De colônia de imigrantes a um polo gastronômico: uma pesquisa institucional documental

Danielle Ferraz Vieira, Márcio Jacometti
DOI: https://doi.org/10.21529/RECADM.2021003

Texto completo:

PDF

Resumo

O campo organizacional é resultado de interações ao longo do tempo entre organizações, indivíduos e o próprio contexto onde estão inseridos. Os fundamentos da nova teoria institucional permitem essa leitura e, nesse sentido, o objetivo desta pesquisa foi identificar que fatores institucionais influenciaram a formação do Polo Gastronômico no Bairro de Santa Felicidade, na cidade de Curitiba, Capital do Paraná, Brasil. Para atingir este propósito, foi utilizada a estratégia de pesquisa qualitativa, na qual se adotou como método a pesquisa documental sobre o setor turístico-gastronômico do referido bairro, considerando um recorte seccional com avaliação longitudinal no período de 1878 a 2020. Os dados coletados foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo temática e as categorias analíticas utilizadas foram o empreendedorismo institucional no nível da ação e as instituições no contexto. Concluiu-se que o empreendedorismo institucional desempenhado pelos atores sociais permitiu a evolução do campo organizacional desta localidade, possibilitando a formação do Polo Gastronômico investigado.


Palavras-chave

contexto institucional; empreendedorismo institucional; instituições; pesquisa documental


Referências


Adega Caliari. (n.d.). Vinhos colonial. Recuperado em 20 janeiro, 2020, de https://www.adegacaliari.com.br/nossa-historia

Arruda, L. R. V. (2016). Empreendedorismo institucional: o caso de Joaquim Murtinho. Revista Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, 5(9), 27-48. doi: https://doi.org/10.12957/cesp.2016.21263

Associação do Comércio e Indústria de Santa Felicidade. (n.d.). Sobre. Recuperado em 01 maio, 2020, de http://acisf.com.br/

Avrichir, I., & Chueke, G. V. (2011). Empreendedorismo institucional: uma análise de caso no setor de energia elétrica Brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, 12(6), 140-164. doi: https://doi.org/10.1590/S1678-69712011000600007

Baratter, M. A., Ferreira, J. M., & Costa, M. C. (2010). Empreendedorismo institucional: características da ação intencional. Perspectivas Contemporâneas. Edição Especial, 237-266.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (5a ed., L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977).

Barretto, M., & Rejowski, M. (2009). Considerações epistemológicas sobre segmentação: das tipologias turísticas à segmentação de mercado. In A. Panosso Netto & M. G. R. Ansarah (Eds.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri, SP: Manole.

Battilana, J. (2006). Agency and institutions: the enabling role of individuals' social position. Organization, 13(5), 653-676. doi: https://doi.org/10.1177/1350508406067008

Leca, B., Battilana, J ., & Boxenbaum, E. (2009). Agency and institutions: a review on institutional entrepreneurship. Academy of Management Annals, 3, 65-107.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2004). A construção social da realidade: tratado de Sociologia do conhecimento. Petrópolis, RJ: Vozes. (Obra original publicada em 1966).

Borges, D. E. (2014). Respostas estratégicas ao ambiente institucional e a performance exportadora: o caso dos empreendedores do setor vitivinícola da campanha gaúcha-RS. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado em 15 junho, 2020, de http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.39510829〈=pt-br&site=eds-live&scope=site

Browne, B. M. (2018). Centro gastronômico inspirado em Veneza em Santa Felicidade. Recuperado em 27 janeiro, 2020 de Jornal Bem Paraná, de https://www.bemparana.com.br/blog/mesadividida/post/centro-gastronomico-inspirado-em-veneza-em-santa-felicidade#.XjszLmhKjIU

Brunstein, J., Rodrigues, A. L., & Kirschbaum, C. (2008). Inovação social e empreendedorismo institucional: a ação da Ong "Ação Educativa" no campo educacional da cidade de São Paulo. Organizações & Sociedade, 15(46), 119-136. doi: https://doi.org/10.1590/S1984-92302008000300006

Curitiba. (2008). Lei municipal nº 13.035, de 16 de dezembro de 2008. Declara de utilidade pública a Associação do Comércio e Indústria de Santa Felicidade – ACISF. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de https://leismunicipais.com.br/a/pr/c/curitiba/lei-ordinaria/2008/1303/13035/lei-ordinaria-n-13035-2008-declara-de-utilidade-publica-a-associacao-do-comercio-e-industria-de-santa-felicidade-acisf

