Sentimentos topofílicos e suas relações com a atitude e a intenção empreendedoras [doi: 10.21529/RECADM.2017015]

Antonia Márcia Rodrigues Sousa, Fabiana Pinto de Almeida Bizarria, Alexandre Oliveira Lima, Marcus Vinicius de Oliveira Brasil, Raimundo Eduardo Silveira Fontenele

Resumo


Considerando que a análise contextual em torno do ambiente colabora com a atuação empreendedora, subsidiada por construções afetivas em torno do sentimento de pertencimento, busca-se, com esta pesquisa, investigar a relação entre a intenção e a atitude empreendedoras na formação de sentimentos topofílicos em universitários. Realizou-se estudo quantitativo, com dados coletados por meio de questionários aplicados em uma amostra de 360 discentes de duas Instituições de Ensino Superior do Ceará. Para responder as hipóteses levantadas (H1 – O nível de atitudes empreendedoras impacta positivamente na formação de sentimentos topofílicos e H2 – O nível de intenção empreendedora impacta positivamente na formação de sentimentos topofílicos), procedeu-se à Análise Estrutural com auxílio dos softwares estatísticos SPSS 22.0 e AMOS 20.0. Na análise das trajetórias causais evidenciou-se que todas elas são estatisticamente significativas. A análise do modelo mostra que a maioria dos pesos fatoriais é elevado (≥ 0,5), além de ter coeficiente de determinação adequado de 0,27 (R2≥0,25), que informa o poder explicativo da regressão. Todos os pesos de regressão padronizados (β) são significativos ao nível de significância (p< 0,001) ademais, existe uma correlação entre Intenção Empreendedora e Atitude Empreendedora (0,36). Os valores de C.R. estão acima dos valores de referência (C.R>│1,96│). Os resultados demonstram que há influência positiva da atitude e da intenção empreendedora nos sentimentos de topofilia, haja vista que as hipóteses do estudo não foram refutadas, o que indicou que o modelo teórico é capaz de reproduzir a estrutura correlacional das variáveis manifestas observadas na amostra da pesquisa. As discussões apresentadas neste artigo contribuem para o maior conhecimento teórico da relação entre a intenção e a atitude empreendedoras na formação de sentimentos topofílicos, além da contribuição em definir estratégias para ações empreendedoras em ambientes universitários.

 

Palavras-chave: Sentimentos topofílicos. Empreendedorismo. Intenção empreendedora. Atitude empreendedora.

Referências


Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational and Human Decision Processes, 50(12), 179-211.

Ajzen, I. (2001). Nature and operation of attitudes. Annual Review of Psychology, 52, 27-58.

Ajzen, I., & Fishbein, M. (2000). Attitudes and Attitude-Behavior Relation: reasoned and automatic processes. In W. Strobe, & M. Hewstone (ed.), European Review of Social Psychology, 11 (1), 1-33.

Almeida, G. O. (2013) Valores, atitudes e intenção empreendedora: um estudo com universitários brasileiros e cabo-verdianos. Tese de doutorado, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (EBAPE), São Paulo, SP, Brasil.

Alburquerque, F. (2004) Desarrollo económico local y descentralización en América Latina, Revista de la CEPAL, nº 82, pp. 157-171.

Ander-Egg, E. (2003). Metodología y práctica del desarrollo de la comunidad (El método del desarrollo de la comunidad). Argentina: Grupo Editorial Lumen.

Arbuckle, J. (2007). AMOS 16.0 User’s Guide. Amos Development Corporation.

Barbosa, L. M. (2008). A topofilia na Vila do IAPI em Porto Alegre. Dissertação de mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Bachelard, G. (1957). La poétique de l'espace. Paris: Presses Universitaires de France.

Barkin, D. (1998). Riqueza, pobreza y desarrollo sostenible. México: Editorial Jus y Centro de Ecología y Desarrollo. Recuperado em 06 de abril de 2016, de http://anea.org.mx/publicaciones.htm.

Bird, B. (1988). Implementing entrepreneurial ideas: The case for intentions. Academy of Management Review, 23(5), 53-73.

Boava, D. L. T., & Macedo, F. M. F. (2006, setembro). Estudo sobre a essência do empreendedorismo. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Bygrave, D. W. & Hofer C. W. (1991). Theorizing about entrepreneurship. Entrepreneurship Theory and Practice, 16(2), 13-22.

Byrne, B.M. (2001). Structural Equation Modeling with AMOS: Basic Concepts. Applications and Programming. London: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers.

Carvalho, P. M. R. (2004). Competências para o entrepreneurship: um modelo explicativo. Tese de doutorado, Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha.

Chell, E. (2000). Toward researching the “opportunistic entrepreneur”: a social constructionist approach and research agenda. European Journal of Work and Organizational Psychology, 9(1), 63-80.

Cisotto. M. F. (2013). Sobre Topofilia, de Yi-Fu Tuan. Geograficidade, 3(2), 94-97.

Corrar, L., Paulo, E., & Dias, J., Filho. (2007). Análise multivariada para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Corrêa, V. S., & Valle, G. M. V. (2013). A dimensão das motivações empreendedoras: uma investigação retrospectiva. Pretexto, 14(4), 11-28.

