O CONCEITO OPERACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Daniel Rodriguez de Carvalho Pinheiro
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.20030202002

Texto completo:

Artigo

Resumo

Um dos problemas para pesquisadores que investigam as mudanças tecnológicas do ponto de vista das ciências sociais aplicadas é saber precisamente o que é tecnologia. E quando ocorre uma mudança tecnológica. O objetivo deste texto é colaborar para esse debate tentando construir um conceito operacional de tecnologia a partir dos documentos produzidos no final dos anos de 1990 e início dos anos 2000, e reunidos pela Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP em CD-ROM. Para elaborar a primeira versão do conceito operacional de tecnologia fez-se uma análise dos diversos conceitos reunidos pela FINEP seguindo uma ordem: do primeiro para o último. A crítica ao material propunha que um conceito é a tentativa de dizer o que alguma coisa é ou como funciona. E conceito operacional é aquele que foi constituído a partir de indicadores empírico-analíticos. Feito isso, o conceito provisório foi sendo enriquecido pelo debate com cada um dos novos conceitos que eram examinados. A busca de um conceito operacional de tecnologia mostrou que há pesquisadores que entendem tecnologia como coisas (máquinas, equipamentos, instalações) e há pesquisadores que investigam tecnologia considerando as coisas e os processos de trabalho. O que fiz foi reunir as duas tendências num único conceito.


Palavras-chave

Tecnologia; capital; mudança tecnológica; processo de trabalho; conceito


Referências


A EXPERIÓNCIA Brasileira: o caso de Sa o Paulo. In: SEMINARIO INTERNACIONAL DE

PARQUES TECNOLOGICOS, 107., 1987. Rio de Janeiro. Anais... Disponıvel em:

. Acesso em 10/08/2000.

ANPROTEC. Incubadora de Empresas. Disponıvel em

. Acesso em 18/08/2000.

ANPROTEC. Parques Tecnologicos. Disponıvel na Internet .

. Acesso em 18/08/2000.

ASSOCIACñO NACIONAL DE P, D&E DAS EMPRESAS INOVADORAS à ANPEI.

Indicadores empresariais de inovac a o tecnologica. In: Instrumento de Coleta de Dados.

Sa o Paulo: FINEP, 1999. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

Acesso em 10/07/2000.

BARBOSA, AntÁnio Luiz Figueira. Sobre a propriedade do trabalho intelectual: uma

perspectiva crıtica. Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.

BAXTER, Mike. Projeto de Produto: guia prú tico para o desenvolvimento de novos

produtos. Trad. Itiro Iida. Sa o Paulo: Editora Edgard Blucher, 1998. In: FINEP. Projeto

Inovar: Glossú rio. Disponıvel em: .

Acesso em 10 jul. 2000

BID. Oficina de Evaluacion (EVO). Evaluacion: una herramienta de gestion para mejorar el

desempen o de gestion para mejorar el desempen o de los proyetos. Washington: BID,

In: FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

BOLLINGER, Lynn et al. A Review of literature and hypothesis on new technology - based

firms. In: Research Policy, 12, p. 1-14, 1983. FINEP (Projeto Inovar. Glossú rio). Disponıvel

em: . Acesso em 10/07/2000.

BUSS, Paulo Marchiori; RAMOS, Cí lia Leita o. Desenvolvimento Local e Agenda 21:

Desafio da Cidadania. Rio de Janeiro, Centro de Tecnologia, Trabalho e Cidadania -

Oficina Social, Cadernos da Oficina Social N.Ú 3, fev./2000.

CANTER, L. Environmental impact assessment. Oklahoma: McGraw Hill , 1977. In:

FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. Parcerias Estratí gicas, nÚ8, maio/2000, MCT. In:

FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

http://www.venturecapital.com.br/glossario.htm>. Acesso em 10/07/2000.

COMITÓ DE ENTIDADES PUBLICAS NO COMBATE è FOME E PELA VIDA - COEP.

Carta de Princıpios Orientadores para a Implementac a o do Programa de

Desenvolvimento Integrado e Sustentú vel de Manguinhos. Rio de Janeiro, 1999.

DI BLASI, Clí sio Gabriel. A propriedade Industrial. Rio de Janeiro, Guanabara Dois, 1982.