Curitiba. (2017). Lei municipal n° 15123, de 27 de novembro de 2017. Cria o “Polo Gastronômico de Santa Felicidade” e dá outras providências. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://mid-turismo.curitiba.pr.gov.br/2019/10/pdf/00003802.pdf

Curitiba. (2017, novembro 25). Lei favorece ampliação do Polo Gastronômico de Santa Felicidade. Recuperado em 22 junho, 2020, de https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/lei-favorece-ampliacao-do-polo-gastronomico-de-santa-felicidade/44260

Curitiba. (n.d.). História – Imigração. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/historia-imigracao/208

Creswell, J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. (3 ed., M. F. Lopes, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Czarniawska, B. (2009). Emerging institutions: pyramids or anthills? Organization Studies, 30(4), 423-441. doi: https://doi.org/10.1177/0170840609102282

Demo, P. (1985). Introdução à metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas.

Denck, D. (2019). Tradicional Festa do Frango, Polenta e Vinho de Santa Felicidade esquenta o inverno. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de Jornal Gazeta do Povo, de https://clube.gazetadopovo.com.br/noticias/outros/festa-frango-polenta-vinho-santa-felicidade/

DiMaggio, P. J. (1988). Interest and agency in institutional theory. In L. Zucker (Ed.). Institutional patterns and organizations. Cambridge: Ballinger.

DiMaggio, P. J, & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89. (Artigo original publicado em 1983).

Domingues, J. M. (2001). A sociologia de Talcott Parsons. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense.

Eisenstadt. S. N. (1980). Cultural orientations, institutional entrepreneurs, and social change: comparative analysis of traditional civilizations. American Journal of Sociology, 85(4), 840-869.

Falaster, C., Zanin, L. M., & Guerrazzi, L. A. (2017). Teoria institucional na pesquisa em turismo: novas oportunidades de uma teoria em evolução. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(2), 270-293.

Fenianos, E. E. (2006). Santa Felicidade, Cascatinha, Butiatuvinha, São João e Lamenha Pequena – siamo tutti buona gente (Vol.10, Coleção Bairros de Curitiba). Curitiba: Univer Cidade.

Folha de São Paulo. (2004). Curitiba: Santa Felicidade inaugura o seu 1º hotel em agosto. Recuperado em 27 janeiro, 2020, de https://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u4187.shtml

Flick, U. (2013). Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. (M. Lopes, Trad.). Porto Alegre: Penso.

Flick, U. (2009). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

França, A. S. T. (2009). Talcott Parsons: apontamentos para uma análise institucional. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, 10(97), 181-204. doi:https://doi.org/10.5007/1984-9851.2009v10n97p181

Freitas, C. H. G. (2018).“Cozinha medieval”: regionalidade e pós-modernidade em um restaurante gastronômico de uma cidade global. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia. Minas gerais, Uberlândia, Brasil. Recuperado em 03 maio, 2020, de http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.371E7403〈=pt-br&site=eds-live&scope=site

Gândara, J. M. G., Gimenes, M. H. S. G., & Mascarenhas, R. G. T. (2009). Reflexões sobre o turismo gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In A. Panosso Netto & M. G. R. Ansarah (Eds.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri, SP: Manole.

Goulart, S., Vieira, M. M. F., & Carvalho, C. A. (2005). Universidade e desenvolvimento local: uma abordagem institucional. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto.

Hall, P. A., & Taylor R. C. R. (1996). Political science and the three new institutionalisms. Political Studies, XLIV, 1-32. doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-9248.1996.tb00343.x

Hall, R. H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados (8a ed., R. Galman Trad.). São Paulo: Pearson Prentice Hall. (Obra original publicada em 1972).

Hardy, C., & Maguire, S. (2008). Institutional entrepreneurship. In R. Greenwood, C. Oliver, K. Sahlin & R. Suddaby (Orgs.). Handbook of Organizational Institutionalism. London: Sage.

Holanda, L. A. de. (2003). Formação e institucionalização do campo organizacional do turismo no Recife-PE. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. Recuperado em 30 janeiro, 2020, de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1157

Hubner, R. A. (2007). Entre quatro panelas. Curitiba: Hellograff.