Costa, R. G. S., & Colesanti, M. M. (2011). A contribuição da percepção ambiental nos estudos das áreas verdes. RAEGA – O Espaço Geográfico em Análise, 22, 238-251. doi: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v22i0.21774.

Davidsson, P. (1995, novembro). Determinants of entrepreneurial intentions. Anais de Conferência Rent, Piacenza, Itália, 9.

Enríquez, A. (2004) “El Desarrollo Regional/Local”, en Hacia una delimitación conceptual del desarrollo regional/local. FUNDE, El Salvador. Recuperado em 01 de maio de 2016 de http://www.enlacesamerica.org/articles0303/newsletteresp/edition10Fall2005/desarrollolocalP DF.pdf.

Ferreira, J. M. (2005). Potencial empreendedor e liderança criativa: um estudo com varejistas do comércio de materiais de construção em Curitiba/PR. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC), Curitiba, Brasil.

Feuerschütte, S. G. (2006). Competências do empreendedor no setor hoteleiro: Caracterização e análise baseadas na metodologia da história oral [manuscritos]. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Filion, L. J. (1991). O Planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: Identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas, FGV, 31(3), 63-71

Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. RAUSP, 34(2), 05-28.

Filion, L. J. (2000). Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. Revista de Administração de Empresas, 7(3), 2-7.

Fine, R., Grimaldi, R., & Sobrero, M. (2009). Factors fostering academics to start up new ventures: an assessment of Italian founders' incentives. Journal of Technology Transfer. 34, 380-402.

Fishbein, M., & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention and behavior: an introduction to Theory and Research. Massachussets: Addison-Wesley.

Flores, R. D. (2012). El valor educativo de la topofilia para el desarrollo sustentable local (Caso de estudio: Cumboto). El Salvador: FUNDE.

Fofonka, L. (2014). Percepção ambiental e representação do “lugar-vivido” na área de proteção ambiental do município de Caraá. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

França, U. B. de, Ferreira, A. P. N. L., Ruiz, M. S., & Ferreira, M. L. (2014, setembro). Percepção ambiental da população residente ao entorno do parque natural jardim da conquista. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 38.

Hair, J.F., Black, W.C., Babin, B.J. and Anderson, R.E. (2010) Multivariate Data Analysis. 7th Edition, Pearson, New York

Hisrich, R. D.; Peters M. P. (2004). Empreendedorismo (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hofstede, G. (1980). Culture’s consequences. Beverly Hills, CA: Sage Publications.

Holcombe, G. (2007). Entrepreneurship and economic progress. London: Routledge.

Lima, O. R. de, & Rosa, O. (2013, agosto). Percepção e topofilia: relações e sentimentos sobre a paisagem da cidade de Catalão (GO). Anais do Simpósio de Estudos Urbanos: a dinâmica das cidades e a produção do espaço, Campo Mourão, PR, Brasil, 2.

Liñán, F., & Chen, Y. W. (2009). Development and cross-cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship: Theory and Practice, 33(3), 593-617.

Lopez, G. S., Jr., & Souza, E. C. L. de. (2008, outubro). Atitude empreendedora: Conceitos, modelos e medidas. Anais do Simpósio de Gestão e Inovação Tecnológica, Brasília, GO, Brasil, 25.

Lüthje, C., & Franke, P. (2003) The “making” of an entrepreneur: Testing a model of entrepreneurial intent among engineering students at MIT. R&D Management, 33(2), 135-147.

Mattar, F. N. (2009). Pesquisa de marketing. (4. ed.), São Paulo: Atlas.

Marin, A. A., Oliveira, H. T., & Comar, V. A. (2003, outubro). Educação ambiental num contexto de complexidade do campo teórico da percepção. Interciência, 28, 616-619.

Marôco, J. (2010). Análise de Equações Estruturais: Fundamentos teóricos, Software & Aplicações. Pêro Pinheiro: Report Number.

Mcclelland, D. C & Burnham, D. H. (1995). Power is the Great Motivator. Harvard Business Review, 73, 126-39.

Mcclelland, D. C. (1961). The achieving society. Princeton, NJ: Van Nostrand.

Mcclelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e cultura.

Mcclelland, D. C. & Winter, D. G. (1969). Motivating economic achievement. New York, NY: Free Press.

Minello, I. F., Scherer, L. A. L. A., Perlin, A. P., Alves, L. C., & Huezo, M. R. (2011, setembro). Comportamento e tipologia do empreendedor diante do insucesso empresarial. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Muniz, C. N. S. (2008). Atitude empreendedora e suas dimensões: um estudo em micro e pequenas empresas. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Novaes, M. B. C. de, & Gil, A. C. (2009). A pesquisa-ação participante como estratégia metodológica para o estudo do empreendedorismo social em administração de empresas. Revista de Administração Mackenzie - RAM, 10(1), 134-160.

