Discursos e sentidos da participação popular em um centro de saúde de Belo Horizonte

Paula Fernandes Furbino Bretas, Luiz Alex Silva Saraiva
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2014016

Texto completo:

Artigo PDF

Resumo

O objetivo neste artigo é identificar quais e como os sentidos sobre a participação popular são construídos por diferentes atores sociais relacionados a um centro de saúde de Belo Horizonte. Desde 1988, a temática da participação popular vem ganhando espaço de debate nas políticas públicas. Contudo, alguns autores questionam se essa participação ocorre como forma de discussão e deliberação, ou se apenas é utilizada como fachada para apresentação de propostas já concebidas pelos administradores dos órgãos públicos. Os instrumentos de coleta utilizados foram entrevistas semi-estruturadas e grupo focal, tendo sido os dados analisados à luz da análise crítica de discurso. As conclusões sugerem que os diferentes sentidos atribuídos à participação popular dirigem aos gestores desafios relacionados a lidar com distintas expectativas no cotidiano do centro de saúde.

 


Palavras-chave

Discursos; Sentidos; Participação popular; Centros de saúde; Belo Horizonte


Referências


Bahia, L., Costa, N., & Van Stralen, C. (2007). A saúde na agenda pública: convergências e lacunas nas pautas de debate e programas de trabalho das instituições governamentais e movimentos sociais. Ciência & Saúde Coletiva, 12(sup.), 1791-1818.

Boje, D. M., Oswick, C., & Ford G. D. (2004). Language and organization: the doing of discourse. Academy of Management Review, 29(4), 571-577.

Borges, M. L. (2010). Eventos inesperados através do entendimento teórico de Karl Weick e de Niklas Luhmann. Tese de doutorado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2007). Atenção primária e promoção da saúde. Brasília: CONASS.

Camargo-Borges, C., & Mishima, S. M. (2009). A responsabilidade relacional como ferramenta útil para a participação comunitária na atenção básica. Saúde e Sociedade, 18(1), 29-41.

Carrieri, A. P., Saraiva, L. A. S., Pimentel, T. D., & Souza-Ricardo, P. A. G. (2009). (Orgs.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá.

Costa, M. E. B. (2008). Grupo focal. In: J. Duarte & A. Barros (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (pp. 180-192). São Paulo: Atlas.

Cunha, E., & Pinheiro, M. (2009). Conselhos nacionais: condicionantes políticos e efetividade social. In: L. Avritzer (Org.). Experiências nacionais de participação social (pp. 142-156). São Paulo: Cortez.

Czarniawska, B. (2005). Karl Weick: concepts, style and reflection. Sociological Review Monograph, 53(2), 267-278.

Fairclough, N. (2010). A dialética do discurso. Teias, 11(22), 225-234.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: UnB.

Fiorin, J. L. (2009). Língua, discurso e política. Alea: Estudos Neolatinos, 11(1), 148-165.

Guimarães, C. P. (2012). Análise crítica do discurso: reflexões sobre contexto em van Dijk e Fairclough. Eutomia, Revista de Literatura e Linguística, 2(9), 438-457.

Klein Jr, V. H., Salm, J. F., Heidemann, F. G., & Menegasso, M. E. (2012). Participação e coprodução em política habitacional: estudo de um programa de construção de moradias em SC. Revista de Administração Pública, 46(1), 25-47.

Kreps, G. L. (2009). Applying Weick’s model of organizing to health care and health promotion: highlighting the central role of health communication. Patient Education & Counseling, 74(3), 347-355.

Malanovicz, A. V. (2011). Contribuição do modelo de organização de Karl Weick para a compreensão teórica do processo de entendimento compartilhado entre usuários e desenvolvedores sobre as demandas de desenvolvimento de sistemas de informação. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Maravalhas, E. (2010, setembro). Aprendizagem organizacional e sensemaking na implementação de novas práticas de trabalho. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Marques, A. (2009). A deliberação pública e suas dimensões sociais, políticas e comunicativas. Belo Horizonte: Autêntica.

Melo, I. F. (2009). Análise do discurso e análise crítica do discurso: desdobramentos e intersecções. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, 5(11), 1-18.

Montenegro, L. M., & Bulgacov, Y. L. M. (2009). Construção de sentidos em práticas de um processo estratégico: um estudo comparativo em duas IES do Estado do Paraná. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Oliveira, V. C. (2004). Comunicação, informação e participação popular nos conselhos de saúde. Saúde e Sociedade, 13(2), 56-69.

Pereira, M. C., & Brito, M. J. (2009). A análise do discurso como prática e processo de produção de sentidos: proposta teórico-metodológica. In: A. P. Carrieri, L. A. S. Saraiva, T. D. Pimentel & P. A. G. Souza-Ricardo (Orgs.). Análise do discurso em estudos organizacionais (pp. 53-78). Curitiba: Juruá.

Peruzzo, . C. M. K. (2007). Direito à comunicação comunitária, participação popular e cidadania. Lumina, 1, 1-29.

Pye, A. (2002). The changing power of 'explanations': directors, academics and their sensemaking from 1989 to 2000. Journal of Management Studies, 39(7), 907-925.

Rosemberg, B. (2009). Comunicação e participação em saúde. In: G. W. S. Campos, M. C. S., M. Akerman, M.; M. D. Junior & Y. M. Carvalho (Orgs.). Tratado de saúde coletiva (2a ed.) (pp. 741-766). São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/Fiocruz.

Schroeder, C. S. (2006). A interação em comunidades virtuais nas organizações e o sensemaking de Weick (1995): uma possibilidade de aproximação. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Stake, R. E. (1994). Case studies. In: N. K. Denzin & Y. S. Lincoln (Eds.) Handbook of qualitative research (pp. 236-247). London: Sage.

Van Dijk, T. A. (1985). Introduction: dialogue as discourse and interaction. In: T. A. Van Dijk (Ed.). Handbook of discourse analysis (pp. 1-11). London: Academic Press London.

Van Dijk, T. (1997a). Discourse as social interaction: discourse studies. London: Sage.

Van Dijk, T. (1997b). Discourse as structure and process: discourse studies. London: Sage.

Vasquez, M. L., Silva, M. R., Campos, E., Arruda, I., Diniz, A., Veras, I., & Pereira, A. P. (2003). Participação social nos serviços de saúde: concepções de usuários e líderes comunitários em dois municípios do Nordeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública, 19(2), 579-591.

Vieira, R. S. G., & Fonseca, F. R. B. (2009, maio) O sensemaking como ferramenta estratégica para o desenvolvimento de redes de relacionamentos de negócios no contexto das empresas de base tecnológica. Anais do Encontro de Estudos em Estratégia, Recife, PE, Brasil, 6.

Vizeu, F., & Bin, D. (2008). Democracia deliberativa: leitura crítica do caso CDES à luz da teoria do discurso. Revista de Administração Pública, 42(1), 83-108.

Weick, K. E. (1995). Sensemaking in organizations. Thousand Oaks: Sage.

Weick, K. E., Sutcliffe, K. M., & Obstfeld, D. (2005). Organizing and the process of sensemaking. Organization Science, 16(4), 409-421.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.