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. (n.d.). Curitiba em dados: 1975 histórico do Bairro Santa Felicidade. Recuperado em 22 janeiro, 2020, de http://curitibaemdados.ippuc.org.br/

Instituto Municipal de Turismo. (2018). Dados e estatísticas. Recuperado em 22 junho, 2020, de https://turismo.curitiba.pr.gov.br/conteudo/dados-e-estatisticas/1724

Instituto Municipal de Turismo. (n.d.). Polo Gastronômico de Santa Felicidade. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://turismo.curitiba.pr.gov.br/conteudo/polo-gastronomico-de-santa-felicidade/2554

Jacometti, M., Castro, M., Gonçalves, S. A., & Costa, M. C. (2016). Análise de efetividade das políticas públicas de Arranjo Produtivo Local para o desenvolvimento local a partir da teoria institucional. Revista de Administração Pública, 50(3), 425-454. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612142712

Jepperson, R. L. (1991). Institutions, institutional effects, and institutionalism. In W. W. Powell & P. J. DiMaggio (Eds.). The new institutionalism in organizational analysis (pp. 143-163). Chicago: The University of Chicago Press.

Lawrence, T. B., Winn, M. I., & Jennings, P. D. (2001). The temporal dynamics of Institutionalization. The Academy of Management of Review, 26(4), 624-644. doi: https://doi.org/10.5465/amr.2001.5393901

Lawrence, T. B., & Suddaby R. (2006). Institutions and institutional work. In S. R.

Clegg, C. Hardy, T. B. Lawrence, & W. R. Nord (Eds.). Handbook of organization

studies. (2a ed., pp. 215-254). London: Sage.

Lévesque, B. (2002). Les entreprises d’économie sociale, plus porteuses d’innovations sociales que les autres? Cahiers du CRISES, 0205(1), 01-27.

Lévesque, B. (2002). Les entreprises d’économie sociale, plus porteuses

d’innovations sociales que les autres? Annales du Colloque du CQRS au Congrès de

l’ACFAS, Montreal, CA, 1, 01-27.

Li, D. D., Feng, J., & Jiang, H. (2006). Institutional entrepreneurs. American Economic Association, 96(2), 358-362.

Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V. S., & Crubellate. J. M. (2010). Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 77-107. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000600005.

Maranhão, M. F. C. (2014). Santa Felicidade, o bairro italiano de Curitiba: um estudo sobre restaurantes, rituais e (re)construção de identidade étnica. Curitiba: Coleção Teses do Museu Paranaense.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institucionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83(2), 340-363.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2002). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (21a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério do Turismo. (2017). Turismo injetou US$ 163 bilhões no Brasil em 2017. Recuperado em 12 dezembro, 2019, de www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/11037-turismo-injetou-us$-163-bilh%C3%B5es-no-brasil-em-2017.html

Mori, M. (2019). Como os Madalosso construíram um império gastronômico com 15 restaurantes, bares e padaria. Recuperado em 28 janeiro, 2020, de Jornal Gazeta do Povo, de https://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/restaurantes/historia-madalosso-curitiba/

Mutch, A. (2007). Reflexivity and the institutional entrepreneur: a historical exploration. Organization Studies, 28(7), 1123-1140. doi: http://dx.doi.org/10.1177/0170840607078118

Nascimento, G. C., Rodrigues, V. J., & Megliorini, E. (2010, novembro). Conceitos da teoria institucional: fonte propulsora de evolução para a gestão de desempenho. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, MG, Brasil, XVII.

Oliver, C. (1992). The antecedents of desinstitutionalization. Organization Studies, 13(4), 563-588. doi: https://doi.org/10.1177/017084069201300403

Paróquia São José e Santa Felicidade. (2018, novembro 23). 140 anos de Santa Felicidade [Youtube]. Recuperado em 27 janeiro, 2020, de https://www.youtube.com/

watch?time_continue=5&v=l4z94eHJghs&feature=emb_logo

Paróquia São José e Santa Felicidade. (n.d.). Nossa História. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de https://www.paroquiasantafelicidade.com/nossa-historia

Parsons, T. (1937). The structure of social action. New York: Macmillan.

Parsons, T. (1951). The social system. Glencoe: The Free Press.

Powell, W. W., & DiMaggio, P. J. (1991). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago press.

