A discriminação racial (des)mascarada: análise discursiva do romance O Presidente Negro de Monteiro Lobato

Hellen Cordeiro Alves Marquezini, Ludmila de Vasconcelos Machado Guimarães, Flávia Pereira Dias Menezes
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2021022

Texto completo:

PDF

Resumo

A raça negra no Brasil é historicamente marcada pela discriminação, desvalorização e desrespeito. Tal realidade é reforçada por produtos culturais midiáticos que definem os estereótipos que depreciam o negro e o seu lugar na sociedade. Na literatura, é possível perceber que se por um lado existem autores que tentam dar voz a esses sujeitos, por outro reforçam e reverberam preconceitos. Compreendendo a possibilidade da utilização da literatura para se promover discussões de temas sensíveis, em especial no campo dos Estudos Organizacionais, o objetivo deste artigo é compreender como a obra de Monteiro Lobato, O Presidente Negro, contribui para a construção de imaginários sociodiscursivos e interdiscursivos racistas, que ainda hoje reverberam dentro das organizações. Para tanto, recorremos à Análise do Discurso, particularmente ao arcabouço teórico-metodológico dos linguistas franceses Charaudeau e Maingueneau, com os conceitos da Semiolinguística de Imaginários Sociais e de Interdiscurso, respectivamente. Conforme apresentado na análise, os imaginários e interdiscursos aqui analisados se apresentam como representações que permeiam a memória coletiva e acabam por evidenciar uma problemática estrutural. Além disso, foi possível observar que a obra é marcada por outros discursos como a filosofia iluminista, teorias racistas e teoria do darwinismo social que reforçam a ideia dos posicionamentos preconceituosos com relação à raça.


Palavras-chave

literatura; Monteiro Lobato; raça, análise do discurso


Referências


Alencastro, L. F. (2000). O trato dos viventes: formação do Brasil no atlântico sul. São Paulo: Companhia das Letras.

Allis, T., Fois-Braga, H., Moratori, P., & Fraga, C. C. L. (2020). Turismo, literatura e tecnologias em movimento. Caderno Virtual de Turismo, 20(2), 1-11.

Almeida, P. R. (2008). Monteiro Lobato e a emergência da política do petróleo no Brasil. In O. L. Barros & S. Bojunga (Orgs.). Potência Brasil: gás natural, energia limpa para um futuro sustentável. Porto Alegre: Laser Press Comunicações.

Almeida, S. (2019). Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen Livros.

Amossy, R. (2008). Imagens de si no discurso: a construção do Ethos. São Paulo: Contexto.

Ansara, S. (2008). Memória política, ditadura militar e repressão no Brasil. Curitiba: Juruá.

Benedito, M. S. (2018). A relação entre Psicologia e Racismo: as heranças da clínica psicológica. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-04092018-102726/publico/benedito_me.pdf

Branco, T. A. C. (2007). O Maravilhoso e o Fantástico na literatura infantil de Monteiro Lobato. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/

Brandão, H. H. N. (2004). Introdução à análise do discurso (2a ed). Campinas: Editora da Unicamp.

Brum, C. K. (2007). Turismo, arqueologia e literatura: análise antropológica da construção da memória coletiva em São Nicolau, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 1(1), 54-83.

Cacique, D. B. (2012). Delineando fronteiras: reflexão sobre os limites éticos para a aplicação de tecnologias genéticas. Revista Bioética, 20(1), 60-70.

Cardoso, L. (2010). Branquitude acrítica e crítica: a supremacia racial e o branco anti-racista. Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv, 8(1), 607-630.

Carrieri, A. P., Leite-da-silva, A. R., Souza, M. M. P., & Pimentel, T. D. (2006). Contribuições da análise do discurso para os estudos organizacionais. Revista Economia & Gestão, 6(12), 1-22.

Carvalho, D, A. (2016). Dialética do descompasso: os tempos de Monteiro Lobato na composição da nação brasileira (1914-1927). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de http://repositorio.ufc.br/handle/riufc/16223

Cavalheiro, E. (1955). Monteiro Lobato: vida e obra. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Charaudeau, P. (2007). Les stéréotypes, c´est bien, les imaginaires, c´est mieux. In H. Boyer. Stéréotypage, stéréotypes: fonctionnements ordinaires et mises en scène (Vol. 4., pp. 49-63). Paris: Harmattan.

Charaudeau, P. (2010). Discurso das mídias (2a ed., A. S. M. Corrêa, Trad.). São Paulo: Contexto.

Charaudeau, P. (2011). Dize-me qual é o teu corpus, eu te direi qual é a tua problemática. Revista Diadorim. 10, 1-23. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/3932/15637.

