Índice de governança eletrônica nos municípios: uma análise do estado de Sergipe

Rony Klay Viana de Freitas, Maria Conceição Melo Silva Luft
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2014008

Texto completo:

Artigo PDF

Resumo

A proposta central do estudo foi apurar o índice de governança eletrônica dos municípios do estado de Sergipe. O estudo objetivou ainda fazer uma correlação dos resultados com o tamanho (população) dos municípios. Realizou-se uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, baseado na métrica proposta por Mello e Slomski (2010). A população do estudo compreendeu os 75 municípios do estado de Sergipe. A amostra intencional e não probabilística contemplou os 40 municípios com até 100 mil habitantes que possuíam websites ativos durante a operacionalização da pesquisa. Os dados do estudo foram obtidos nos portais eletrônicos das prefeituras no período da pesquisa entre de 10/06/2013 a 09/07/2013. Os resultados demonstraram que o menor índice de governança eletrônica apurado foi de 4,415% e o máximo de 42,146%, enquanto o índice médio dos municípios em estudo é de 13,431%, sendo considerado extremamente baixo. Constatou-se ainda que, de modo geral, os municípios com maiores populações possuem melhores índices. Além disso, foi possível verificar que as práticas mais identificadas estão relacionadas com questões técnicas (usuabilidade e acessibilidade) em detrimento das práticas de prestação de serviços públicos e participação cidadã.

 

 

 


Palavras-chave

Governança eletrônica; Governo eletrônico; Democracia eletrônica; Pequenos municípios


Referências


Alexandrini, F, Piske, Ingobert, & Piske, Ricardo (2006). Prefeitura Virtual: a Internet a Serviço da Comunidade. Gestão & Regionalidade, 22(65), 1-9.

Araújo, R. M. de, Araújo, M. A. D., Alloufa, J. M. L., & Lopes, A. O. B. (2013). Governo Eletrônico: um estudo sobre as possibilidades de participação do cidadão. Informação & Sociedade, 23(1), 73-90.

Araújo, W. F. G., & Laia, M. M. (2004, setembro). Governança eletrônica e gestão da informação em portais de governo: uma análise da reestruturação do Portal Minas. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Beuren, I. M., Moura, G.D. de, &Kloeppel, N. R. (2013). Práticas de governança eletrônica e eficiência na utilização das receitas: uma análise nos estados brasileiros. Revista de Administração Pública, (47), 2, 421-441.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, de 5 de maio de 2005. Recuperado em 25 de Maio, 2013, de .

Castells, Manuel. (1999). An Introduction to the Information Age. InMackay, H., & O´sullivan. The Media Reader: Continuity and Transformation, London: Sage.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Cordeiro, A., Martins, C.S.F., Santos, N. B. dos, Ribeiro, R. V., & Petra, T. (2012). Governo eletrônico e redes sociais: informação, participação e interação. RECISS, 6(2).

Cunha, M. A. V. C. da, Frega, J. R., & Lemos, I. S.(2011). Portais de serviços públicos e de informação ao cidadão no Brasil: uma descrição do perfil do visitante. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 10(1).

Diniz, E. H., Barbosa, A. F., Junqueira, A. R. B., & Prado, O. (2009). O governo eletrônico no Brasil: perspectiva histórica a partir de um modelo estruturado de análise. Revista de Administração Pública, 43(1), 23-48.

Ferrer, F., & Santos, P. (2004). E-Government: o governo eletrônico no Brasil. São Paulo: Saraiva.

Frey, K. (2002). Governança eletrônica: experiências de cidades europeias e algumas lições para países em desenvolvimento. In: EISENBERG, J., & CEPIK, M. (org.) Internet e política: teoria e prática da democracia eletrônica. Belo Horizonte: UFMG, 141-163.

Funai, M. T., & Rezende, D. A. (2011). Governo eletrônico na gestão municipal: avaliação dos serviços eletrônicos da prefeitura de São José dos Pinhais (PR). Gestão & Regionalidade, 27(80).