Regatieri, R. P. (2019). Teoria da ação e teoria de sistemas em Talcott Parsons e Jürgen Habermas. Estudos de Sociologia, 2(25), 189-212. Recuperado em 15 junho, 2020, de https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/243767

Reiss, C. (2008). Assembléia reconhece utilidade pública de entidade em Santa Felicidade. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, http://www.assembleia.pr.leg.br/comunicacao/noticias/assembleia-reconhece-utilidade-publica-de-entidade-em-santa-felicidade

Restaurante Cascatinha. (n.d). Home. Recuperado em 01 maio, 2020, de https://www.cascatinharestaurante.com/

Restaurante Portal. (n.d.). Sobre o restaurante. Recuperado em 01 maio, 2020, de http://www.restauranteportal.com.br/restaurante.php

Saccol, A. Z. (2009). Um retorno ao básico: compreendendo os paradigmas de pesquisa e sua aplicação na pesquisa em administração. Revista de Administração da UFSM, 2(2), 250-269. doi: http://dx.doi.org/10.5902/198346591555

Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 01-15.

Scott, R. W. (1992). Organizations: rational, natural, and open systems (3a. ed.). New Jersey: Prentice-Hall. (Obra original publicada em 1981).

Scott, R. W. (2008). Institutions and organizations: ideas and interests (3a. ed.). Los Angeles: Sage Publications. (Obra original publicada em 1995).

Secretaria Municipal de Saúde. (n.d.). VISA Curitiba. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/vigilancia/sanitaria/informacoes-gerais/visa-curitiba.html

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2018). Como o Sebrae atua no segmento de Turismo. Recuperado em 10 dezembro, 2019, de https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/segmentos/turismo/como-o-sebrae-atua,cdfc747f0a5af510VgnVCM1000004c00210aRCRD

Suddaby, R., Greenwood, R. (2005). Rhetorical strategies of legitimacy. Administrative Science Quarterly, 50(1), 35-67.

Smothers, J., Murphy, P. J., Novicevic, M. M., & Humphreys J. H. (2014). Institutional entrepreneurship as emancipating institutional work : James Meredith and the Integrationist Movement at Ole Miss. Journal of Management History, 20(1), 114–134. doi: https://doi.org/10.1108/JMH-06-2012-0047

Svejenova, S., Mazza, C., & Planellas, M. (2007). Cooking up change in haute cuisine: Ferran Adrià as an institutional entrepreneur. Journal of Organizational Behavior, 28, 539-561. doi: https://doi.org/10.1002/job.461

Thiollent, M. (2014). Estudos organizacionais: possível quadro referencial e interfaces. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 1(1), 17-29. doi: https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2014.v1n1.28

Tolbert, P. S., & Zucker, L. G. (1998). A institucionalização da teoria institucional. In S. Clegg, C. Hardy & W. Nord (Eds.). Handbook de estudos organizacionais. (Vol. 1). São Paulo: Atlas.

Vasconcelos, F. C. (2004). A institucionalização das estratégias de negócios: o caso das start-ups na internet brasileira em uma perspectiva construtivista. Revista de Administração Contemporânea, 8(2), 159-179. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000200009

Vinhos Dall’Armi. (n.d.). A história da Vinícola Dall’Armi. Recuperado em 09 janeiro, 2020, de https://vinhosdallarmi.com.br/historia.htm

Vinhos Santa Felicidade. (n.d.). História dos vinhos Santa Felicidade. Recuperado em 09 janeiro, 2020, de http://www.vinhosantafelicidade.com.br/novo/empresa.php

Zaneti, T. B. (2012). Das panelas das nossas avós aos restaurantes de alta gastronomia : os processos sociais de valorização de produtos agroalimentares tradicionais. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. Recuperado em 15 junho, 2020, de http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsndl&AN=edsndl.oai.union.ndltd.org.IBICT.oai.agregador.ibict.br.BDTD.oai.bdtd.ibict.br.UNB.hdl.10482.749.oai.repositorio.bce.unb.br.10482.12019〈=pt-br&site=eds-live&scope=site

Zucker, L. G. (1977). The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociology Review, 42(5), 726-743.