Charaudeau, P. (2012). Linguagem e discurso: modos de organização. (A. Corrêa & I. L. Machado, Trads.). São Paulo: Contexto.

Charaudeau, P. (2013). Discurso político (2a ed., F. Komeu & D. F. Cruz, Trads.). São Paulo: Contexto.

Chocrík, J. L. (1994). O conceito de representação social: a questão do indivíduo e a negação do outro. Psicologia USP, 5(1-2), 173-195. Recuperado em 10 julho, 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51771994000100013&lng=pt&tlng=pt.

Conceição, E. (2009). A negação da raça nos Estudos Organizacionais. Anais XXXIII Encontro da Anpad, São Paulo.

Conselho Federal de Psicologia. (2017). Relações raciais: referências técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília: CFP.

Costa, S. (2001). A mestiçagem e seus contrários - etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo. Tempo Social: Rev. Sociol. USP, 13(1), 143-158. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://www.scielo.br/pdf/ts/v13n1/v13n1a10.pdf

Costa, C. L. J. (2021). Representatividade negra no executivo municipal: impacto da posição partidária para a eleição de mulheres e homens negros nas prefeituras da Bahia. ODEERE, 6(1), jan./jun., 183-208. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8525

Crochík, J. L. (1994). Conceito de representação social: a questão do indivíduo e a negação do outro. Psicologia USP, 5 (1-2), 173-195. https://doi.org/10.1590/S1678-51771994000100013

Dalcastagnè, R. (2008). Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de literatura brasileira contemporânea, 31, 87-110. Recuperado em 19 novembro, 2020, de http://seer.bce.unb.br/index.php/estudos/article/viewFile/2021/1594

Dias, M. A. (2010). Das utopias e distopias: uma leitura de O presidente negro de Monteiro Lobato. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, Assis, São Paulo, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de http://hdl.handle.net/11449/94047

Diwan, P. (2007). Raça Pura: uma História da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Contexto.

Domingos, P. (2005). O mito da democracia racial e a mestiçagem no Brasil (1989-1930). Diálogos Latinoamericanos, 10, 115-131. Recuperado em 22 setembro, 2020, de https://www.redalyc.org/pdf/162/16201007.pdf

Evaristo, C. (2015). Olhos d’Água. Rio de Janeiro: Pallas.

Fanon, F. (1968). Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ferreira, R. F., & Camargo, A. C. (2011). As relações cotidianas e a construção da identidade negra. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(2), 374-389. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.1590/S1414-98932011000200013

Ferretti, A. (2020). Eugenia e identidade nacional nos escritos de Monteiro Lobato. Dissertação de Mestrado, Universidade da Região de Joinville, Joinville, Santa Catarina, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://www.univille.edu.br/account/mpcs/VirtualDisk.html/downloadDirect/2012120/Arlindo_Ferretti_Junior.pdf

Fischer, T., Davel, E., Vergara, S., & Ghadiri, P. (2007). Razão e sensibilidade no ensino de administração: a literatura como recurso estético. Revista de Administração Pública, 41(5), 935-956.

Fraga, I. O., & Aguiar, M. N. (2010). Neoeugenia: o limite entre a manipulação gênica terapêutica ou reprodutiva e as práticas biotecnológicas seletivas da espécie. Revista Bioética, 18(1), 121-130.

Franca, V. G. (2009). Nosso Jeca e nossa Emília vão ao exterior: as traduções das obras de Monteiro Lobato. Miscelânea, 6, 58-74. Recuperado em 19 novembro, 2020, de https://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/754

Gilroy, P. (2001). O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34.

Gonzales, L., & Hasenbalg, C. A. (1982). Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero.

Guimarães, A. S. A. (1999). Racismo e antirracismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora 34.

Gündemir. S, Homan, A. C, Dreu, C. K. W, & van Vugt, M. (2014). Think leader, think white? Capturing and weakening an implicit pro-white leadership bias. PLOS ONE, 9(1), e83915. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.1371/journal.pone.0083915

Habib, P. A. B. B. (2007). Saneamento, eugenia e literatura: os caminhos cruzados de Renato Kehl e Monteiro Lobato (1914-1926). Anais do XXIV Simpósio Nacional de História, Associação Nacional de História – ANPUH, São Leopoldo, RS, Brasil, 24.

Hita, M. G. (2017). Introdução: controvérsias e debates atuais sobre raça, etnicidade e identidade(s). In M. G. Hita (Org.). Raça, racismo e genética: em debates científicos e controvérsias sociais (pp. 15-46). Salvador: EDUFBA.

Hollanda, B. B. B. (2009). Futebol, arte e política: a catarse e seus efeitos na representação do torcedor. Organizações & Sociedade, 16(48), 123-140.