Hilgers, D., & Piller F. (2011). A Government 2.0: Fostering Public Sector Rethinking by Open Innovation. Innovation Management.

Holzer, M, & Kim, S-T. (2005). Digital governance in municipalities worldwide: a longitudinal assessment of municipal websites throughout the world. Division for Public Administration and Development Management Department of Economic and Social Affairs, United Nations.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012a). Perfil dos municípios brasileiros: pesquisa de informações básicas municipais2012.Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012b). Estimativas de população em 2012. Recuperado em 10 Junho, 2013, de

Jaeger-Neto, J. I., Becker, C. A., Luciano, E. M., Testa, M. G. (2009). A percepção dos gestores de TI em relação às práticas de governançade TI adotadas em empresas do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação,8(1), 1-18.

Janowski, T., Pardo, T. A., & Davies, J. (2012). Government information networks: map- ping electronic governance cases through public administration concepts. Government Information Quarterly, 29, S1-S10.

Klering, L.R., & Schröeder, C. da S.(2008). Níveis de virtualização de sites de governos municipais. Análise, 19(2).

Laia, M. M. D., Cunha, M. A. V. C. D., Nogueira, A. R.R., & Mazzon, José Afonso. (2011). Electronic government policies in Brazil: context, ICT management and outcomes. Revista de Administração de Empresas, 51(1), 43-57.

Lastres, H. M.M., & Albagli, S. (1999). Chaves para o terceiro milênio na era do conhecimento. In Lastres, H.M.M., & Albagli, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Lastres, H.M.M., Ferraz, J. C.(1999). Economia da informação, do conhecimento e do aprendizado. In Lastres, H.M.M., & Albagli, S. (Org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Medeiros, P. H. R., & Guimarães, T. de A. (2005). A relação entre governo eletrônico e governança eletrônica no governo federal brasileiro. Cadernos Ebape.Br, 4, 1-18.

Mello, G. R. (2009). Estudo das práticas de governança eletrônica: instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão dos estados brasileiros. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Mello, G.R. de, & Slomski, V. (2010). Índice de governança eletrônica dos estados Brasileiros (2009): no âmbito do poder executivo. Journal of Information Systems and Technology Management, 7(2), p. 375-408.

Neuman, L. W. (1997). Social Research Methods: Qualitative and Quantitative Approaches. 3. ed. Boston: Allyn & Bacon.

Pinho, J. A. G. de. (2008). Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, 42(3), 471-93.

Raupp, F. M., & Pinho, J. A. G. de. (2012). Possibilidades de Participação no Legislativo Municipal por meio de Portais Eletrônicos. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 17(61).

Rezende, D. A. (2007). Planejamento de informações públicas municipais: sistemas de informação e de conhecimento, informática e governo eletrônico integrados aos planejamentos das prefeituras e municípios. Revista de Administração Pública, 41(3), 505-536.

Ruediger, M. A. (2002). Governo eletrônico ou governança eletrônica-conceitos alternativos no uso das tecnologias de informação para o provimento de acesso cívico aos mecanismos de governo e da reforma do Estado. Anais do Congresso del CLAD, Caracas, Venezuela.

Sampaio, R. C. (2010). Governança eletrônica no Brasil: limites e possibilidades introduzidos pelo Orçamento Participativo na Internet. Planejamento e Políticas Públicas.

Santana Junior, J. J. B. D, Libonati, J. J., Vasconselos, M. T. C., & Slomski, V. (2009). Transparência fiscal eletrônica: uma análise dos níveis de transparência apresentados nos sites dos poderes e órgãos dos Estados e do Distrito Federal do Brasil.Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(3), 62-84.

Torres, N. A., & Agune, R. M. (2009). Web-gov nos municípios paulistas. PoliTICs. Núcleo de Estudos, Pesquisa e Formação da RITS, (3), disponível em http://www.politics.org.br/sites/default/files/poliTICS_n3_NorbertoTorres-RobertoAgune.pdf




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.