Zucker, L. G. (1987). Institutional theories of organization. Annual Review of Sociology, 13, 443-464. doi: https://doi.org/10.1146/annurev.so.13.080187.002303

Curitiba. (2008). Lei municipal nº 13.035, de 16 de dezembro de 2008. Declara de utilidade pública a Associação do Comércio e Indústria de Santa Felicidade – ACISF. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de https://leismunicipais.com.br/a/pr/c/curitiba/lei-ordinaria/2008/1303/13035/lei-ordinaria-n-13035-2008-declara-de-utilidade-publica-a-associacao-do-comercio-e-industria-de-santa-felicidade-acisf

Curitiba. (2017). Lei municipal n° 15123, de 27 de novembro de 2017. Cria o “Polo Gastronômico de Santa Felicidade” e dá outras providências. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://mid-turismo.curitiba.pr.gov.br/2019/10/pdf/00003802.pdf

Curitiba. (n.d.). História – Imigração. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/historia-imigracao/208

Czarniawska, B. (2009). Emerging institutions: pyramids or anthills? Organization Studies, 30(4), 423-441. doi: https://doi.org/10.1177/0170840609102282

Demo, P. (1985). Introdução à metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas.

Denck, D. (2019). Tradicional Festa do Frango, Polenta e Vinho de Santa Felicidade esquenta o inverno. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de Jornal Gazeta do Povo, de https://clube.gazetadopovo.com.br/noticias/outros/festa-frango-polenta-vinho-santa-felicidade/

DiMaggio, P. J. (1988). Interest and agency in institutional theory. In L. Zucker (Ed.). Institutional patterns and organizations. Cambridge: Ballinger.

DiMaggio, P. J, & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45(2), 74-89. (Artigo original publicado em 1983).

Fenianos, E. E., & Sade, S. (1996). Santa Felicidade, Cascatinha, Butiatuvinha, São João e Lamenha Pequena (Coleção Bairros de Curitiba). Curitiba: Univercidade. Recuperado em 21 fevereiro, 2020, de https://curitibaspace.com.br/santa-felicidade/

Folha de São Paulo (2004). Curitiba: Santa Felicidade inaugura o seu 1º hotel em agosto. Recuperado em 27 janeiro, 2020, de https://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u4187.shtml

Gândara, J. M. G. (2009). Reflexões sobre o turismo gastronômico na perspectiva da sociedade dos sonhos. In A. Panosso Netto & M. G. dos R. Ansarah (Eds.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri, SP: Manole.

Goulart, S., Vieira, M. M. F., & Carvalho, C. A. (2005). Universidade e desenvolvimento local: uma abordagem institucional. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., & Frezatti, F. (2008). Aplicação do modelo de Burns e Scapens para avaliação do processo de institucionalização da Contabilidade Gerencial. Organização & Sociedade, 15(44), 45-62. doi: https://doi.org/10.1590/S1984-92302008000100003

Hall, P. A., & Taylor R. C. R. (1996). Political science and the three new institutionalisms. Political Studies, XLIV, 1-32. doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-9248.1996.tb00343.x

Hall, R. H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados (8a ed., R. Galman Trad.). São Paulo: Pearson Prentice Hall. (Obra original publicada em 1972).

Holanda, L. A. de. (2003). Formação e institucionalização do campo organizacional do turismo no Recife-PE. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil. Disponível: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1157

Hubner, R. A. (2007). Entre quatro panelas. Curitiba: Hellograff.

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. (n.d.). Curitiba em dados: 1975 histórico do Bairro Santa Felicidade. Recuperado em 22 janeiro, 2020, de http://curitibaemdados.ippuc.org.br/

Instituto Municipal de Turismo. (n.d.). Polo Gastronômico de Santa Felicidade. Recuperado em 21 janeiro, 2020, de https://turismo.curitiba.pr.gov.br/conteudo/polo-gastronomico-de-santa-felicidade/2554

Jacometti, M., Castro, M., Gonçalves, S. A., & Costa, M. C. (2016). Análise de efetividade das políticas públicas de Arranjo Produtivo Local para o desenvolvimento local a partir da teoria institucional. Revista de Administração Pública, 50(3), 425-454. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612142712

Lawrence, T. B., & Suddaby R. (2006). Institutions and institutional work. In S. R. Clegg, C. Hardy, T. B. Lawrence, & W. R. Nord (Eds.). Handbook of organization studies. (2a ed., pp. 215-254). London: Sage.