IBGE. (2011). Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE. (2013). Características Étnico-raciais da População: Classificações e identidades. Estudos e Análises: Informação Demográfica e Socioeconômica. Rio de Janeiro: IBGE.

Jodelet, D. (2001). Representações Sociais: um domínio em expansão. In: D. Jodelet. (Org.). As Representações Sociais (pp. 17- 44). Rio de Janeiro: Editora da UERJ.

Lobato, M. (2008). O presidente negro. São Paulo: Globo.

Maingueneau, D. (1997). Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes.

Maingueneau, D. (2014a). Heterogeneidade mostrada/constitutiva. In P. Charaudeau, & D. Maingueneau (Orgs.). Dicionário de Análise do Discurso (pp. 261-262). São Paulo: Contexto.

Maingueneau, D. (2014b). Discurso. In P. Charaudeau, & D. Maingueneau (Orgs.). Dicionário de Análise do Discurso (pp. 286-289). São Paulo: Contexto.

Malanovicz, A. V. (2019). Métodos de pesquisa para administração: investigações de Sherlock Holmes. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 10(2), 2751-2766.

Marquezini, H. C. A, Guimarães, L. V. M., & Barreto, R. O. (2021). Pandemia e quilombos: decisões sobre o “deixar viver e deixar morrer''. Ciências Sociais Unisinos, 57(1),113-121.

Mastella, A. S., & Godoi, C. K. (2017). O pós-modernismo na literatura e nos Estudos Organizacionais: manifestações e características. Revista Economia & Gestão, 17(46), 80-102.

Matos, J. S., & Senna, A. K. (2011, julho). Visões sobre a política: Monteiro Lobato e os EUA. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, São Paulo, Brasil, 16.

Mesquita, J. S., Teixeira, J. C., & Silva, C. R. (2020). “Cabelo (crespo e cacheado) pro alto, me levando a saltos” em meio à ressignificação das identidades de mulheres negras em contextos sociais e organizacionais. RECADM - Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 19(2), 227-256. Recuperado em 26 outubro, 2020 de http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/recadm/article/view/2868

Miranda, J. S. (2020). Monteiro Lobato e o racismo literário - impressões caricatas do negro em obras infantis. Salvador: Edição Independente (ePub).

Muaze, M. A. F. (2016). "O que fará essa gente quando for decretada a completa emancipação dos escravos?" - serviço doméstico e escravidão nas plantations cafeeiras do Vale do Paraíba. Almanack, (12), 65-87. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.1590/2236-463320161205

Munanga, K. (1986). Negritude – Usos e Sentidos. São Paulo: Editora Ática.

Munanga, K. (2003). Palestra: uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Seminário Nacional Relações Raciais e Educação, 3. Rio de Janeiro: PENESB.

Munanga, K. (2004). Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica.

Muzanenhamo, P., & Chowdhury, R. (2021). Epistemic injustice and hegemonic ordeal in management and organization studies: advancing black scholarship. Human Relations. https://doi.org/10.1177/00187267211014802

Nogueira, O. (2007). Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, 19(1), 287-308.

Oliveira, A. J. M. (2007). Igreja e escravidão africana no Brasil Colonial. Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas, 10(18), 355-387.

Orlandi, E. P. (2009). Análise do discurso: princípios e procedimentos (8a ed.). Campinas: Pontes.

Ortiz, R. (1985). Cultura brasileira e identidade nacional (2a ed.). Brasília: Editora Brasiliense.

Paulon, A., Nascimento, J., & Laruccia, M. (2014). Análise do Discurso: fundamentos teórico-Metodológicos. Diálogos Interdisciplinares, 3(1), 25-45. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://revistas.brazcubas.br/index.php/dialogos/article/view/42

Pereira, A. A. (2010). “O Mundo Negro”: a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil (1970-1995). Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://www.historia.uff.br/stricto/td/1254.pdf

Pinheiro, I. A., Vieira, L. J. M., & Motta, P. C. D. (2010). Construindo pontes entre saberes: da literatura à gestão. Organizações & Sociedade, 17(55), 641-664.

Pinheiro, B. S., & Lacerda, M. G. (2018). O mercado editorial de literatura para crianças e jovens perante as políticas públicas de fomento à leitura. Anais do XII Jogo do Livro e II Seminário Latino-Americano: Palavras em Deriva, Belo Horizonte, MG, Brasil, 12.

Piza, E. (2000). Branco no Brasil? Ninguém sabe, ninguém viu... In A. S. Guimarães, & L. Huntley (Orgs.). Tirando a Máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil (pp. 97-125). São Paulo: Paz e Terra.

Ramos, L. (2017). Na minha pele. Rio de Janeiro: Objetiva.

