Gestão Contemporânea, 14, 35-60.

Souza, E. M., Corvino, M. M. F. & Lopes, B. C. (2013). Uma análise dos estudos sobre o feminino e as mulheres na área da Administração: a produção científica brasileira entre 2000 a 2010. Organizações & Sociedade, 20(67), 603-621.

Steil, A. V. (1997). Organizações, gênero e posição hierárquica - compreendendo o fenômeno do teto de vidro. Revista de Administração, 32(3), 62-69.

United Nations Global Compact (UNGC). (2011). Princípios de empoderamento das mulheres - Igualdade Significa Negócios. Recuperado em 01 agosto, 2016, de http://weprinciples.org/files/attachments/PO_WEPs_2.pdf.

United Nations Global Compact (UNGC). Our Participants. Recuperado em 10 maio, 2016, de https://goo.gl/6uH7KY.

Vizeu, F., Meneghetti, F. K., & Seifert, R. E. (2012). Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), 569-583.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.