Divulgação do risco operacional em corporações multinacionais bancárias: comparação entre subsidiárias brasileiras e matrizes estrangeiras

Carlos André de Melo Alves, Ana Paula Mussi Szabo Cherobim, Jorge Henrique de Frias Barbosa
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20070601006

Texto completo:

Artigo

Resumo

Este trabalho busca verificar o grau de congruência entre a divulgação do risco operacional adotada por nove subsidiárias de corporações multinacionais bancárias que atuam no Brasil e a divulgação desse mesmo risco adotada pelas respectivas matrizes estrangeiras. O estudo é descritivo, contemplando revisão bibliográfica e pesquisa documental. Selecionou-se a amostra segundo relatório ’50 Maiores Bancos’, do Banco Central, de dezembro de 2004. Coletaram-se dados em relatórios anuais e outros instrumentos de divulgação, datas-base 2003 e 2004. Utilizou-se análise de conteúdo, baseado em nove categorias e dezoito subcategorias obtidas da revisão bibliográfica. Empregou-se o Teste de Wilcoxon. Verificou-se que o grau de congruência entre a divulgação da matriz e respectiva subsidiária foi 29,63% em 2003, e 32,72% em 2004. Não houve diferenças significativas entre os graus de congruência dos dois anos. Segundo esses resultados a divulgação do risco operacional adotada pelas subsidiárias foi diferente da divulgação adotada pelas respectivas matrizes estrangeiras.

Palavras-chave

corporações multinacionais bancárias; divulgação; risco operacional


Referências


ALVES, C.A.M; CHEROBIM, A.P.M.S. Análise do Nível de Divulgação do Risco Operacional Segundo Recomendações do Comitê da Basiléia: Estudo em Bancos do País e do Exterior. In: ENANPAD – Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 30, 2006, Salvador. Anais... Rio de Janeiro: ENANPAD, 2006.

BACEN. Banco Central do Brasil. Comunicado 12.746, de 09 de dezembro de 2004. Comunica os procedimentos para a implementação da nova estrutura de capital - Basiléia II. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: 10/12/2006.

BACEN. Banco Central do Brasil. Comunicado 16.137, de 27 de setembro de 2007. Comunica os procedimentos para a implementação da nova estrutura de capital - Basiléia II. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: 10/12/2007.

BACEN. 50 maiores bancos e o consolidado do sistema financeiro nacional. Balancetes processados até 30/03/2005. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: 11/12/2006.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Edições 70. Lisboa, 1977.

BCBS. Basel Committee on Banking Supervision. Sound Practices for the Management and Supervision of Operational Risk. Bank for International Settlements. February 2003. Disponível em: http://www.bis.org. Acesso em: 06/12/2006.

BCBS. International Convergence of Capital Measurement and

Capital Standards – A Revised Framework.

Bank for International Settlements. Updated November 2005. Disponível em: http://www.bis.org. Acesso em: 06/12/2006.

BRASIL. Resolução do Conselho Monetário Nacional 3.380, de 29 de junho de 2006. Dispõe sobre a implementação da estrutura de gerenciamento do risco operacional. Disponível em: http://www.bcb.gov.br.

Acesso em: 10/12/2006.

BRASIL. Resolução do Conselho Monetário Nacional 3.490, de 29 de agosto de 2007. Dispõe sobre a apuração do patrimônio de referência exigido (PRE). Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: 21/03/2007.

CARVALHO, L.N.; TRAPP, A. C. G.; CHAN, B.L. Disclosure e Risco Operacional: uma abordagem comparativa em instituições financeiras que atuam no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. RAUSP, v. 39, no 3, p.264- 273, 2004.

HENDRIKSEN, Eldon S.; VAN BREDA, M.F. Teoria da Contabilidade. 5.ed. São Paulo, Atlas, 1999.

RADEBAUGH, L. H.; GRAY, S. J.; BLACK, E. L. International Accounting and Multinational Enterprises. 6th. Edition, Wiley, United States, 2006.

SIEGEL,S. Estatística Não-Paramétrica.São Paulo, McGraw–Hill, 1975.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.