GUIMARñES, Fú bio Celso de Macedo Soares. A Polıtica de incentivo ` inovac a o. In:

FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

http://www.venturecapital.com.br/glossario.htm>. Acesso em 10/07/2000.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Apoio ` gesta o da qualidade -

AGQ. In: NEP-COMP/01.00/1998. Rio de Janeiro: FINEP, 1998.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Apoio ao plano de negocios de parceiros tecnologicos. In: NEPPART/01.00/1998.

Rio de Janeiro: FINEP, 1998.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Apoio ao desenvolvimento tecnologico da empresa nacional à ADTEN. In: NEPCOMP/02.00/1998.

Rio de Janeiro: FINEP, 1998.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Departamento de Estudos e Estratí gias Sociais. Rio de Janeiro, 2

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Elaborac a o, aprovac a o e avaliac a o de planos de negocios. In: NPDEN/02.00/1998.

Rio de Janeiro: FINEP, 1998.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Estabelecimento de Programas e Ac –es Estratí gicas. In: NORMA NDEM/03.00/1999.

Rio de Janeiro: FINEP, 1999.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Projeto Inovar: Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Sistema de Indexadores para a FINEP. Rio de Janeiro, 1994.

FINEP à FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Superintendencia de Estudos e Estratí gias Setoriais . Categorizac a o das

Empresas Clientes Finep. Rio de janeiro, 2000.

FREEMAN, C. ; PEREZ,C. Technical Change and Economic Theory. London, 1988.

FUNDACñO CHRISTIANO OTTONI. Glossú rio da Qualidade Total. Elaborado por Alberto

Amarante Macedo e Francisco l. Povoa Filho. Belo Horizonte: Fundac a o Christiano Ottoni,

FUNDACñO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Vocabulú rio Bú sico

do Meio Ambiente. Compilado por Iara Verocai Dias Moreira. Rio de Janeiro: Servic o de

Comunicac a o Social da Petrobrú s, 1990. In: FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel

em: . Acesso em 10/07/2000.

GUEDES PEREIRA, Maurıcio et al. A Experiencia Brasileira. In: SEMINARIO

INTERNACIONAL DE PARQUES TECNOLOGICOS. Anais ..., p. 108-157. Rio de Janeiro:

FINEP, dez. 1987. Disponıvel em: .

Acesso em 10/07/2000.

GUEDES PEREIRA, Maurıcio. Um Estudo sobre Empresas Geradas a partir de

Universidades no Brasil. In: SIMPOSIO NACIONAL DE PESQUISA, 15., anais ...

PACTo/FEA/USP, p. J.04, out. 1990. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

GUIMARñES, Fú bio Celso de Macedo Soares. A interac a o entre pesquisa &

desenvolvimento e produc a o industrial no Brasil. Rio de Janeiro: MCT, 1992.

GUIMARñES, Fú bio Celso de Macedo Soares. A Polıtica de Incentivo ` Inovac a o. Rio de

Janeiro: FINEP, 2000.

HORBERRY, J. Status and application of EIA for development. Gland, Conservation for

Development Centre, 1984. In: FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em: 10/07/2000.

HUXLEY, Aldous Leonard. Admirú vel mundo novo. Sa o Paulo: Abril Cultural, 1982.

HURTUBIA, J. Ecologia y desarrollo: evolucion y perspectivas del pensamento ecologico.

In: Estilos de desarrollo y medio ambiente. Mí xico: Fondo de Cultura Economica,1980.

Disponıvel em: http://www.venturecapital.com.br/glossario.htm>. Acesso em 10/07/2000.

IBICT. Rede Nacional de Trasferencia e Difusa o de Tecnologias Apropriadas. Disponıvel

em: . Acesso em 17/08/2000.

IBICT. Rede Nacional de Trasferencia e Difusa o de Tecnologias Apropriadas. Disponıvel

em: . Acesso em 10/07/2000.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Patente e Desenho

Industrial. Disponıvel em: . Acesso em 10/07/2000.

INTERIN MEKONG COMITEE. Environmental impact assessment guidelines of

application to tropical niver basin development. Bangkok: Mekong Secretariat, 1982. In:

FINEP. Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

ISO 9000 . (NB à 9001) à Sistemas de qualidade à Modelo para garantia da qualidade em

projeto / desenvolvimento, produc a o, instalac a o e assistencia tí cnica.