Oliveira, A. M. C. V. dos S. (2011). Processos de desterritorialização e filiação ao lugar: o caso da Aldeia da Luz. Dissertação de Mestrado, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Omolayo, B. (2006). Entrepreneurship in Theory and Practice. In Omotosho, Aluko, Wale Awe & Adaramola (eds). Introduction to Entrepreneurship development in Nigeria. (pp. 1265-1272) Ado-Ekiti: Umad Press.

Paço, A., Ferreira, J., Raposo, M., Rodrigues, R., & Dinis, A. (2010). Universities’ Entrepreneurship Education and Regional Development: a Stakeholders’ Approach. Recuperado em 5 de dezembro, 2017, de http://dge.ubi.pt/investigacao/TDiscussao/2010/TD02_2010.pdfPeña, F. G. (2014). Topofilia, paisaje y sostenibilidad del território. Enrahonar. Quaderns de Filosofia, 53, 63-75, 2014.

Petty, R. E., & Wegener, D. T. (1998). Attitude change: multiple roles for persuasion variables. In D. T. Gilbert, S. T. Fiske, & G. Lindzey. The handbook of social psychology. New York: McGraw-Hill.

Pihie, Z. A. L., & Bagheri, A. (2011). Malay Secondary School Students’ Entrepreneurial Attitude Orientation and Entrepreneurial Self-efficacy: A Descriptive Study. Journal of Applied Sciences, 11(2), 316-322.

Rasli, A. M., Khan, S. R., Malekifar, S., & Jabeen, S. (2013). Factores Affecting Etrepreneurial Among Graduate Students of Universiti Teknologi Malaysia. Internacional Journal of Business and Social science, 4(2), 182-188.

Rêgo, T. F., Correia, A. M. M., Sales, L. B., Lima, A. K. C., & Gimenez, F. A. P. (2013, setembro). Empreendedorismo: Estudo sobre a configuração empreendedora na região de Mossoró/RN. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 37.

Santos, M. (2008). Da totalidade ao lugar. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Senge, P. M. (1990). A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller.

Shapero, A., & Sokol, L. (1982). The Social dimensions of entrepreneurship. Encyclopedia of Entrepreneurship. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall Inc.

Sheth, J. N., Mittal, B., & Newman, B. I. (1999). Customer behavior: consumer behavior and beyond. Orlando: Dryden.

Silva, M. P., Andrade, P. A. M., & Priori, P. (2009). Topofilia e preservação territorial: identidade local e globalização. In Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização. Universidade Sagrado Coração, Bauru, Brasil.

Teixeira, A. A. C., & Davey, T. (2010). Attitudes of Higher Education students to new venture creation: a preliminary approach to the Portuguese case. Industry and Higher Education, 24(5), 323-341.

Teixeira, A. A. C., & Forte. R. P. (2009). Unbounding entrepreneurial intents of university students: a multidisciplinary perspective, forthcoming in. International Entrepreneurship and Management Journal, 322, 1-36.

Torres, E. E. D., & Durón, J. Q. (2013). Identidades fragmentadas y las visiones sobre-escritas de la ciudad turística. Revista de Arquitectura, Urbanismo y Ciencias Sociales, 4(1). 595-608.

Tuan, Y. F. (1980). Topofilia: um estudo da percepção atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel.

Tuan, Y. F. (1983). Espaço e Lugar: a perspectiva de experiência (L. Oliveira, Trad.). São Paulo: Difel.

Valadares, J. L., Emmendoerfer, M. L., Alves, R. C. M., & Morais, M. C. A. (2012, setembro). O Fenômeno do Empreendedorismo Público: Um Ensaio sobre a Aplicabilidade desse Construto na Administração Pública Brasileira. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Vilar, L. M. (2008, janeiro). A percepção ambiental entre os habitantes da região noroeste do estado do Rio de Janeiro. Escola Anna Nery. Revista de Enfermagem, 12(2), 285-90.

Whyte, A. V. T. (1978). La perception de I`environment: lignes directrices méthodologiques pour les etudes sur le terrain. Paris: UNESCO.

Yory, C. (2003). Topofilia, ciudad y territorio: una estrategia pedagógica de desarrollo urbano participativo con dimensión sustentable para las grandes metrópolis de América Latina en el contexto de la globalización: “el caso de la ciudad de Bogotá”. Tesis doctoral, Universidad Complutense de Madrid, Madrid, Espanha.

Zhang, X., & Bartol, K. M. L. (2010). Empowering Leadership and Employee Creativity: the Influence of Psychological Empowerment, Intrinsic Motivation, and Creative Process Engagement. Academy of Management Journal, 53(1), 107-128.

Zhao, H., Seibert, S. E. & Hills, G. E. (2005). The mediating role of self-efficacy in the Development of Entrepreneurial Intentions. Journal of Applied Psychology, 90(6), 1265-1272.

Zhao, H., Seibert, S. E., & Lumpkin, G. T. (2010). The Relationship of Personality to Entrepreneurial Intentions and Performance: A Meta-Analytic Review. Journal of Management, 36(2), 381-404.


Texto completo: Artigo

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Revista Eletrônica de Ciência Administrativa - RECADM
http://www.periodicosibepes.org.br/recadm/
ISSN: 1677-7387
doi: 10.21529/RECADM