Li, D. D., Feng, J., & Jiang, H. (2006). Institutional entrepreneurs. American Economic Association, 96(2), 358-362.

Maranhão, M. F. C. (2014). Santa Felicidade, o bairro italiano de Curitiba: um estudo sobre restaurantes, rituais e (re)construção de identidade étnica. Curitiba: Coleção Teses do Museu Paranaense.

Minayo, M. C. de S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2002). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (21a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério do Turismo. (2017). Turismo injetou US$ 163 bilhões no Brasil em 2017. Recuperado em 12 dezembro, 2019, de www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/11037-turismo-injetou-us$-163-bilh%C3%B5es-no-brasil-em-2017.html

Mori, M. (2019). Como os Madalosso construíram um império gastronômico com 15 restaurantes, bares e padaria. Recuperado em 28 janeiro, 2020, de Jornal Gazeta do Povo, de https://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/restaurantes/historia-madalosso-curitiba/

Nascimento, G. C., Rodrigues, V. J., & Megliorini, E. (2010, novembro). Conceitos da teoria institucional: fonte propulsora de evolução para a gestão de desempenho. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, MG, Brasil, XVII.

Paróquia São José e Santa Felicidade. (2018, novembro 23). 140 anos de Santa Felicidade [Youtube]. Recuperado em 27 janeiro, 2020, de https://www.youtube.com/watch?time_continue=5&v=l4z94eHJghs&feature=emb_logo

Paróquia São José e Santa Felicidade. (n.d.). Nossa História. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de https://www.paroquiasantafelicidade.com/nossa-historia

Reiss, C. (2008). Assembléia reconhece utilidade pública de entidade em Santa Felicidade. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, http://www.assembleia.pr.leg.br/comunicacao/noticias/assembleia-reconhece-utilidade-publica-de-entidade-em-santa-felicidade

Restaurante Portal. (n.d.). Sobre o restaurante. Recuperado em 01 maio, 2020, de http://www.restauranteportal.com.br/restaurante.php

Saccol, A. Z. (2009). Um retorno ao básico: compreendendo os paradigmas de pesquisa e sua aplicação na pesquisa em administração. Revista de Administração da UFSM, 2(2), 250-269. doi: http://dx.doi.org/10.5902/198346591555

Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 01-15.

Scott, R. W. (1992). Organizations: rational, natural, and open systems (3a. ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

Scott, R. W. (2008). Institutions and organizations: ideas and interests (3a. ed.). Los Angeles: Sage Publications.

Secretaria Municipal de Saúde. (n.d.). VISA Curitiba. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/vigilancia/sanitaria/informacoes-gerais/visa-curitiba.html

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2018). Como o Sebrae atua no segmento de Turismo. Recuperado em 10 dezembro, 2019, de https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/segmentos/turismo/como-o-sebrae-atua,cdfc747f0a5af510VgnVCM1000004c00210aRCRD

Svejenova, S., Mazza, C., & Planellas, M. (2007). Cooking up change in haute cuisine: Ferran Adriàas an institutional entrepreneur. Journal of Organizational Behavior, 28, 539-561. doi: https://doi.org/10.1002/job.461

Thiollent, M. (2014). Estudos organizacionais: possível quadro referencial e interfaces. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 1(1), 17-29. doi: https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2014.v1n1.28

Tolbert, P. S., & Zucker, L. G. (1998). A institucionalização da teoria institucional. In S. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Eds.). Handbook de estudos organizacionais. (Vol. 1). São Paulo: Atlas.

Vasconcelos, F. C. de. (2004). A institucionalização das estratégias de negócios: o caso das start-ups na internet brasileira em uma perspectiva construtivista. Revista de Administração Contemporânea, 8(2), 159-179. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000200009

Vinhos Dall’Armi. (n.d.). A história da Vinícola Dall’Armi. Recuperado em 09 janeiro, 2020, de https://vinhosdallarmi.com.br/historia.htm

Vinhos Santa Felicidade. (n.d.). História dos vinhos Santa Felicidade. Recuperado em 09 janeiro, 2020, de http://www.vinhosantafelicidade.com.br/novo/empresa.php

Zucker, L. G. (1987). Institutional theories of organization. Annual Review of Sociology, 13, 443-464. doi: https://doi.org/10.1146/annurev.so.13.080187.002303




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.