ISO 9000 . (NB à 9002) à Sistemas de qualidade à Modelo para garantia da qualidade em

produc a o e instalac a o.

ISO 9000 . (NB à 9003) à Sistemas de qualidade à Modelo para garantia da qualidade em

inspec a o e ensaios finais.

ISO 9000 . (NB à 9004) à Gesta o da qualidade e elementos do sistema qualidade à

Diretrizes.

ISO 9000 . Designac a o do conjunto de cinco normas internacionais sobre Gerencia da

Qualidade e Garantia da Qualidade. Normas de gesta o da qualidade e garantia da

qualidade à Diretrizes para selec a o e uso. (NB 9000).

JURAN, J.M. ; GRYNA, Frank M. Controle da qualidade, conceitos, polıticas e filosofia da

qualidade. Sa o Paulo: McGraw-Hill, 1991.

LA ROVERE, Emılio LÍbre (Coord). Manual de auditoria ambiental. Rio de Janeiro:

Qualitymark, 2000.

LASTRES, Helena et al.. Globalizac a o e Inovac a o Localizada: experiencias de Sistemas

locais no ‘ mbito do Mercosul e proposic –es de polıticas de C&T. Nota Tí cnica 01/99. Rio

de Janeiro: IE/UFRJ, 1998.

LEMOS C. Inovac a o na era do conhecimento. Parcerias Estratí gicas, nÚ 8. MCT, 2000.

LONGO, W.P. Conceitos Bú sicos sobre Ciencia e Tecnologia. Rio de Janeiro: FINEP,

v.1.

LONGO, W.P. Conceitos Bú sicos sobre Ciencia e Tecnologia. Rio de Janeiro, FINEP,

v.1.

MAIMON, Dú lia. Passaporte Verde: Gerencia Ambiental e Competitividade. Rio de

Janeiro: Qualitymark, 1996.

MARTINEZ, Eduardo; ALBORNOZ, Mario. Indicadores de ciencia y tecnologıa: Estado del

arte y perspectivas. Caracas: UNESCO, 1998. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

MCKINSEY & COMPANY. Desenvolvimento dos programas de ac a o para o "cluster" de

biotecnologia em Belo Horizonte: Projeto Cresce Minas. Belo Horizonte,

FIEMG/CIEMG/SESI/SENAI/IEL 1999.

MINISTERIO DA CIÓNCIA E TECNOLOGIA. Conceitos (Glossú rio). 1997. In:FINEP.

Projeto Inovar. Glossú rio. Disponıvel em:

. Acesso em 10/jul./2000.

NBR ISO8402 à Gesta o da qualidade e garantia da qualidade à Terminologia. Rio de

Janeiro, ABNT, jul.1993.

OECD. Frascati Manual. Paris, OCDE, 1993.

OECD. Oslo Manual. Paris, OCDE/Eurostat, 1997.

PERILO, Sí rgio; NASCIMENTO, Paulo. A Tecnologia como condicionamento do perfil de

um polo tecnologico. In: SIMPOSIO NACIONAL DE PESQUISA, 16., Anais ... Vol. II,

PACTo/FEA/USP, p. G-23 - G-39, Rio de Janeiro, out. 1991. Disponıvel em:

. Acesso em 10/07/2000.

SANTOS, Silvio A. dos. Criac a o de Empresas de Alta Tecnologia. Sa o Paulo: Pioneira,

Disponıvel em: . Acesso em

/07/2000.

SECRETARIA EXECUTIVA DA COMUNIDADE SOLIDARIA. Documento de Referencia

do Programa Comunidade Ativa: Uma Estratí gia de Induc a o ao Desenvolvimento Local

Integrado e Sustentú vel. Brasılia, 1999.

SELDEN, M. et al.. Studies on environment. Washington: Environmental Protection

Agency,1973. Disponıvel em: . Acesso

em 10/07/2000.

VENTURE CAPITAL. Disponıvel em:

WERKEMA, Maria Cristina Catarino. As ferramentas da qualidade no gerenciamento de

processos. Belo Horizonte: UFMG/EE/Fundac a o Christiano Ottoni, 1995.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.