Rangel, P. S. (2015). Apenas uma questão de cor? As teorias raciais dos séculos XIX e XX. Revista Simbiótica, 2(1), 12-21. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://periodicos.ufes.br/simbiotica/issue/view/529

Ribeiro, D. (2018). Quem tem medo do feminismo negro. São Paulo: Companhia das Letras.

Sant'Anna, A. S., & Souza, I. V. A. (2014). Etnografia urbana e literatura: olhares de João do Rio e Rubens Fonseca sobre a cidade do Rio de Janeiro. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 3(3), 107-120.

Santos, A. F. S., & Café, L. S. (2017). Notas sobre estudos da escravidão no brasil. Textura, 4(8), 111- 116. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://textura.famam.com.br/textura/article/view/219

Schucman, L. V. (2010). Racismo e antirracismo: a categoria raça em questão. Psicologia Política, 10(19), 41-55. Recuperado em 22 setembro, 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000100005

Schucman, L. V. (2012). Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-21052012-154521/pt-br.php

Schwarcz, L. M. (2001). Racismo no Brasil. São Paulo: Publifolha.

Schwarcz, L. M. (2011). Previsões são sempre traiçoeiras: João Baptista de Lacerda e seu Brasil branco. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 18(1), 225-242. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702011000100013

Schwarcz, L. M., & Gomes, F. S. (2018). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras

Silva, D. S. (2018). Racismo e saúde mental: a construção de espaços de discussão e intervenção em um Centro de Convivência. Monografia. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/2018/page/tcc_dalila.pdf

Silva, M. D. F., Oliveira, J. S., Gouvêa, J. B., & Souza, V. G. (2020, outubro). Contribuições do conceito de branquitude às pesquisas sobre raça nos estudos organizacionais. Anais do Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 44.

Santos, R. A., & Silva, R. M. N. B. (2018). Racismo científico no Brasil: um retrato racial do Brasil pós-escravatura. Educar em revista, 34(68), 253-268. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.1590/0104-4060.53577

Soares, G. P. (2015). Monteiro Lobato, Juan P. Ramos e o papel dos inquéritos folclóricos na formação cultural e política da nação. Varia Historia, 31(56), 423-448.

Souza, L. S., & Baader, C. (2011). Estudos mediáticos da publicidade infantil: proposta de análise do discurso publicitário na interface com o discurso literário. Pensamento & Realidade, 26(1), 55-69.

Souza, V. S. (2012). As ideias eugênicas no Brasil: ciência, raça e projeto nacional no entre-guerras. Revista Eletrônica História em Reflexão, 6(11), 1-23. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/viewFile/1877/1041

Souza, J. W. (2017). Raça e eugenia na obra geral de Monteiro Lobato. Tese de doutorado, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/5888

Souza, J. W. (2018). O Jeca doente de problema vital: Monteiro Lobato e os higienistas de São Paulo em 1918. Estudos de Sociologia, 2(44), 325-344. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.52780/res.10930

Souza, J. W. (2019). Caipiras e sertanejos: raça e nacionalidade em Euclides da Cunha e Monteiro Lobato. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, 16(2), 57-74. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.5007/1807-1384.2019v16n2p57

Sovik, L. (2002, setembro). A branquitude e o estudo da mídia brasileira: algumas anotações a partir de Guerreiro Ramos. INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Anais do XXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Salvador, BA, 1 a 5.

Teixeira, J. C. (2015). As artes e práticas cotidianas de viver, cuidar, resistir e fazer das empregadas domésticas. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-A5AHWB

Teixeira, J. C., Oliveira, J. S., & Carrieri, A. P. (2020). Por que falar sobre raça nos Estudos Organizacionais no Brasil? Da discussão biológica à dimensão política. Perspectivas Contemporâneas, 15, 46-70.

Vasconcellos, J. G. (2016). Imaginário social, literatura e suas representações na gestão brasileira. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 5(2), 15-31.

Willis, V. C., & Willis, S. E. (2016). Black people against police torture: the importance of building a people-centered human rights movement, 21 Pub. Interest L. Rptr., 235. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://lawecommons.luc.edu/pilr/vol21/iss3/7

Zamora, M. H. R. N. (2012). Desigualdade racial, racismo e seus efeitos. Fractal: Revista de Psicologia, 24(3), 563-578. Recuperado em 10 julho, 2021, de https://doi.org/10.1590/S1984-02922012000300009

Zullo, G. J. D. (2019). O sentido histórico da discussão sobre a democracia racial no Brasil (1930-1964). Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil. Recuperado em 17 setembro, 2021, de https://www.unicamp.br/unicamp/index.php/teses/2019/09/26/o-sentido-historico-da-discussao-sobre-democracia-racial-no-brasil




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.